Pular para o conteúdo principal

Cinco passagens de Mayrant Gallo na coleção infantil Pato, Cachorro, Garoto e Minhoca

Mayrant Gallo autografa os livros da coleção
no dia do lançamento em Salvador/BA
(foto: Mirdad)

“Depois do impacto e do baque,
A imobilidade. A amabilidade...

E foi como se o mundo parasse.
E até o Bigode — pela primeira vez! — sonhasse.

Ali na rua aquele monte de pelo imóvel,
E em cada cabeça a dor de não se ter sido melhor.”

O cachorrinho riu (Kalango, 2015)

-----------

“Imediatamente, sentiu-se feliz por não ser o único ser vivo no mundo. Mesmo um gato era bem-vindo, e ainda que lá na fazenda, antes, ele vivesse se escondendo do bichano, com medo de ser devorado, e embora fosse este o único destino dos patos, mais cedo ou mais tarde — um estômago.”

O ovo e o mundo (Kalango, 2015)

-----------

“Esteve a contemplar, de cima de um prédio, equilibrado no parapeito, a vastidão de concreto e ferro desenhada pelo homem e agora inútil. Tudo ao mesmo tempo o fascinava e entristecia. De que adiantavam todas aquelas linhas de imponente arrojo, se ninguém mais, exceto ele, um serzinho ínfimo, podia contemplá-las?”

O ovo e o mundo (Kalango, 2015)

-----------

“O sol pálido lá fora.
A chuva.
A gente que passava, os trens ao longe.

E ele ainda querendo que tudo fosse diferente.”

Dias de garoto (Kalango, 2015)

-----------

“A execução foi marcada para a clareira pública, ao amanhecer, com a presença de muitos animais, que, nessas ocasiões, abandonam atabalhoadamente suas tocas, pois a morte alheia é um evento sempre atraente e muito disputado.”

A minhoca dorminhoca (Kalango, 2015)




Coleção Pato, Cachorro, Garoto e Minhoca (Kalango, 2015). Quatro livros infantis, de capa dura e ilustrados, patrocinados pela FPC e Governo da Bahia.

Comentários

Mayrant Gallo disse…
Valeu, Mirdad! Fico feliz que já tenha lido os livros e apreciado. Abraço!
Emmanuel Mirdad disse…
Adorei "O ovo e o mundo", muito bom! Acho "O cachorrinho riu" o grande destaque infantil, as crianças vão adorar! E fiquei impressionado com a qualidade do material, das ilustrações, muito boa a coleção, parabéns! Abraços.

Postagens mais visitadas deste blog

Dez passagens de Clarice Lispector nas cartas dos anos 1950 (parte 1)

Clarice Lispector (foto daqui ) “O outono aqui está muito bonito e o frio já está chegando. Parei uns tempos de trabalhar no livro [‘A maçã no escuro’] mas um dia desses recomeçarei. Tenho a impressão penosa de que me repito em cada livro com a obstinação de quem bate na mesma porta que não quer se abrir. Aliás minha impressão é mais geral ainda: tenho a impressão de que falo muito e que digo sempre as mesmas coisas, com o que eu devo chatear muito os ouvintes que por gentileza e carinho aguentam...” “Alô Fernando [Sabino], estou escrevendo pra você mas também não tenho nada o que dizer. Acho que é assim que pouco a pouco os velhos honestos terminam por não dizer nada. Mas o engraçado é que não tendo absolutamente nada o que dizer, dá uma vontade enorme de dizer. O quê? (...) E assim é que, por não ter absolutamente nada o que dizer, até livro já escrevi, e você também. Até que a dignidade do silêncio venha, o que é frase muito bonitinha e me emociona civicamente.”  “(...) O dinheiro s

Oito passagens de Conceição Evaristo no livro de contos Olhos d'água

Conceição Evaristo (Foto: Mariana Evaristo) "Tentando se equilibrar sobre a dor e o susto, Salinda contemplou-se no espelho. Sabia que ali encontraria a sua igual, bastava o gesto contemplativo de si mesma. E no lugar da sua face, viu a da outra. Do outro lado, como se verdade fosse, o nítido rosto da amiga surgiu para afirmar a força de um amor entre duas iguais. Mulheres, ambas se pareciam. Altas, negras e com dezenas de dreads a lhes enfeitar a cabeça. Ambas aves fêmeas, ousadas mergulhadoras na própria profundeza. E a cada vez que uma mergulhava na outra, o suave encontro de suas fendas-mulheres engravidava as duas de prazer. E o que parecia pouco, muito se tornava. O que finito era, se eternizava. E um leve e fugaz beijo na face, sombra rasurada de uma asa amarela de borboleta, se tornava uma certeza, uma presença incrustada nos poros da pele e da memória." "Tantos foram os amores na vida de Luamanda, que sempre um chamava mais um. Aconteceu também a paixão

Dez passagens de Jorge Amado no romance Mar morto

Jorge Amado “(...) Os homens da beira do cais só têm uma estrada na sua vida: a estrada do mar. Por ela entram, que seu destino é esse. O mar é dono de todos eles. Do mar vem toda a alegria e toda a tristeza porque o mar é mistério que nem os marinheiros mais velhos entendem, que nem entendem aqueles antigos mestres de saveiro que não viajam mais, e, apenas, remendam velas e contam histórias. Quem já decifrou o mistério do mar? Do mar vem a música, vem o amor e vem a morte. E não é sobre o mar que a lua é mais bela? O mar é instável. Como ele é a vida dos homens dos saveiros. Qual deles já teve um fim de vida igual ao dos homens da terra que acarinham netos e reúnem as famílias nos almoços e jantares? Nenhum deles anda com esse passo firme dos homens da terra. Cada qual tem alguma coisa no fundo do mar: um filho, um irmão, um braço, um saveiro que virou, uma vela que o vento da tempestade despedaçou. Mas também qual deles não sabe cantar essas canções de amor nas noites do cais? Qual d