Pular para o conteúdo principal

Os Sons do Pensamento, com Tiganá Santana

Tiganá Santana (foto: José de Holanda)

Os Sons do Pensamento” é uma minissérie documental com o cantor, compositor, poeta e filósofo Tiganá Santana, que apresenta ao público as sonoridades, filosofias e modo de estar no mundo a partir dos seus álbuns gravados e lançados ao longo da década de 2010. Os álbuns, aliás, intitulam os episódios dessa série proposta com base na música-filosofia do artista.

Veiculada no canal do YouTube do Sesc 24 de Maio, estreou os seus quatro episódios entre julho e agosto deste ano, e está disponível para ser contemplada a qualquer tempo. Logo abaixo, seguem os links e os releases de cada episódio. “Os Sons do Pensamento” é dirigida por Maria Carolina e produzida pela Akassá Produções Artísticas.


Não consegue visualizar o player? Veja aqui

[Ep 01] Maçalê – você é um com a sua essência

O primeiro episódio centra-se em referências culturais e existenciais legadas, por exemplo, por cosmologias bantu-africanas e iorubanas ao Brasil. “Podemos aprender um mundo com as diversas filosofias africanas. Estão baseados em um pensar que inclui uma prática e um comportamento. Em muitos desses pensares, há um senso de comunidade que é absolutamente fundamental”, diz Tiganá Santana. “Maçalê” é o primeiro álbum na história fonográfica do Brasil em que um cantautor apresenta sua canções em línguas africanas.

-----------


Não consegue visualizar o player? Veja aqui

[Ep 02] The invention of colour (A invenção da cor)

No segundo episódio, Tiganá Santana segue com as suas leituras sobre ancestralidade, conduzidas pela sonoridade de um instrumento cujo timbre ele mesmo concebeu, o violão-tambor. Aqui, foca-se na própria ação criativa. Questões sobre o processo criativo, sobre não saber sobre ele de modo total, sobre a matéria escura da invenção poética que nos habita o corpo, como diria a pensadora Audre Lorde.

O álbum, gravado originalmente na Suécia, contou com a presença de outras artes na sua concepção, tais como as aquarelas que lhe compuseram a arte gráfica, criadas pelo artista-curador Emanoel Araújo especificamente para o álbum, e um poema do poeta Marcelo Ariel. Registra-se, ainda, a presença de musicistas de partes diferentes do mundo como Senegal, Noruega, Suécia, Cabo-Verde e Brasil.

-----------


Não consegue visualizar o player? Veja aqui

[Ep 03] Tempo & Magma

No terceiro episódio, o artista fala a partir do álbum “Tempo & Magma” e da ponte estético-musical que estabeleceu com países da África Ocidental, tendo experienciado uma residência artística de 4 meses,  no Senegal, promovida pela UNESCO. Do Brasil, participaram do referido álbum duplo a cantora Céu e a ilustre sacerdotisa, escritora, pensadora e membro da Academia de Letras da Bahia — falecida, em 2018, aos 93 anos — Mãe Stella de Oxóssi. O álbum, que, assim como o “The invention of colour”, teve significativa repercussão e aceitação internacionais, apresenta a realização de um trabalho criativo em solo africano e tudo o que se associa a esse acontecimento.

-----------


Não consegue visualizar o player? Veja aqui

[Ep 04] Vida-Código e Milagres

O quarto e último episódio da série traz à cena os álbuns “Vida-Código” e “Milagres”, ambos lançados em 2020 (um antes da pandemia do COVID-19 e outro durante a pandemia). O primeiro, a propósito, após ter sido selecionado entre alguns dos melhores álbuns lançados no mundo por respeitadas referências como o World Music Charts Europe e Transglobal World Music Chart, foi eleito um dos melhores álbuns lançados, no ano de 2020, em todo o mundo, pelo jornal francês Le Monde. O trabalho, que marca o retorno de Tiganá Santana à sua terra nativa para gravar um álbum, após 10 anos, traz uma textura sonora bastante distinta dos trabalhos anteriores do artista, já que, por exemplo, conta com a presença estruturante de instrumentos eletrônicos ao lado dos acústicos (sobretudo, percussivos e alguns de cordas).

No que diz respeito a “Milagres”, a obra é uma releitura do emblemático álbum “Milagre dos Peixes”, de Milton Nascimento, lançado, originalmente, em 1973, com todas as suas letras censuradas. Essa releitura, feita conjuntamente com os músicos Sebastian Notini e Ldson Galter, realizou-se de modo bastante distinto da proposta aventada por Milton.


