Pular para o conteúdo principal

Música para Escrever #33 — kokomo, Town Portal, Jardín de la Croix, codeia, Into Orbit, Pelican, ///snippet.upper.laser, Runa Gaman, Cracked Machine e CAVALLO


O amor de ruído monocromático acontecerá, caso os lobos autointitulados de violência, o cronopólio de horror a vácuo do Ocidente, em ritmo circadiano, permitirem. A 187 passos para atravessar o universo, quando ele voltou para o olho da tempestade: “não tenha medo”, ela sussurrou e desapareceu. O movimento das cavernas desenterrando o que todos nós precisamos: serenidade/agitação. As histórias noturnas de obsessões patéticas sem tom possuem o segredo da escrita que suporta o aparentemente insuportável, com paciência e dignidade. Um grupo de descendentes com um ancestral comum, à chamada do vazio: eu, o cosmonauta, meus interstícios. Confira o post #33 da série Música para Escrever, com os melhores sons de post-rock, a alumiar a mente e transcender em palavras.


Duisburg | Alemanha
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"Monochrome Noise Love"
(2016)
Ouça aqui

Para continuar escrevendo

"If Wolves"
(2011)
Ouça aqui

"kokomo"
(2013)
Ouça aqui

---------

Copenhague | Dinamarca
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"Of Violence"
(2019)
Ouça aqui

Para continuar escrevendo

"Chronopoly"
(2012)
Ouça aqui

"Vacuum Horror"
(2011)
Ouça aqui

"The Occident"
(2015)
Ouça aqui

---------

Madrid | Espanha
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"Circadia"
(2016)
Ouça aqui

Para continuar escrevendo

"187 Steps to cross the Universe"
(2013)
Ouça aqui

---------

Karlsruhe & Stuttgart | Alemanha
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"as he turned back towards the eye of the storm"
(2019)
Ouça aqui

Para continuar escrevendo

""don't be afraid", she whispered and disappeared"
(2017)
Ouça aqui

---------

Wellington | Nova Zelândia
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"Kinesis"
(2019)
Ouça aqui

Para continuar escrevendo

"Caverns"
(2014)
Ouça aqui

"Unearthing"
(2017)
Ouça aqui

---------

Chicago | Estados Unidos
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"What We All Come To Need"
(2009)
Ouça aqui

Para continuar escrevendo

"Ataraxia/Taraxis" (EP)
(2012)
Ouça aqui

"Nighttime Stories"
(2019)
Ouça aqui

---------

Colonha | Alemanha
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"///pathetic.toneless.obsessions" (EP)
(2019)
Ouça aqui

---------

Buenos Aires | Argentina
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"Runa Gaman"
(2019)
Ouça aqui

Para continuar escrevendo

"Cepa" (EP)
(2017)
Ouça aqui

---------

Wiltshire | Inglaterra
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"The Call of the Void"
(2019)
Ouça aqui

Para continuar escrevendo

"I, Cosmonaut"
(2017)
Ouça aqui

---------

Nova York | Estados Unidos
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"INTERSTICES"
(2019)
Ouça aqui

---------

Confira o Música para Escrever #32, com Wang Wen, ISON, Whale Fall, Lazybones Flame Kids, Maven, Fat Old Donald, El lenguaje como obstáculo, SOLS, Zammorian e Beware the blue sky, nesse post aqui


Confira o Música para Escrever #31, com i am no hero, Rhone, Am Fost La Munte Și Mi-a Plăcut, Herskin, Change of Plans, The Dry Mouths, James Anthony, We Shine Every Night, TIDINGS e Only Echoes Remain, nesse post aqui


Confira o Música para Escrever #30, com Fading Tapes, Biosphere, tezce, Himmelsrandt, Lief Sjostrom, VLMV, heklAa, Sleep Dealer, Kurkijávri e Levi Patel, nesse post aqui

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A jornada para escrever o romance oroboro baobá — Parte IV (2016)

“ oroboro baobá ” é o meu primeiro romance. Escrevê-lo foi um laboratório, um curso, um aprendizado. No post de hoje, a 4 ª parte da jornada de criação do “ oroboro baobá ”, com o relato do que aconteceu em 2016 : a presença de Oxumaré na jornada; a ligação das partes masculinas e femininas do romance; crio a parte fantástica do romance, inventando as entidades e a divindade; Benivalda  e  Bartira  e a saga dos seus ancestrais,  Miwa ,  Mbamba ,  Mbira , Mkini , índios Maxakali , jornalista Sanfilippo , a questão Pataxó , a conexão das famílias Santos & Maxakali , e um monte de novidade nesse ano incrível para o romance; a Allée des Baobabs , o baobá Renala e o ritual em Madagascar ; o goleiro é Montanha [adiós, Muralha !]; imponho duas restrições ao romance; presentes de Sarah Fernandes , Carlos Barbosa , Flávio Bustani e Mary del Priore ; duas opções para a capa [pintura de Max Fonseca e foto de Nathália Miranda ]; opções de Adélia Prado e Daniel Lima para a epígra

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira no YouTube o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Não consegue visualizar o player? Veja no YouTube  aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suite [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splash

Orange Poem — Letras traduzidas para o português

Orange Poem (imagem: Glauber Guimarães) Segue abaixo a tradução para português das letras das músicas do álbum virtual duplo “ Hybrid ” (2014), da banda baiana The Orange Poem . Os poemas são quase todos de autoria de Emmanuel Mirdad , exceto um, que é a reunião de catorze fragmentos de poemas de Ildegardo Rosa , morto em 2011, pai de Mirdad, que foi gravado em português mesmo e não precisou de tradução. Mirdad agradece à cantora e professora de inglês Ana Gilli , que corrigiu as imperfeições existentes. Cortes Tradução para  Cuts (Emmanuel Mirdad) Nós precisamos tanto de carinho, tão importante como oxigênio, tão raro como um abraço sincero, tão caro nestes dias de egoísmo. Nós afastamos as pessoas ignorando a amizade, atraímos somente por negócio, criamos condições absurdas para o desejo, enquanto tentamos felicidade com coisas de plástico. O lar se tornou refúgio, cela, e a privacidade é exposta como prêmio. Dia após dia nos restringimos a criar ídolos, o destino