Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de junho, 2021

Blog NÃO LEIA! (2008-2017), de Mayrant Gallo

Mayrant Gallo (foto: Lima Trindade) O escritor e professor baiano Mayrant Gallo (1962) manteve, de outubro de 2008 a abril de 2017, o excelente e referencial blog NÃO LEIA! , em que publicou diversas recomendações de livros e filmes, e alguns dos seus minicontos, poemas, ensaios, resenhas e crônicas, oferecendo ao mundo o seu vasto conhecimento sobre a Literatura e as Artes , aulas e mais aulas em formato de postagens, sempre com muito sucesso entre os leitores do blog (há 662 posts disponíveis para leitura). Confira abaixo uma seleta com as 140 melhores passagens de Mayrant Gallo no blog NÃO LEIA! PS: Em junho de 2021, o autor voltou a postar no blog . Vamos torcer para que seja com frequência! Vinte e três passagens (2008) “A verdade, se existe, não está nas margens, mas de entremeio, na fronteira difusa entre realidade e delírio.” Leia aqui -------- Vinte e cinco passagens (2009) “Profundidade é a parte que o leitor comum não compreende e o leitor arrogante julga que decifrou.”

Dezessete passagens de Mayrant Gallo no blog NÃO LEIA! em 2015 e 2017

          “(...) a vida, com seu fluxo irremediável, vai nos engolfando e nos obrigando, forçosamente, a pensar menos no que, de fato, é mais importante para todos nós: as pessoas que amamos e que perdemos, as que estão ao nosso lado, os amigos, os parentes, os prazeres que a arte nos oferece, através de um livro, filme, quadro ou canção etc.           Nada disso pode ser substituído por outra coisa ou outro ser, embora, a cada dia, a estrutura do mundo nos diga o contrário. (...)           A verdade é que o aniversário de qualquer pessoa é tão importante quanto a mais importante das datas históricas. Obviamente que há pessoas desprezíveis e inúteis no mundo, e conheço algumas, mas mesmo estas preenchem, em algum momento de suas vidas, o pensamento afetivo de alguém, e isto constitui uma das justificativas para a celebração da vida.           Esta existência entre enganadores e ladrões não vale que nos esqueçamos disso. Eles também foram crianças, filhos e talvez sejam pais, tios, avós

Oito passagens da coletânea de contos “Histórias e histórias da Bahia” [org. Fernando Oberlaender]

  “(...) em juízo, Dr. Gama defendia a memória de quatro escravos, cujas esposas estavam sendo acossadas por seu senhor, que com elas queria se deitar à viva força. Os quatro maridos juntaram-se e o mataram. Réus confessos, dirigiram-se à delegacia para se entregar e lá foram linchados. Ocorre, porém, que Dr. Gama se recusava a classificá-los como homicidas, conforme estabelecia o Código do Processo Criminal. O juiz municipal que conduzia o caso indagou se o fato de os escravos terem assumido a autoria do crime já não era matéria suficiente para enquadrá-los, ainda que postumamente, na categoria referida, ao que, de imediato, Dr. Gama respondeu, como se já esperasse pela questão: ‘O escravo que mata o senhor, seja em que circunstância for, mata sempre em legítima defesa’. Nesta hora, a plateia se pôs em polvorosa. Uns gritaram-lhe ‘louco’, outros, ‘herói’. No auditório, então dividido entre os que corroboravam e os que rechaçavam a tese do advogado, voaram livros e cartolas; uma cadeir

Vinte passagens de Mayrant Gallo no blog NÃO LEIA! em 2014

“Desde que entrou agosto, eu pensava no que postar aqui, hoje, para comemorar os 82 anos de nascimento de minha mãe, falecida em 18 de novembro de 2011. Por dias, fiquei a refletir e a tentar redigir, de memória, algum texto à altura de sua ‘presença em ausência’. Por fim, e não é por acaso que se afirma ser ‘sempre mais escuro logo antes do amanhecer’, há dois dias despertei no meio da noite e comecei a rabiscar o seguinte poema, que, acredito, é uma homenagem mais digna do que qualquer texto que, em total consciência, eu chegasse escrever em lembrança de minha mãe. NOTURNO DE OUTRAS VIDAS Sempre achei que morri no Titanic Ou em Hiroshima Ou Nagasaki. Num banho de ilusão em Treblinka Ou num terremoto no Cairo. Mas hoje ― sei — só morremos em duas ocasiões: Na morte mesma Ou quando nos vai nossa mãe.”           “(...) Talvez motivadas pela velocidade do mundo, que a internet e a tecnologia em geral só acentuaram nos últimos anos, as pessoas almejam a uma carreira, mas querem se privar

Música para Escrever #66 — LAC, Suffocate for fuck sake, GrimLake, Dûrga, Ennoven, The Metaphor, Clouds Collide, KOLLAPSIN, FORT e MOEWN

Yolanda Vostok, são quatro no meu sangue autointitulado “fogos de artifício e helicópteros na primeira página do jornal”. Há uma guerra acontecendo e eu estou marchando com botas pesadas, as minhas mãos de Atlas, essas recordações da sequoia. Desviar da norma é a vingança das passagens vazias, trilhas silenciosas da redenção. A, b, c, d, e & f, todas as coisas brilhando e eles não dormem mais. Ei, professora de nome incomparável, vamos queimar essa ponte quando chegarmos a ela? Assim se vai aos astros! Confira o post #66 da série Música para Escrever , especial PESO , com os melhores sons de post-rock, a alumiar a mente e transcender em palavras. LAC Lyon | França Bandcamp aqui Facebook aqui Foto daqui Melhor disco para escrever " Yolanda " (EP) (2020) Ouça aqui Para continuar escrevendo " VOSTOK " (EP) (2018) Ouça aqui --------- Suffocate for fuck sake Suécia Bandcamp aqui Facebook aqui Foto daqui Melhor disco para escrever " Fyra " (2021) Ouça aqui