Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2019

Emmanuel Mirdad, 20 anos de produção cultural

Em 13 de setembro de 2019, comemoro 20 anos trabalhando como produtor cultural. Foram 66 produtos realizados e 124 projetos descartados (de eventos a quase empresas). Comecei tentando viabilizar o registro das minhas composições, e hoje percebo que o que mais me motiva é registrar o trabalho artístico, viabilizar o caminho, materializar o que estava na gaveta, no pensamento, no querer. Transformar o esboço em algo concreto, que alcance outras pessoas, valorize o fazer, o movimento, deixe um legado, estimule, inspire, trilhe momentos, oferte experiências.

Nessa caminhada, o principal parceiro foi Marcus Ferreira. Começamos juntos no empreendedorismo cultural na produtora Putzgrillo em 2008, nos separamos ao mesmo tempo em que abríamos a Cali junto a Aurélio Schommer, outro parceiro constante nas empreitadas, e até hoje trabalhamos na Flica, projeto que criamos em 2009, e que se tornou o nosso maior sucesso, realizado ao lado da longeva parceira Icontent, produtora da Rede Bahia.

Dos p…

Dez passagens de Dezsö Kosztolányi no livro de contos O tradutor cleptomaníaco e outras histórias de Kornél Esti

Dezsö Kosztolányi – foto daqui
“(...) só aquele que está totalmente preparado para a morte é que pode viver, e nós, tolos, morremos, porque só nos preparamos para a vida, e queremos viver a todo custo. A ordem que você vê ao seu redor, na verdade, é desordem, e a desordem é a verdadeira ordem. E o fim do mundo, no fundo, é o começo do mundo.”


“O que fazemos? Viramos nossos rostos e rimos silenciosamente. É infame, reconheço. Pois o que diz, mesmo que um pouco exagerado, sempre tem um fundo de verdade. Mas é insensato. Antes chorávamos sua pequena miséria, depois tudo fizemos em seu favor, só agora o abandonamos, justo quando merecia o máximo de ajuda e solidariedade. Mas assim é o homem. Nosso senso de medida não suporta o imensurável. Após um certo ponto, até o sofrimento se torna hilário.”


“(...) notei que curiosa relação temos com os desaparecidos. São criaturas de mau agouro, que vivem uma vida dupla, vivos e mortos ao mesmo tempo, homens e assombrações, cidadãos deste e doutro mu…