Pular para o conteúdo principal

Produções de Emmanuel Mirdad: Ano 2007


Desde 2001 que a minha principal atividade era a produção da banda The Orange Poem, cujo planejamento era gravar um bom álbum e se mudar para Londres na sequência. Dois álbuns foram gravados, mas a banda terminou as atividades em março de 2007.

Recém-formado em jornalismo, fui trabalhar com produção cultural na empresa Plataforma de Lançamento, em Salvador, Bahia, a convite de Uzêda (foto acima, ao meu lado), um dos sócios. Foi a minha primeira oportunidade de trabalhar com projetos voltados a Leis de Incentivo, e serviu para que eu me especializasse nesse tipo de produção, que veio a ser a minha principal atividade a partir de 2008.

Também em 2007, trabalhei como assistente no referencial Troféu Caymmi, e a experiência me serviu de know-how para produzir o meu próprio prêmio de música no ano seguinte.



Plataforma de Lançamento e Troféu Caymmi

Por conta das gravações da banda The Orange Poem e do CD poema Ilusionador, passei muito tempo no estúdio Casa das Máquinas, de Tadeu Mascarenhas. Com isso, conheci o seu sócio da Plataforma de Lançamento, o experiente Uzêda, que me convidou para trabalhar na produtora como freela.

Durante 2007, fiz trabalhos eventuais e aprendi muito com Uzêda, principalmente como lidar com as leis de incentivo e a elaborar projetos para o Fazcultura — Lei de incentivo estadual. A experiência com a Plataforma de Lançamento (em que elaborei projetos para Dão, Marcela Bellas, Cicinho de Assis e Juliana Ribeiro, entre outros — fotos retiradas da internet) me formou produtor cultural.

Trabalhei também como assistente de produção da 15ª edição do Troféu Caymmi no Teatro Castro Alves (fotos retiradas da internet), escalado de última hora, apagando diversos problemas. Foi gratificante e enriquecedor, pois, no ano seguinte, teria que produzir o meu próprio prêmio musical: Bahia de Todos os Rocks.

2007 foi o ano do aprendizado.

Funções – Elaboração de projetos | Assistente de Produção

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oito passagens de Conceição Evaristo no livro de contos Olhos d'água

Conceição Evaristo (Foto: Mariana Evaristo) "Tentando se equilibrar sobre a dor e o susto, Salinda contemplou-se no espelho. Sabia que ali encontraria a sua igual, bastava o gesto contemplativo de si mesma. E no lugar da sua face, viu a da outra. Do outro lado, como se verdade fosse, o nítido rosto da amiga surgiu para afirmar a força de um amor entre duas iguais. Mulheres, ambas se pareciam. Altas, negras e com dezenas de dreads a lhes enfeitar a cabeça. Ambas aves fêmeas, ousadas mergulhadoras na própria profundeza. E a cada vez que uma mergulhava na outra, o suave encontro de suas fendas-mulheres engravidava as duas de prazer. E o que parecia pouco, muito se tornava. O que finito era, se eternizava. E um leve e fugaz beijo na face, sombra rasurada de uma asa amarela de borboleta, se tornava uma certeza, uma presença incrustada nos poros da pele e da memória." "Tantos foram os amores na vida de Luamanda, que sempre um chamava mais um. Aconteceu também a paixão

Dez passagens de Clarice Lispector nas cartas dos anos 1950 (parte 1)

Clarice Lispector (foto daqui ) “O outono aqui está muito bonito e o frio já está chegando. Parei uns tempos de trabalhar no livro [‘A maçã no escuro’] mas um dia desses recomeçarei. Tenho a impressão penosa de que me repito em cada livro com a obstinação de quem bate na mesma porta que não quer se abrir. Aliás minha impressão é mais geral ainda: tenho a impressão de que falo muito e que digo sempre as mesmas coisas, com o que eu devo chatear muito os ouvintes que por gentileza e carinho aguentam...” “Alô Fernando [Sabino], estou escrevendo pra você mas também não tenho nada o que dizer. Acho que é assim que pouco a pouco os velhos honestos terminam por não dizer nada. Mas o engraçado é que não tendo absolutamente nada o que dizer, dá uma vontade enorme de dizer. O quê? (...) E assim é que, por não ter absolutamente nada o que dizer, até livro já escrevi, e você também. Até que a dignidade do silêncio venha, o que é frase muito bonitinha e me emociona civicamente.”  “(...) O dinheiro s

Seleta: Gipsy Kings

A “ Seleta: Gipsy Kings ” destaca as 90 músicas que mais gosto do grupo cigano, presentes em 14 álbuns (os prediletos são “ Gipsy Kings ”, “ Este Mundo ”, “ Somos Gitanos ” e “ Love & Liberté ”). Ouça no Spotify aqui Ouça no YouTube aqui Os 14 álbuns participantes desta Seleta 01) Un Amor [Gipsy Kings, 1987] 02) Tu Quieres Volver [Gipsy Kings, 1987] 03) Habla Me [Este Mundo, 1991] 04) Como un Silencio [Somos Gitanos, 2001] 05) A Mi Manera (Comme D'Habitude) [Gipsy Kings, 1987] 06) Amor d'Un Dia [Luna de Fuego, 1983] 07) Bem, Bem, Maria [Gipsy Kings, 1987] 08) Baila Me [Este Mundo, 1991] 09) La Dona [Live, 1992] 10) La Quiero [Love & Liberté, 1993] 11) Sin Ella [Este Mundo, 1991] 12) Ciento [Luna de Fuego, 1983] 13) Faena [Gipsy Kings, 1987] 14) Soledad [Roots, 2004] 15) Mi Corazon [Estrellas, 1995] 16) Inspiration [Gipsy Kings, 1987] 17) A Tu Vera [Estrellas, 1995] 18) Djobi Djoba [Gipsy Kings, 1987] 19) Bamboleo [Gipsy Kings, 1987] 20) Volare (Nel