Pular para o conteúdo principal

Olhos abertos no escuro - Alucinação - Trechos do conto



Mataram a Rita!
E uma das peças, apaixonada pela bucha de sena, irrita-se com a jogada tonta que vitimou a sua musa, e escapole do tabuleiro de dominó, iniciando a saga surreal da alucinação.


“O dominó proporcionava umas partidas bastante disputadas, com muito empate, um toma-lá-dá-cá danado, não havia favorito. Quem decidia, quase sempre, era a sorte mesmo. Com os jogadores safos, todos escolados, só o azar pra vencer os empates e os embates. E as apostas fervilhavam. Todo mundo fazia a sua fezinha. Mas a plateia era obrigada a ficar em silêncio, quase absoluto. Qualquer troço diferente, seja movimentação ou diálogo, era motivo para alguém acusar de trapaça. Dependendo do palavrão, saíam na mão, sempre respeitando o tabuleiro, sem bulir nas peças. Depois dos socos e apartações, a partida recomeçava. Ninguém comprometia o dinheiro dos apostadores por conta de tapas e murros. Que brigassem o quanto quisessem! Sangue e caras estapeadas depois, o jogo havia de recomeçar, de qualquer maneira. Eram nobres, os cavalheiros do ócio.” (p. 74)


“A vida me borbulha. Sobrevivo à vodca pirata e ao antidepressivo, e saio, compenetrada, rumo à orla. Andarilha e nostálgica, escolho morrer no mar, a promover uma batalha entre os meus germes e o sal flamejante, para desinfetar, do restritivo mundo padrão, a minha existência, à vista dos outros, monstruosa. Basta! Resignada, não choro e apenas vou, corajosa, em passos calmos. Chego bem perto da água salgada. Do calçadão, um berro agudo interrompe o vigor suicida; alguém grita o meu nome, com força e desespero. Uma mulher grande, galopante e pontilhada. Rita. (...)” (p. 72 e 73)


“Um crime terrível, hediondo, inafiançável. Um absurdo! Mataram a Rita! Irritada, clamei por justiça, mas o que os desgraçados fizeram, foi apenas virar os dados e embaralhar as peças, para o jogo recomeçar. Fiquei furiosa com tamanha impunidade. Aproveitei a mão mole do embaralhador e escapuli, tabuleiro abaixo. Deram conta da minha falta, imediatamente. Suspenderam o embate. Ninguém conseguiu me encontrar. Fugi para o mundo real. Sem mim, não houve mais partida. Dominó faltando peça é que nem infarto e derrame; fulminam, mesmo com o corpo inteiro.” (p. 75)


“Sempre fui esquisita, mas era decisiva nas vitórias. (...) não parei de pensar em minha Rita. Amor platônico. Nunca nos colaram, as malditas regras não permitiam. Nas vezes em que ficamos separadas apenas por uma peça — aproximadas pelas alcoviteiras, as minhas primas de 2º grau, com o número seis gravado em uma das pontas —, eu saboreava o cheiro dos buracos mil da minha paixão, pesada, de maior valor entre nós todas. Com sorte, durante os rodopios antes do recomeço das partidas, ocorria da gente se chocar, se bater, se roçar. Uau! Como isso me excitava! Muitos lasquinês que proporcionei, vieram depois desse rebuliço. Que saudade...” (p. 76)






Trechos do conto Alucinação, presente no livro
Olhos abertos no escuro (Via Litterarum, 2016),
de Emmanuel Mirdad, que será lançado aqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…