Pular para o conteúdo principal

O grito do mar na noite - Chá de boldo - Trechos do conto



Um bisavô é abandonado pela filha e tem de viver
em um asilo contra sua vontade, até que ele
tem a chance de retribuir a covardia.


“O velho tava sossegado. A filha pediu: ‘É tipo endoscopia, não posso ir sozinha, e ele não pode ir’. O marido, sempre imprestável, desses que remexem suas coisas porque você mora de favor na casa dele, arrumou um serviço de ontem pra hoje. E saiu antes do pão ficar pronto; da torradeira para o lixo – ninguém mais lidava com o glúten. O pai velho respondeu que sim, antes que a filha terminasse o pedido, desses que te amam com a disposição imediata, independente, sem custo, critério, condição.” (p. 12)


“O velho parou de ouvir. Deixou a assistente social, amparada pelo segurança desnecessário, falando sozinha e saiu sem rumo do hospital, sem fome, sem sede, sem a dignidade que possuía horas atrás, numa manhã que começou normal, como todas as outras nesses quase oitenta anos. Teve medo. Na carteira, documentos, pouco dinheiro, cartão do banco. Todos os irmãos e amigos mais próximos mortos – costuma contar vantagem que é o último, o sobrevivente. A sobrinhada e seus descendentes se disseminaram pelo norte, e nunca mais teve notícias ou uma mísera ligação. Por insistência do neto, embora a mulher dele não permitisse acolhê-lo, deixou o interior. A filha pareceu não se importar; sempre foi carrancuda, de mal com o simples, o comum. O normal é estar de mal com algo.” (p. 14 e 15)


“Uma vez por mês, uma violonista, já senhora, ia tocar para os velhinhos de um asilo privado. Não tinha objeção em tocar para os mais ricos; é mais comum encontrar rancor, traumas e tendências suicidas na riqueza. O abandono de quem teve ou ainda tem muitas posses costuma ser empreendido na ausência quase completa de amor – muitas vezes, um reflexo do que o velho rico praticou em sua vida estritamente dedicada ao trabalho, ao acúmulo de bens, ou à futilidade, distorcendo os vínculos com os filhos e netos a meras relações de consumo. A senhora também tocava no asilo público e servia a todos com igual entusiasmo. Era a sua terapia. Um fazer o bem por outro. Afeta-se que isso é incondicional, mas nunca o é.” (p. 15 e 16)





Trechos do conto Chá de boldo, presente no livro
O grito do mar na noite (Via Litterarum/2015),
de Emmanuel Mirdad, que será lançado aqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…