Pular para o conteúdo principal

Flica 2015 — Fotos oficiais

Fotos por Egi Santana e Daniele Rodrigues

Mesas Literárias

Gentes brasileiras
Antônio Torres | Igor Gielow
Mediador: Jorge Portugal
Quarta 14/10 - 19h
Veja aqui

Etnias, resistências e mitos
Tâmis Parron | Luiz Claudio Dias Nascimento
Mediador: Aurélio Schommer
Quinta 15/10 - 10h
Veja aqui

O superficial da profundidade
João Paulo Cuenca | Lima Trindade
Mediador: Cristiano Ramos
Quinta 15/10 - 15h
Veja aqui

Paisagem múltipla
Martha Medeiros | Veronica Stigger
Mediador: Cristiano Ramos
Quinta 15/10 - 19h
Veja aqui

Versos, diversos
Rita Santana | Clarissa Macedo
Mediador: Roberval Pereyr
Sexta 16/10 - 10h
Veja aqui

Adonias Filho, 100 anos
Carlos Ribeiro | Silmara Oliveira
Mediador: João Aguiar Neto
Sexta 16/10 - 15h
Veja aqui

Entre críticos, parvos e professores
Rodrigo Gurgel | Silvério Duque
Mediador: Cristiano Ramos
Sexta 16/10 - 19h
Veja aqui

Hansen Bahia, xilogravurasliteraturas
Antonio S. Costella | Rubem Grillo
Mediador: Evandro Sybine
Sábado 17/10 - 09h
Veja aqui

Os desejos e os limites do Estado
Mariana Pereira (Portugal) | Flávio Morgenstern
Mediador: Aurélio Schommer
Sábado 17/10 - 11h
Veja aqui

Diálogos
Helon Habila (Nigéria) | José Carlos Limeira
Mediador: Maria Anória de Jesus Oliveira
Sábado 17/10 - 14h
Veja aqui

Em trânsito
Sapphire (EUA) | Lívia Natália
Mediador: Mário Mendes
Sábado 17/10 - 17h
Veja aqui

Noturnas Fantasias
André Vianco | Ana Beatriz Brandão
Mediador: Aurélio Schommer
Sábado 17/10 - 20h
Veja aqui

Sobre palavras e princesas
Meg Cabot (EUA) | Paula Pimenta
Mediador: Mario Mendes
Domingo 18/10 - 10h
Veja aqui

-----------

Fliquinha

Quinta 15/10

Luciana Ávila
Veja aqui

Ana Raquel
Veja aqui

Sócrates
Veja aqui

Casa de Barro
Veja aqui

Lançamento da coleção infantil
Veja aqui

Stella Maris
Veja aqui

Sexta 16/10

Sílvio Carvalho
Veja aqui

Sálua Chequer
Veja aqui

Casa de Barro
Veja aqui

Jorge Conceição
Veja aqui

Rita Carelli
Veja aqui

Cine Fliquinha
Veja aqui

Ciranda literária (Rita Carelli)
Veja aqui

Sábado 17 e Domingo 18/10

Grupo Ereoatá
Veja aqui

José J. Barreto e Cau Gomez
Veja aqui

Nariz de Cogumelo
Veja aqui

Teatro Griô
Veja aqui

Iray Galrão
Veja aqui

Grupo Canela Fina
Veja aqui

Ciranda literária e filme
Veja aqui

Neojibá
Veja aqui

-----------

Programação Musical

Show 01
Encontro das filarmônicas 
Lyra Ceciliana e Minerva Cachoeirana
Quarta 14/10 - 18h
Veja aqui

Show 02
Os Bantos | Nossos Baianos
Quinta 15/10 - A partir das 22h
Veja aqui

Show 03
Orquestra Reggae de Cachoeira | Sine Calmon
Sexta 16/10 - A partir das 22h
Veja aqui

