Pular para o conteúdo principal

Seis passagens de Georgio Rios no livro de minicontos Ficções ao mar

Georgio Rios
Foto: Divulgação


"Desenterrou do quintal a lata de leite recheada de gudes. Depois de muitos anos lembrou-se de tê-las enterrado naquele lugar. Despejou o conteúdo vítreo no chão da sala e, ao ver rolar cada esfera, lembrou-se do universo. Lembrou-se que cada pequenina gude daquelas era a seu modo um pequeno planeta em que habitavam muitas histórias da galáxia distante que foi sua infância, derramada de dentro daquela enferrujada lata de leite."


"(...) Sulamita era mulher de pedra. Uma rocha que viu o marido e os quatro filhos descerem ao pó da terra. Tudo sem choro. Na secura das terras que enterrou o seu umbigo. Viu as poucas vacas morrerem, os bodes desembestarem na caatinga seca. Nem uma lágrima (...) E agora, depois de noventa anos sem sair do chão onde nasceu, cismou que queria ver o mar. Logo ela, tão acostumada com tamanha secura (...) Seguiu que nem menina. Forte, livre... Desembestada nas águas salobras. Molhou as mãos, a cabeça, e deixou cair o que pareceu ser as duas lágrimas que verteu na vida."


"Uma dose de esperança. Tomou tudo num só amargo gole. Seguiu, sem maiores sentimentos, para a estação de trem ao fim do arruado. Buscava, em vão, a máquina que o levasse aos rincões da tão longínqua e pequena infância. Por fim, resignado, admirava o mar impresso num cartaz na parede cinza da estação, onde um menino e seu cão admiravam o mar infinito no vão da tarde."


"Escondeu as moedas num furo do bloco, cobriu-as com papel e saiu como se não tivesse roubado a mãe."


"Carlos içou a linha, estava pesada, puxando muito. Era um dos grandes, e a briga estava boa. Dez dias depois, já exausto, o pescador resolveu admitir que a história fosse em verdade mais uma fábula de pescador, e a foto que ostentava nas rodas de papo, era arte do seu filho, um menino arretado no tal de photoshop."


"– Mestre? (...) – Mestre! (...) – Mestre. (...) Depois de descer a montanha, o discípulo deixou o casaco de peles de ovelha e seguiu resoluto pelo único caminho."



Presentes no livro de minicontos "Ficções ao mar" (P55, 2012), de Georgio Rios, páginas 46, 10, 41, 17, 27 e 31, respectivamente.

Comentários

Livrão! Fui no lançamento deste livro e o conto sobre "Sulamita" ainda remoe por aqui.

Um abraço

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Flávio José

Flávio José (foto: divulgação ) O artista de forró que mais gosto é o cantor, sanfoneiro e compositor Flávio José . Para mim, ele é a Voz do Nordeste . Um timbre único, raro, fantástico. Ouvir o canto desse Assum Preto-Rei é sentir o cheiro da caatinga, arrastar os pés no chão de barro ao pé da serra, embalar o coração juntinho com a parceira que amo, deslizar os passos como se no paraíso estivesse, saborear a mistura de amendoim com bolo de milho, purificar o sorriso como Dominguinhos ensinou, banhar-se com as rezas das senhoras sábias, prestar atenção aos causos, lendas e histórias do povo que construiu e orgulha o Brasil . Celebrar a pátria nordestina é escutar o mestre Flávio José ! Natural da sertaneja Monteiro , na Paraíba , em 2021 vai completar 70 anos (no primeiro dia de setembro), com mais de 30 discos lançados e vários sucessos emplacados na memória afetiva do povo brasileiro (fez a alegria e o estouro da carreira de muitos compositores, que tiveram a sorte de serem grav