Pular para o conteúdo principal

Emmanuel Mirdad no Poética de Smetak


Admiro o trabalho do mestre Walter Smetak (1913-1984) há tempos; tenho os discos, fui às exposições, fiz a revisão editorial da biografia escrita pela neta Jessica, e até tentei adaptar a bio num longa, mas o projeto não foi à frente. Fiquei muito feliz com o convite da bárbara filha do mestre, a querida Babi (Bárbara Smetak), para participar do projeto Poética de Smetak (junto a ilustres como Carlinhos Brown, Adriana Calcanhotto, Rebeca Matta e Nancy Viégas, entre outros, uma realização da Somos Comunicação e Via Press pelo Programa Aldir Blanc Bahia), recitando um dos poemas inéditos do Tak-Tak, o metafísico “Eu sou”. Confira abaixo como foi. Smetak eterno!


Não consegue visualizar o player? Veja aqui

Link direto no YouTube da Via Press aqui 


eu sou
Walter Smetak

na minha existência
real do papel
há um sonho
de ravel

a minha vida
total de fibra
do concretismo
absoluto como

diz fra diavolo.
o abstrato portanto
tornou-se concreto
e a linha reta

curva e linear
traçada no ar
qual é o éter
o ar rarefeito

dando invisibilidade
e envolve o que é
que já foi e que
não é, será

a terra tem chão
para tudo se
multiplicar e não é
poeira lunar

a cratera
o abismo
no qual sobe
a mentira

e se faz
verdade
a sabedoria.

isto é do tudo
que eu sei
e faço público
do meu deus
do grande NADA

----

Vídeo gravado em 28/03/2021 no home office do apê 703-B em Salvador, BA.

----

Foi lançado no final de abril o site “Poética de Smetak”, uma excelente oportunidade para conhecer uma parte da obra literária do mestre baiano-suíço Walter Smetak (1913-1984), inédita até então, com a curadoria dos músicos Uibitu Smetak, Icaro Smetak e Tuzé de Abreu.

São seis poemas musicados e catorze declamados, interpretados por uma galera massa, como Rebeca Matta, Nancy Viégas, Carlinhos Brown e Adriana Calcanhotto. Tive a sorte de ser convidado, e declamei o metafísico “Eu sou”.

Acesse o site aqui

Poética de Smetak tem a direção geral de Elaine Hazin, a direção executiva de Andrea Amado, a consultoria técnica de Bárbara Smetak [equipe completa aqui] e o apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dez passagens de Clarice Lispector nas cartas dos anos 1950 (parte 1)

Clarice Lispector (foto daqui ) “O outono aqui está muito bonito e o frio já está chegando. Parei uns tempos de trabalhar no livro [‘A maçã no escuro’] mas um dia desses recomeçarei. Tenho a impressão penosa de que me repito em cada livro com a obstinação de quem bate na mesma porta que não quer se abrir. Aliás minha impressão é mais geral ainda: tenho a impressão de que falo muito e que digo sempre as mesmas coisas, com o que eu devo chatear muito os ouvintes que por gentileza e carinho aguentam...” “Alô Fernando [Sabino], estou escrevendo pra você mas também não tenho nada o que dizer. Acho que é assim que pouco a pouco os velhos honestos terminam por não dizer nada. Mas o engraçado é que não tendo absolutamente nada o que dizer, dá uma vontade enorme de dizer. O quê? (...) E assim é que, por não ter absolutamente nada o que dizer, até livro já escrevi, e você também. Até que a dignidade do silêncio venha, o que é frase muito bonitinha e me emociona civicamente.”  “(...) O dinheiro s

Oito passagens de Conceição Evaristo no livro de contos Olhos d'água

Conceição Evaristo (Foto: Mariana Evaristo) "Tentando se equilibrar sobre a dor e o susto, Salinda contemplou-se no espelho. Sabia que ali encontraria a sua igual, bastava o gesto contemplativo de si mesma. E no lugar da sua face, viu a da outra. Do outro lado, como se verdade fosse, o nítido rosto da amiga surgiu para afirmar a força de um amor entre duas iguais. Mulheres, ambas se pareciam. Altas, negras e com dezenas de dreads a lhes enfeitar a cabeça. Ambas aves fêmeas, ousadas mergulhadoras na própria profundeza. E a cada vez que uma mergulhava na outra, o suave encontro de suas fendas-mulheres engravidava as duas de prazer. E o que parecia pouco, muito se tornava. O que finito era, se eternizava. E um leve e fugaz beijo na face, sombra rasurada de uma asa amarela de borboleta, se tornava uma certeza, uma presença incrustada nos poros da pele e da memória." "Tantos foram os amores na vida de Luamanda, que sempre um chamava mais um. Aconteceu também a paixão

Dez passagens de Jorge Amado no romance Mar morto

Jorge Amado “(...) Os homens da beira do cais só têm uma estrada na sua vida: a estrada do mar. Por ela entram, que seu destino é esse. O mar é dono de todos eles. Do mar vem toda a alegria e toda a tristeza porque o mar é mistério que nem os marinheiros mais velhos entendem, que nem entendem aqueles antigos mestres de saveiro que não viajam mais, e, apenas, remendam velas e contam histórias. Quem já decifrou o mistério do mar? Do mar vem a música, vem o amor e vem a morte. E não é sobre o mar que a lua é mais bela? O mar é instável. Como ele é a vida dos homens dos saveiros. Qual deles já teve um fim de vida igual ao dos homens da terra que acarinham netos e reúnem as famílias nos almoços e jantares? Nenhum deles anda com esse passo firme dos homens da terra. Cada qual tem alguma coisa no fundo do mar: um filho, um irmão, um braço, um saveiro que virou, uma vela que o vento da tempestade despedaçou. Mas também qual deles não sabe cantar essas canções de amor nas noites do cais? Qual d