Pular para o conteúdo principal

Dez passagens de Vitor Miranda no livro de contos O que a gente não faz para vender um livro?

Vitor Miranda (foto daqui)


“– você não fala, não?
– às vezes.
– o que você tá fazendo aqui? não vai comer ninguém.
– como você sabe?
– você tem estilo. não precisa pagar.
– quer ir embora comigo?
– não. acabei de meter. tô muito doida.
– tomou o quê?
– rivotril.
– normal. também tomo, às vezes.
– quer me comer?
– quero. mas sem pagar. sou poeta. não tenho dinheiro. vim só pra conversar.
– veio usurpar nossas histórias.
– tipo isso.
– cuzão.”


“(...) papo acadêmico me broxa. um casal de amigos terminou o relacionamento porque virou um namoro acadêmico. não trepavam mais. só disputavam quem tinha o ego mais bonito.”


“– nem me fale. me apaixonei de novo. tô com medo.
– por quê?
– você me entende. primeiro as pessoas se apaixonam pela poesia que é nossa vida e depois vão embora porque nossa vida é uma poesia.”


“(...) quando o dia começa com uma foda ele só pode ir piorando.”


“despertador. o casal acorda. ela coloca os óculos e pega o celular. ele tem vista boa. pega o celular direito, ela olha o Instagram, o WhatsApp, as notícias e o Facebook. ele deixa o Insta pro final. ela levanta e vai pro banho. ele lê devagar. toma banho depois. ela sai do banho, enquanto se troca fala alguma coisa pra si mesma. ele pergunta se era com ele. ela não responde. ele vai cagar com o celular na mão. fica assistindo stories. ela vê os stories que já se atualizaram enquanto toma café. os dois postam conteúdos ao mesmo tempo, no começo curtiam um ao outro. hoje só visualizam o que o outro está fazendo pra ficarem informados, pois já não têm muito tempo pra conversar.”


“precisava vender livros. pandemia e sem grana pra comer, morando de favor. tinha sido expulso da casa do meu pai e depois de uma casa no alto de uma montanha. tava me virando do jeito que dava. daí ficava vendo aquelas pessoas de arte ruim exibindo suas bundas, decotes e tudo o que podiam, ganhando dinheiro. daí vi mulheres geniais ganhando dinheiro pra sobreviver com suas belas artes apelarem e continuarem sobrevivendo. é preciso muito mais do que exibir o corpo. é preciso escrever poemas de autoajuda. me desesperei e comecei a fazer autorretratos nus com meu livro cobrindo meu pau. deu 400 curtidas em duas horas. ‘tenho que aproveitar enquanto tenho 30 anos’. meus poemas batem 30 curtidas e olhe lá.”


“(...) a mulher, com calor, mãe, foi ao mercado e a pouca brisa que balançava seu vestido aliviou o insuportável tempo quente nessa Terra que ainda é oval apesar dos planos de quem que achatá-la e acabar com o horizonte, cenário das belezas mor de quem nasce e morre todo dia, ressuscitando num infalível prazer a rotina.”


“(...) fomos embora conversando sobre coisas mais intelectuais. assuntos de arte. a conversa era tão boa que o tempo voou. é sempre assim. momentos bons andam mais rapidamente. às vezes parece que o tempo está contra a gente. o tempo é Deus, dizem.” 


“não tô com fome, não, mas tem um pedaço de pizza na geladeira. lá fora a noite é suja. São Paulo é uma putaria e todos querem trepar. as ruas gemem, as avenidas gemem, os motores roncam e ninguém goza nessa cidade. infelizes os que nascem aqui. frustrados os que sonharam com esse lugar. sonhos assassinados. pessoas se enforcam. tem um pedaço de pizza na geladeira.”


