Pular para o conteúdo principal

Cinco poemas e três passagens de Alex Simões no livro assim na terra como no selfie

Alex Simões (foto: Caio Lírio)


assim na terra como no selfie
Alex Simões

cultuamos idólatras a imagem
de nós mesmos a cada instante em todo
lugar. compartilhar não a paisagem,
mas compor a paisagem, sobremodo.
o pôr do sol ao fundo, ao canto, à margem,
riso em primeiro plano, em qualquer modo.
documentar-se a si mais que a viagem,
mais parecer que ser, coisa de doido.
fotografar até cair no abismo
— quem dera fosse uma força
de expressão apenas —, o consumismo
fez sua lojinha lá no alto da forca.
nosso fetiche-mor: comprar-vender-se,
não esquecer do flash até morrer-se.

--------

série de quatro
Alex Simões

I
nel mezzo del cammin
sua bunda balançando
no meio do caminho.

II
sua bunda balançando enquanto anda
depois que se despede da conversa
sobre literatura teatro e música
sua bunda balançando enquanto anda
queria ser um gay bem comportado
e não machista, respeitoso ao fato
de você não ser gay, mas qual o quê?
sua bunda balançando enquanto anda
desperta em mim vontades primitivas
tal qual fosse um viado das cavernas.
você sempre querido e eloquente,
sempre rindo do meu duplo sentido,
lindo de frente, mas nada é mais belo:
sua bunda balançando enquanto anda

III
Que importa a Bahia, a baía de Todos os Santos, o pôr do sol atrás da Ilha de Itaparica?
— [Enquanto aplaudem], o que eu vejo é sua bunda balançando.

IV
uma
crise
no
mundo,
dizem,
uma
guerra
internacional
iminente.
entretanto,
para
minha
egoica
alegria,
sua
bunda
balança,
indiferente.

--------

ora pro nobis
Alex Simões

são dias muito tristes, pesarosos,
de mortos alinhados em fileiras,
de néscios de si mesmos orgulhosos,

cavando sepulturas e trincheiras
que, abertas em fendas paralelas,
nos dão a sensação de andar à beira

entre umas e outras, nonada além delas
ou o que antes talvez fosse algum muro
pra quê? “Ora direis, ouvir estrelas”.

equilibristas que somos, no escuro,
se pardos, pretos, mais ainda invisíveis,
se indígenas, pretéritos futuros.

desviar de explicações, as mais plausíveis,
para legitimar os que cerceiam
as pautas silenciadas, verossímeis,

dos corpos dissidentes que tateiam,
ou lendo braile ou se reconhecendo,
se empurrando entre si e se alardeiam

prioridade às mágoas que vão tendo
pessoais e intransferíveis e exclusivas
e inintercambiáveis, vão não sendo.

por tanto tempo tantas evasivas
usadas pra abafar as próprias dores
que a afirmação se faz por negativas,

reivindicando só falar de amores
e existir. enquanto lá, do outro lado,
lutam para expressar os seus rancores,

do desejo pelo outro aniquilado,
e chamam liberdade de expressão
o ímpeto fascista recalcado.

não é possível fazer comunhão,
exceto para lembrar que ora pro nobis
dá tempo de roubar pro pobre o pão,

rezando a missa e a carne de pobre
sangrando as mãos de quem arranca os ossos
da terra em extrema unção urbi et orbi.

são dias muito tristes, pesarosos,
de mortos alinhados em fileiras,
de néscios de si mesmos orgulhosos.

--------

patchuli
Alex Simões

                              para Ivana Chastinet, in memoriam

entre um espasmo e outro
o respiro
não de alívio, não
um sussurro esconde
as palavras rasgando as paredes do quarto

ouço:
a voz que sai é mais grave
que o murmúrio que entra

aqui paz ou guerra ou luta
não fazem nenhum sentido

mas há recusa à dor
                 e à providência divina

entre imóvel e calado aceno:
o tempo gritando lá fora,
você ouve?

não o farfalhar das favas secas de andu
nem o ronronar dos gatos

no jardim são os passos arrastados dela

você só deseja um tempo
                      para
                      pensar

enquanto ela não chega
eu entendo que tudo o que posso fazer
é estar aqui
e já não digo nada
e respiro
e não penso.

uma agonia
esse saber-se
murchando.

--------

A EDUCAÇÃO PELA PEDRADA
Alex Simões

                              para Jorge Augusto

Porque a pedrada é pra: pegar visão;
para aprender na tora, é uma bala
à queima-roupa, um cachação verbal
(um cínico litotes, uma fala
neg-afirm-ativa, pedagogia
da dura, do chepo, não burilada,
nem bostética, a ideia reta
sem nada de caô, que vai na lata),
lição da pedrada que vai pro centro
da periferia e a tudo empala.

Outra pedrada educativa: o não,
(do centro pro gueto, bem antipática)
pra aquele que não sabe se ligar
(e talvez não adiantasse nada)
que dar pedrada na selva de pedra
é faísca no paiol da barricada.