Show 04
Samba de Roda Filhos da Barragem | Ilê Aiyê
Sábado 17/10 - A partir das 22h
Veja aqui

-----------

Outras Ações

Coelba e Governo da Bahia
Veja aqui

Ações pelas ruas de Cachoeira
Veja aqui

Prêmio Clarival Prado Valladares
Veja aqui

Espaço Educar para Transformar
Veja aqui

Ação Petrobras
Veja aqui

Peça Sertão Encantado
Veja aqui

Fotos equipe Fliquinha
Veja aqui

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dez passagens de Clarice Lispector nas cartas dos anos 1950 (parte 1)

Clarice Lispector (foto daqui ) “O outono aqui está muito bonito e o frio já está chegando. Parei uns tempos de trabalhar no livro [‘A maçã no escuro’] mas um dia desses recomeçarei. Tenho a impressão penosa de que me repito em cada livro com a obstinação de quem bate na mesma porta que não quer se abrir. Aliás minha impressão é mais geral ainda: tenho a impressão de que falo muito e que digo sempre as mesmas coisas, com o que eu devo chatear muito os ouvintes que por gentileza e carinho aguentam...” “Alô Fernando [Sabino], estou escrevendo pra você mas também não tenho nada o que dizer. Acho que é assim que pouco a pouco os velhos honestos terminam por não dizer nada. Mas o engraçado é que não tendo absolutamente nada o que dizer, dá uma vontade enorme de dizer. O quê? (...) E assim é que, por não ter absolutamente nada o que dizer, até livro já escrevi, e você também. Até que a dignidade do silêncio venha, o que é frase muito bonitinha e me emociona civicamente.”  “(...) O dinheiro s

Oito passagens de Conceição Evaristo no livro de contos Olhos d'água

Conceição Evaristo (Foto: Mariana Evaristo) "Tentando se equilibrar sobre a dor e o susto, Salinda contemplou-se no espelho. Sabia que ali encontraria a sua igual, bastava o gesto contemplativo de si mesma. E no lugar da sua face, viu a da outra. Do outro lado, como se verdade fosse, o nítido rosto da amiga surgiu para afirmar a força de um amor entre duas iguais. Mulheres, ambas se pareciam. Altas, negras e com dezenas de dreads a lhes enfeitar a cabeça. Ambas aves fêmeas, ousadas mergulhadoras na própria profundeza. E a cada vez que uma mergulhava na outra, o suave encontro de suas fendas-mulheres engravidava as duas de prazer. E o que parecia pouco, muito se tornava. O que finito era, se eternizava. E um leve e fugaz beijo na face, sombra rasurada de uma asa amarela de borboleta, se tornava uma certeza, uma presença incrustada nos poros da pele e da memória." "Tantos foram os amores na vida de Luamanda, que sempre um chamava mais um. Aconteceu também a paixão

Dez passagens de Jorge Amado no romance Mar morto

Jorge Amado “(...) Os homens da beira do cais só têm uma estrada na sua vida: a estrada do mar. Por ela entram, que seu destino é esse. O mar é dono de todos eles. Do mar vem toda a alegria e toda a tristeza porque o mar é mistério que nem os marinheiros mais velhos entendem, que nem entendem aqueles antigos mestres de saveiro que não viajam mais, e, apenas, remendam velas e contam histórias. Quem já decifrou o mistério do mar? Do mar vem a música, vem o amor e vem a morte. E não é sobre o mar que a lua é mais bela? O mar é instável. Como ele é a vida dos homens dos saveiros. Qual deles já teve um fim de vida igual ao dos homens da terra que acarinham netos e reúnem as famílias nos almoços e jantares? Nenhum deles anda com esse passo firme dos homens da terra. Cada qual tem alguma coisa no fundo do mar: um filho, um irmão, um braço, um saveiro que virou, uma vela que o vento da tempestade despedaçou. Mas também qual deles não sabe cantar essas canções de amor nas noites do cais? Qual d