“– sinto algo esquisito...
– quando ficamos velhos sentimos muitas coisas esquisitas...
– digo algo fora do corpo, ou no interior dele que não é físico. de certa forma parece que as coisas se repetem.
– as conversas, os silêncios?
– sim, também. parece que já vivemos isso muitas vezes.
– e vivemos. se não existisse a imagem física e eu não visualizasse nossos corpos não saberia dizer onde estamos na linha do tempo.
– o silêncio e as conversas estão por aí, né? não cabem no espaço tempo.
– não cabem em nada.
– tal qual o poema. a poesia e a música vão continuar existindo além de nós. quem sabe sobrevivam ao fim da espécie humana.”


Presentes no livro de contos “O que a gente não faz para vender um livro?” (Sempiterno, 2021), de Vitor Miranda, páginas 62-63, 85, 128, 18, 23, 39, 99, 27, 35 e 146, respectivamente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dez passagens de Clarice Lispector nas cartas dos anos 1950 (parte 1)

Clarice Lispector (foto daqui ) “O outono aqui está muito bonito e o frio já está chegando. Parei uns tempos de trabalhar no livro [‘A maçã no escuro’] mas um dia desses recomeçarei. Tenho a impressão penosa de que me repito em cada livro com a obstinação de quem bate na mesma porta que não quer se abrir. Aliás minha impressão é mais geral ainda: tenho a impressão de que falo muito e que digo sempre as mesmas coisas, com o que eu devo chatear muito os ouvintes que por gentileza e carinho aguentam...” “Alô Fernando [Sabino], estou escrevendo pra você mas também não tenho nada o que dizer. Acho que é assim que pouco a pouco os velhos honestos terminam por não dizer nada. Mas o engraçado é que não tendo absolutamente nada o que dizer, dá uma vontade enorme de dizer. O quê? (...) E assim é que, por não ter absolutamente nada o que dizer, até livro já escrevi, e você também. Até que a dignidade do silêncio venha, o que é frase muito bonitinha e me emociona civicamente.”  “(...) O dinheiro s

Oito passagens de Conceição Evaristo no livro de contos Olhos d'água

Conceição Evaristo (Foto: Mariana Evaristo) "Tentando se equilibrar sobre a dor e o susto, Salinda contemplou-se no espelho. Sabia que ali encontraria a sua igual, bastava o gesto contemplativo de si mesma. E no lugar da sua face, viu a da outra. Do outro lado, como se verdade fosse, o nítido rosto da amiga surgiu para afirmar a força de um amor entre duas iguais. Mulheres, ambas se pareciam. Altas, negras e com dezenas de dreads a lhes enfeitar a cabeça. Ambas aves fêmeas, ousadas mergulhadoras na própria profundeza. E a cada vez que uma mergulhava na outra, o suave encontro de suas fendas-mulheres engravidava as duas de prazer. E o que parecia pouco, muito se tornava. O que finito era, se eternizava. E um leve e fugaz beijo na face, sombra rasurada de uma asa amarela de borboleta, se tornava uma certeza, uma presença incrustada nos poros da pele e da memória." "Tantos foram os amores na vida de Luamanda, que sempre um chamava mais um. Aconteceu também a paixão

Dez poemas de Carlos Drummond de Andrade no livro A rosa do povo

Consolo na praia Carlos Drummond de Andrade Vamos, não chores... A infância está perdida. A mocidade está perdida. Mas a vida não se perdeu. O primeiro amor passou. O segundo amor passou. O terceiro amor passou. Mas o coração continua. Perdeste o melhor amigo. Não tentaste qualquer viagem. Não possuis casa, navio, terra. Mas tens um cão. Algumas palavras duras, em voz mansa, te golpearam. Nunca, nunca cicatrizam. Mas, e o humour ? A injustiça não se resolve. À sombra do mundo errado murmuraste um protesto tímido. Mas virão outros. Tudo somado, devias precipitar-te — de vez — nas águas. Estás nu na areia, no vento... Dorme, meu filho. -------- Desfile Carlos Drummond de Andrade O rosto no travesseiro, escuto o tempo fluindo no mais completo silêncio. Como remédio entornado em camisa de doente; como dedo na penugem de braço de namorada; como vento no cabelo, fluindo: fiquei mais moço. Já não tenho cicatriz. Vejo-me noutra cidade. Sem mar nem derivativo, o corpo era bem pequeno para tanta