--------

“um fóssil pinaúna não
é belo por não ter espinhos.
pelo contrário, sua beleza

reside justamente no
fato de um dia ter sido
ente espinhoso e peçonhento,

(...)

lição da pedra que machuca
porque a beleza do difícil
é não mostrar-se no que mostra.

um fóssil pinaúna não,
um modo de dizer-se vivo
porque toda beleza fere.”


“não consigo pôr ordem na casa

porque não há nenhum sentido em pôr ordem,

menos ainda em progresso.

o que me dá aflição não é o terror

que vem de cima,

mas o silêncio pontual quando podia um grito

dizer o nosso desespero,

mas não.

há tanto barulho todo o tempo,

os decibéis explodindo nossos tímpanos

porque eles não querem escutar

o próprio silêncio que aquiesce

com o horror autoritário que medra em nossas esquinas.

o caos não é meu,

é nosso.”


“vendo tudo daqui, da torre,
me parece um tanto agoniado
sair por aí, se esbarrando
em gente que não tem mesura
do abismo em que todos estamos”


Presentes no livro de poemas “assim na terra como no selfie” (Boto-cor-de-rosa / paraLeLo13S, 2021), de Alex Simões, páginas 57, 38-41, 61-63, 20-21 e 56, respectivamente, além dos trechos dos poemas “sem título” (p. 36-37), “traquitanas” (p. 42-43) e “daqui da torre” (p. 18), presentes na mesma obra.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dez passagens de Clarice Lispector nas cartas dos anos 1950 (parte 1)

Clarice Lispector (foto daqui ) “O outono aqui está muito bonito e o frio já está chegando. Parei uns tempos de trabalhar no livro [‘A maçã no escuro’] mas um dia desses recomeçarei. Tenho a impressão penosa de que me repito em cada livro com a obstinação de quem bate na mesma porta que não quer se abrir. Aliás minha impressão é mais geral ainda: tenho a impressão de que falo muito e que digo sempre as mesmas coisas, com o que eu devo chatear muito os ouvintes que por gentileza e carinho aguentam...” “Alô Fernando [Sabino], estou escrevendo pra você mas também não tenho nada o que dizer. Acho que é assim que pouco a pouco os velhos honestos terminam por não dizer nada. Mas o engraçado é que não tendo absolutamente nada o que dizer, dá uma vontade enorme de dizer. O quê? (...) E assim é que, por não ter absolutamente nada o que dizer, até livro já escrevi, e você também. Até que a dignidade do silêncio venha, o que é frase muito bonitinha e me emociona civicamente.”  “(...) O dinheiro s

Oito passagens de Conceição Evaristo no livro de contos Olhos d'água

Conceição Evaristo (Foto: Mariana Evaristo) "Tentando se equilibrar sobre a dor e o susto, Salinda contemplou-se no espelho. Sabia que ali encontraria a sua igual, bastava o gesto contemplativo de si mesma. E no lugar da sua face, viu a da outra. Do outro lado, como se verdade fosse, o nítido rosto da amiga surgiu para afirmar a força de um amor entre duas iguais. Mulheres, ambas se pareciam. Altas, negras e com dezenas de dreads a lhes enfeitar a cabeça. Ambas aves fêmeas, ousadas mergulhadoras na própria profundeza. E a cada vez que uma mergulhava na outra, o suave encontro de suas fendas-mulheres engravidava as duas de prazer. E o que parecia pouco, muito se tornava. O que finito era, se eternizava. E um leve e fugaz beijo na face, sombra rasurada de uma asa amarela de borboleta, se tornava uma certeza, uma presença incrustada nos poros da pele e da memória." "Tantos foram os amores na vida de Luamanda, que sempre um chamava mais um. Aconteceu também a paixão

Dez poemas de Carlos Drummond de Andrade no livro A rosa do povo

Consolo na praia Carlos Drummond de Andrade Vamos, não chores... A infância está perdida. A mocidade está perdida. Mas a vida não se perdeu. O primeiro amor passou. O segundo amor passou. O terceiro amor passou. Mas o coração continua. Perdeste o melhor amigo. Não tentaste qualquer viagem. Não possuis casa, navio, terra. Mas tens um cão. Algumas palavras duras, em voz mansa, te golpearam. Nunca, nunca cicatrizam. Mas, e o humour ? A injustiça não se resolve. À sombra do mundo errado murmuraste um protesto tímido. Mas virão outros. Tudo somado, devias precipitar-te — de vez — nas águas. Estás nu na areia, no vento... Dorme, meu filho. -------- Desfile Carlos Drummond de Andrade O rosto no travesseiro, escuto o tempo fluindo no mais completo silêncio. Como remédio entornado em camisa de doente; como dedo na penugem de braço de namorada; como vento no cabelo, fluindo: fiquei mais moço. Já não tenho cicatriz. Vejo-me noutra cidade. Sem mar nem derivativo, o corpo era bem pequeno para tanta