domingo, 8 de junho de 2014

Fr(e)io


Deserto, Dalí, de Marceleza de Castilho

Fr(e)io
Emmanuel Mirdad

Ela parou de ter medo. Passou a acreditar que há alguém, de carne e desgosto, aqui fora, talvez longínquo ou mais obviamente próximo que a coincidência encontre, que poderá ser capaz de lhe dizer não.

- Sempre aquaplanei os freios de todos na direção de um curso peregrino. E eles se doaram como se fosse a única oportunidade do amor mecanicista ser compreendido por uma mulher múltipla. Contudo, agora quero ser contida, pra aceitar o fracasso inerente da matéria em suas bordas limítrofes e beiras de precipícios.

- O que você quer é arruaça.

.

5 comentários:

Vanessa Souza Moraes disse...

Minha analista sempre diz que quem é (des)medido se deforma :)

Isso quando eu citei Caio F. para ela, hahaha.

Zanom. disse...

Arruaceiros de plantão ! Todos ...

Raiça Bomfim disse...

Eu tb quero arruaça!!

Multiethnic disse...

Ê, liberdade...libertinagem...whatever.

Multiethnic disse...

PS:Obrigada pelo "abandone as rimas". Juro que estou tentando "de hoooje"...Obrigada mesmo!