Pular para o conteúdo principal

Olhos abertos no escuro - Derrame - Trechos do conto



O romântico nunca deixou de amar as mulheres que um dia declarou o seu amor libertário. De encontro em desencontro, o encanto de uma nova tentativa a livrá-lo dos desencantos da ilusão faminta, da reles possessão desesperada.


“As mulheres-muletas que arranjei, após o término da minha relação, não se comunicaram com o afeto. Para quem não é grande coisa, imprimo o silêncio da prudência. Elas telefonam, afetadas, procuram e querem mais. Eu sumo. Outro dia, me chapei, e uns rasgos de azul, no abafado céu plúmbeo, foram insuficientes ao estímulo; a lâmina do clima percebeu e decepou os pés do meu manequim, que iria flutuar nas plácidas nuvens da sugestão psicotrópica. Nessa minha saga, de quem será o próximo pouso? A tempestade se aproxima e eu preciso estar nu, novamente.” (p. 122 e 123)


“(...) O ódio se encarrega do serviço fácil: esfarelar os frágeis sentimentos que foram tão exacerbados publicamente e que não enraizaram a cumplicidade e a compreensão um tiquinho sequer, flanando nas aparências da felicidade instantânea e dos gozos supérfluos. Engulo a seco o drama-comédia da minha amada, e é agora que os porcos passeiam nas lembranças. Maçãs na estrada, nuvens, zumbidos.” (p. 122)


“(...) As desculpas que crio, favoráveis à preservação de me manter seguro, evidenciam o rápido vencimento de certos compromissos supostamente assumidos. (...) Mesmo assim, às considerações de uma lâmina, não quero perder alguém que amo por não querer amar da forma como a que muitos erram: desespero, oxigênio, não razão, ilusão faminta. (...)” (p. 122)


“Deixo a minha barba crescer. Esse é o momento crespo. Sofrido. Selvagem. É preciso primitivizar-se, tornar-se vasto, horizonte árido, dar um tempo das lâminas, permitir que os ombros bebam dos cabelos o que escorrer do peso que vai jorrar da consciência baleada, manca, rente e atabalhoada. (...) Pois elas viajaram, a minha romântica trindade, e nunca mais voltaram: uma ficou na estrada, a outra, na ponte, e a última, em mim. Eu ainda a amo. As três. Aliás, nunca deixei de amar nenhuma das que um dia declarei o meu amor, para sempre. Estão todas aqui, em mim.” (p. 123)





Trechos do conto Derrame, presente no livro
Olhos abertos no escuro (Via Litterarum, 2016),
de Emmanuel Mirdad, que será lançado aqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…