sexta-feira, 10 de julho de 2015

Escrever é doloroso demais

Foto daqui


Escrever é doloroso demais, putz... Exausto define. Três horas para duas páginas. Agora compreendo o motivo do mestre Mayrant Gallo ressaltar o mérito do escritor tartaruga. Desacelerar é preciso. Envelhecer a trama em barris de carvalho. Lapidar até a última aresta das palavras. Encontrar, sem acaso, o fio de ouro da concisão ante o caos do palheiro das ideias possíveis. Respeitar a tradição e se curvar, consciente da mediocridade evidente e de que nunca poderá ser comparado a um gigante - nem é preciso, pois o que interessa é tentar não falhar, seguindo o rumo que foi traçado pelos cânones (agora é a sua vez de continuar a estrada, de terra, no ermo, sozinho).

Um comentário:

Mayrant Gallo disse...

Muito bom, Mirdad! Grande e útil aprendizado. A nos defender de todas as armadilhas do sucesso fácil.