Pular para o conteúdo principal

Seleta: Black Sabbath


A “Seleta: Black Sabbath” destaca as 73 músicas que mais gosto da banda inglesa, presentes em 10 álbuns da sua discografia oficial (os prediletos são “Paranoid”, “13”, “Vol. 4” e “Black Sabbath”).

Ouça no Spotify aqui

Ouça no YouTube aqui

Os 10 álbuns participantes desta Seleta

01) War Pigs [Paranoid, 1970]

02) Iron Man [Paranoid, 1970]

03) Children of the Grave [Master of Reality, 1971]

04) Paranoid [Paranoid, 1970]

05) Symptom of the Universe [Sabotage, 1975]

06) Gypsy [Technical Ecstasy, 1976]

07) Changes [Vol. 4, 1972]

08) God is Dead? [13, 2013]

09) Sabbath Bloody Sabbath [Sabbath Bloody Sabbath, 1973]

10) End of the Beginning [13, 2013]

11) Fairies Wear Boots [Paranoid, 1970]

12) Loner [13, 2013]

13) N.I.B. [Black Sabbath, 1970]

14) Damaged Soul [13, 2013]

15) Warning [Black Sabbath, 1970]

16) Supernaut [Vol. 4, 1972]

17) Never Say Die [Never Say Die!, 1978]

18) Evil Woman [Black Sabbath, 1970]

19) Snowblind [Vol. 4, 1972]

20) Black Sabbath (live) [Reunion, 1998]

21) Zeitgeist [13, 2013]

22) Planet Caravan [Paranoid, 1970]

23) Solitude [Master of Reality, 1971]

24) Under the Sun/Every Day Comes and Goes [Vol. 4, 1972]

25) Age of Reason [13, 2013]

26) Hand of Doom [Paranoid, 1970]

27) Lord of This World [Master of Reality, 1971]

28) All Moving Parts (Stand Still) [Technical Ecstasy, 1976]

29) Breakout [Never Say Die!, 1978]

30) Swinging the Chain [Never Say Die!, 1978]

31) Live Forever [13, 2013]

32) Hole in the Sky [Sabotage, 1975]

33) Don't Start (Too Late) [Sabotage, 1975]

34) She's Gone [Technical Ecstasy, 1976]

35) Laguna Sunrise [Vol. 4, 1972]

36) A National Acrobat [Sabbath Bloody Sabbath, 1973]

37) Behind the Wall of Sleep [Black Sabbath, 1970]

38) Pariah [13, 2013]

39) Dear Father [13, 2013]

40) Dirty Women [Technical Ecstasy, 1976]

41) Air Dance [Never Say Die!, 1978]

42) Wheels of Confusion/The Straightener [Vol. 4, 1972]

43) Wicked World [Black Sabbath, 1970]

44) Cornucopia [Vol. 4, 1972]

45) Sabbra Cadabra [Sabbath Bloody Sabbath, 1973]

46) Rock 'n' Roll Doctor [Technical Ecstasy, 1976]

47) A Hard Road [Never Say Die!, 1978]

48) Back Street Kids [Technical Ecstasy, 1976]

49) Tomorrow's Dream [Vol. 4, 1972]

50) Shock Wave [Never Say Die!, 1978]

51) Peace of Mind [13, 2013]

52) You Won't Change Me [Technical Ecstasy, 1976]

53) Electric Funeral (live) [Reunion, 1998]

54) Sweet Leaf (live) [Reunion, 1998]

55) Spiral Architect (live) [Reunion, 1998]

56) Into the Void (live) [Reunion, 1998]

57) Selling My Soul [Reunion, 1998]

58) The Wizard [Black Sabbath, 1970]

59) Rat Salad [Paranoid, 1970]

60) Supertzar [Sabotage, 1975]

61) Am I Going Insane? (Radio) [Sabotage, 1975]

62) Over to You [Never Say Die!, 1978]

63) Junior's Eyes [Never Say Die!, 1978]

