Pular para o conteúdo principal

Olhos abertos no escuro - Pássaros deliram - Trechos do conto



O delegado Mauro caça o Monstro, um psicopata abominável, prolífico em sua matança desenfreada, e uma esfinge extremista: não deixa pistas, impressões digitais e o intento de exterminar a humanidade.


“Levanta-se no arroubo, excitado e viril, e escolhe, das quatro armas à disposição, o trabuco que mais esburaca as carnes, filha predileta, para as ocasiões especiais. É preciso ser um bom anfitrião, receber os indesejados com balaços na barriga e na cabeça. Armado, de cartucheira e pijama, está digno do besteirol cinematográfico norte-americano. Dentre as várias opções, abandona a espreita e segue de peito aberto mesmo, passando do quarto à sala, pelo corredor e escada. Pensa na fragilidade da cozinha. Lança-se ao quintal. Aguça a temperatura da escuridão e filtra as sombras. A ansiedade molda alguns cálculos errôneos. Avança, desguarnecido, e tem a sorte que, lá fora, só se apresenta o inimigo ancestral: o silêncio noturno, sempre recheado de vultos suspeitos, pirraça do medo. Ele retém o faro de tenso caçador à direção do espaço vazio, alagado pela madrugada. E nada acontece. Resmunga. Deve ser a idade, que dizem ser do lobo. Do bobo, na verdade. (...)” (p. 187)


“(...) Volta-se à cozinha. Fica ouvindo a noite de dentro. Nada anormal para o horário. Sem estampidos, passos, viaturas. Alucinação? Rompe a insatisfação na porta principal. Quer sentir a vibração do crime, fora de casa, empossado do metal que o faz temível. Fareja sangue, por perto. Desce a rua, orientado pela memória auditiva, mesmo a se alfinetar da possibilidade de que o motivo que originou os disparos fora um vagabundo, e que ele poderia abusar da sua mulher, na sua ausência. Entretanto, a intuição de raposa velha é mais forte. E ela se cumpre.” (p. 187)


“A imprensa o batizou de Monstro. Um psicopata abominável, surgido meses atrás, prolífico em sua matança desenfreada. Qualquer um poderia ser a sua vítima, e nunca se viu uma sensação de pânico tão grande na cidade, acostumada à violência já amortecida do tráfico, sequestro e latrocínio. Monstro atacava, preferencialmente, à noite, em qualquer lugar, e sempre conseguia fugir, matando policiais e seguranças também. Era uma esfinge; não deixava pistas e impressões digitais, mesmo com a barbárie que aplicava, numa longa lista de atrocidades. As mais recentes: decepou uma turma inteira de uma universidade tradicional; ateou fogo em uma recepção de casamento, trancafiando mais de trezentos convidados dentro; destroçou alunos de duas escolas municipais com ácido, marreta e machado; invadiu uma galeria de lojas e mutilou com facões, indiscriminadamente, quem passava na sua frente. A única similaridade entre os crimes era o bárbaro ato de matar o máximo de pessoas possível, sem nunca deixar sobreviventes.” (p. 189 e 190)


“No final de uma das ruas esburacadas do labirinto de muitas ruelas, o carro para. Terrenos baldios, casarões desmoronados, casas abandonadas e apenas umas três construções funcionando. Em frente ao último estabelecimento, um enorme canal de esgoto, perfumando o ambiente com os dejetos do consumo humano. Letreiro? Apenas o tapete sujo da entrada. Motel Miranda, aberto nos anos 1930. Salve Vô Tomé! Quem diria que, aquele pardieiro aos pedaços, refúgio de insetos, fora o aconchego de tantos casais excitados? Mal sabemos do muito que cada ruína e ruga contêm. Hoje, desmorona, cercado por desolação, escorado por tábuas e algum milagre, entupido de junkies fedorentos, viciados em crack — o sexo é o último dos prazeres na decadência do Mirandinha.” (p. 196)


“O quarto é todo branco, de pintura impecável. Não há móvel algum, só o espaço vazio, límpido, as janelas lacradas por tábuas, pintadas de branco também, e uma caixa de metal no chão, branca, encostada na parede. Matanza, que, de carne, gritos e sangue entende muito bem, e de coisas do sobrenatural, treme feito vara verde, emenda um safo: ‘Ei, pivete, fique com o chefe que eu vou dar cobertura lá embaixo’. O enfermeiro, ainda esbaforido, se intriga. Como é que, naquele lugar, alguém investe paciência e dinheiro para enfeitar o quarto e mantê-lo limpo e impecável? A esfinge de Monstro persiste.” (p. 197)





Trechos do conto Pássaros deliram, presente no livro
Olhos abertos no escuro (Via Litterarum, 2016),
de Emmanuel Mirdad, que será lançado aqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…