Tiganá Santana é compositor, cantor, instrumentista, poeta, produtor musical, diretor artístico, curador, pesquisador, professor e tradutor, que iniciou os seus estudos musicais de violão aos 14 anos. Desde que estreou em 2009 com “Maçalê”, recebeu reconhecimento imediato no Brasil e no exterior. O seu primeiro álbum foi viabilizado graças ao Edital de Apoio a Conteúdo Digital de Música, promovido pela Fundação Cultural do Estado da Bahia. O segundo foi premiado pelo Departamento de Cultura da Suécia e rendeu ao artista uma bolsa de estudos da UNESCO, no programa para artistas e profissionais de cultura, no Senegal. Após cinco meses de residência artística, Tiganá foi contemplado pelo Edital Petrobras Cultural e gravou, em conjunto com músicos do Senegal, Guiné-Conacri e Mali, o seu terceiro trabalho. O último álbum é uma homenagem a Milton Nascimento encomendada pela gravadora alemã Martin Hossbach.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dez passagens de Clarice Lispector nas cartas dos anos 1950 (parte 1)

Clarice Lispector (foto daqui ) “O outono aqui está muito bonito e o frio já está chegando. Parei uns tempos de trabalhar no livro [‘A maçã no escuro’] mas um dia desses recomeçarei. Tenho a impressão penosa de que me repito em cada livro com a obstinação de quem bate na mesma porta que não quer se abrir. Aliás minha impressão é mais geral ainda: tenho a impressão de que falo muito e que digo sempre as mesmas coisas, com o que eu devo chatear muito os ouvintes que por gentileza e carinho aguentam...” “Alô Fernando [Sabino], estou escrevendo pra você mas também não tenho nada o que dizer. Acho que é assim que pouco a pouco os velhos honestos terminam por não dizer nada. Mas o engraçado é que não tendo absolutamente nada o que dizer, dá uma vontade enorme de dizer. O quê? (...) E assim é que, por não ter absolutamente nada o que dizer, até livro já escrevi, e você também. Até que a dignidade do silêncio venha, o que é frase muito bonitinha e me emociona civicamente.”  “(...) O dinheiro s

Oito passagens de Conceição Evaristo no livro de contos Olhos d'água

Conceição Evaristo (Foto: Mariana Evaristo) "Tentando se equilibrar sobre a dor e o susto, Salinda contemplou-se no espelho. Sabia que ali encontraria a sua igual, bastava o gesto contemplativo de si mesma. E no lugar da sua face, viu a da outra. Do outro lado, como se verdade fosse, o nítido rosto da amiga surgiu para afirmar a força de um amor entre duas iguais. Mulheres, ambas se pareciam. Altas, negras e com dezenas de dreads a lhes enfeitar a cabeça. Ambas aves fêmeas, ousadas mergulhadoras na própria profundeza. E a cada vez que uma mergulhava na outra, o suave encontro de suas fendas-mulheres engravidava as duas de prazer. E o que parecia pouco, muito se tornava. O que finito era, se eternizava. E um leve e fugaz beijo na face, sombra rasurada de uma asa amarela de borboleta, se tornava uma certeza, uma presença incrustada nos poros da pele e da memória." "Tantos foram os amores na vida de Luamanda, que sempre um chamava mais um. Aconteceu também a paixão

Dez passagens de Jorge Amado no romance Mar morto

Jorge Amado “(...) Os homens da beira do cais só têm uma estrada na sua vida: a estrada do mar. Por ela entram, que seu destino é esse. O mar é dono de todos eles. Do mar vem toda a alegria e toda a tristeza porque o mar é mistério que nem os marinheiros mais velhos entendem, que nem entendem aqueles antigos mestres de saveiro que não viajam mais, e, apenas, remendam velas e contam histórias. Quem já decifrou o mistério do mar? Do mar vem a música, vem o amor e vem a morte. E não é sobre o mar que a lua é mais bela? O mar é instável. Como ele é a vida dos homens dos saveiros. Qual deles já teve um fim de vida igual ao dos homens da terra que acarinham netos e reúnem as famílias nos almoços e jantares? Nenhum deles anda com esse passo firme dos homens da terra. Cada qual tem alguma coisa no fundo do mar: um filho, um irmão, um braço, um saveiro que virou, uma vela que o vento da tempestade despedaçou. Mas também qual deles não sabe cantar essas canções de amor nas noites do cais? Qual d