Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Parte 03 - Nostalgia da Lama, de Emmanuel Mirdad

Emmanuel Mirdad (foto: Léo Monteiro - interferida por Mirdad)


"meu pai me ensinou os fluidos do vento
minha mãe, a urgência dos anseios
os dois, a fusão apoteótica de antípodas
que anulam os polos e refazem o magnetismo
subvertendo a lógica à origem da falha
imperando sua unidade no perpétuo amor belíssimo"


"quem sou eu, assim,
sem a sede que fortalece,
sem a audácia destemida do idiota,
sem a frágil sensação de que tudo está bem?
...
quem sou eu, assim,
sem grilhões e a gravidade da incerteza
sem as fugas que tanto forjei?
[como faz falta o ego que cala]
...
quem sou eu, assim,
imundo pela descoberta
de que não há sentido?
não estou fixo e nem pássaro
[e agora, o que irei concretar?]"


"o pai levantou a mão contra o filho
e bateu com a potência das gerações acumuladas
o bisavô que machucou o avô que feriu o pai que descontou no filho
tantos anos depois, sem razão plausível, como sempre"


"quero o amor para me pertencer a um lugar
e deixar de pairar na existência
como um fantasma de carne e bucho
a observar os demais condenados
apenas pra sacramentar, definir e inventar
o maior balaio possível de diferenças e escárnios"


Emmanuel Mirdad
(Cousa - 2014)


"quis sentir-me inserido e partícipe da baianidade complô
mas não; o que me fincou na baía de todos, por ali e aqui,
foi a fração do legado de um genial suíço pluralista que,
avançando em mim além de sua incrível obra expansiva,
microtonizou meu coração, indiretamente e cúmplice"


"camuflados na reta paradoxa de cada existência
enquanto carne e validade
as pessoas e seus aprendizados
em repeat e reset fluindo seus destinos
e eu ali, parado bem no meio do caminho
a observar aquele tráfego multidirecional"


"sei da mutabilidade e por isso continuo
a repetir o que já repetiram

não há mais o que formar na informação
o que me resta é o caos
que infelizmente não renderá centavo algum"


"e eles se doaram
como se fosse a única oportunidade
do amor mecanicista ser compreendido
por uma mulher múltipla

contudo, agora ela quer ser contida
pra aceitar o fracasso inerente da matéria
em suas bordas limítrofes e beiras de precipícios"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…