64) After Forever [Master of Reality, 1971]

65) Johnny Blade [Never Say Die!, 1978]

66) The Writ [Sabotage, 1975]

67) Thrill of It All [Sabotage, 1975]

68) Sleeping Village [Black Sabbath, 1970]

69) Megalomania [Sabotage, 1975]

70) Methademic [13, 2013]

71) Killing Yourself to Live [Sabbath Bloody Sabbath, 1973]

72) Orchid [Master of Reality, 1971]

73) Fluff [Sabbath Bloody Sabbath, 1973]

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dez passagens de Clarice Lispector nas cartas dos anos 1950 (parte 1)

Clarice Lispector (foto daqui ) “O outono aqui está muito bonito e o frio já está chegando. Parei uns tempos de trabalhar no livro [‘A maçã no escuro’] mas um dia desses recomeçarei. Tenho a impressão penosa de que me repito em cada livro com a obstinação de quem bate na mesma porta que não quer se abrir. Aliás minha impressão é mais geral ainda: tenho a impressão de que falo muito e que digo sempre as mesmas coisas, com o que eu devo chatear muito os ouvintes que por gentileza e carinho aguentam...” “Alô Fernando [Sabino], estou escrevendo pra você mas também não tenho nada o que dizer. Acho que é assim que pouco a pouco os velhos honestos terminam por não dizer nada. Mas o engraçado é que não tendo absolutamente nada o que dizer, dá uma vontade enorme de dizer. O quê? (...) E assim é que, por não ter absolutamente nada o que dizer, até livro já escrevi, e você também. Até que a dignidade do silêncio venha, o que é frase muito bonitinha e me emociona civicamente.”  “(...) O dinheiro s

Oito passagens de Conceição Evaristo no livro de contos Olhos d'água

Conceição Evaristo (Foto: Mariana Evaristo) "Tentando se equilibrar sobre a dor e o susto, Salinda contemplou-se no espelho. Sabia que ali encontraria a sua igual, bastava o gesto contemplativo de si mesma. E no lugar da sua face, viu a da outra. Do outro lado, como se verdade fosse, o nítido rosto da amiga surgiu para afirmar a força de um amor entre duas iguais. Mulheres, ambas se pareciam. Altas, negras e com dezenas de dreads a lhes enfeitar a cabeça. Ambas aves fêmeas, ousadas mergulhadoras na própria profundeza. E a cada vez que uma mergulhava na outra, o suave encontro de suas fendas-mulheres engravidava as duas de prazer. E o que parecia pouco, muito se tornava. O que finito era, se eternizava. E um leve e fugaz beijo na face, sombra rasurada de uma asa amarela de borboleta, se tornava uma certeza, uma presença incrustada nos poros da pele e da memória." "Tantos foram os amores na vida de Luamanda, que sempre um chamava mais um. Aconteceu também a paixão

Dez passagens de Jorge Amado no romance Mar morto

Jorge Amado “(...) Os homens da beira do cais só têm uma estrada na sua vida: a estrada do mar. Por ela entram, que seu destino é esse. O mar é dono de todos eles. Do mar vem toda a alegria e toda a tristeza porque o mar é mistério que nem os marinheiros mais velhos entendem, que nem entendem aqueles antigos mestres de saveiro que não viajam mais, e, apenas, remendam velas e contam histórias. Quem já decifrou o mistério do mar? Do mar vem a música, vem o amor e vem a morte. E não é sobre o mar que a lua é mais bela? O mar é instável. Como ele é a vida dos homens dos saveiros. Qual deles já teve um fim de vida igual ao dos homens da terra que acarinham netos e reúnem as famílias nos almoços e jantares? Nenhum deles anda com esse passo firme dos homens da terra. Cada qual tem alguma coisa no fundo do mar: um filho, um irmão, um braço, um saveiro que virou, uma vela que o vento da tempestade despedaçou. Mas também qual deles não sabe cantar essas canções de amor nas noites do cais? Qual d