Pular para o conteúdo principal

Oito passagens de Carlos Barbosa no livro de minicontos Obscenas

Carlos Barbosa
Foto: Sarah Fernandes


"O homem que lê contempla o mar.
Do alto da torre em que mora.
Enquanto afaga seu barril de amontilado.
O mar, matéria por demais agitada, entontece.
O homem, que lê bem conhece.
Prefere o mar que tem aberto nas mãos.
Encadernado.
Onde costumeiramente mergulha (...)"


"A mulher prepara um cozido (...)
Molho de pimenta reservado.
O copo de cerveja na bancada a lacrimar.
Depois de um gole, a mulher enxuga a testa com o dorso da mão esquerda.
Só então começa a esquartejar o desgraçado."


"Quero uma noite primária e tonta.
Um tempo de mármore para esculpir seu nome.
Um beijo que vibre na varanda, que rompa o lacre da madrugada.
Quero escrever em sua carne branda com meus dentes implantados.
Quero a dor embalada pra presente.
Um dia de inverno no leito rachado de um riacho.
Eu a quero como teto, como janela pro mar.
Um ardil que aprisione nosso áspero odor (...)"


"Bandido prende o cidadão honesto.
Cidadão honesto elege o corrupto.
Corrupto posa de autoridade.
Autoridade se entrega ao capital.
O capital virucida o mundo.
E o mundo aplaude o bandido."


"(...) – Barbosa já morreu.
– Pois é, morreu culpado pela derrota brasileira na final para o Uruguai. Ele mesmo denunciou a pena eterna que lhe aplicaram. Pensava nisto: no gosto brasileiro por penas eternas aos outros e absolvição antecipada a si mesmo (...)"


"Fazia música como um aparelho de ressonância magnética.
Bombou na rede, causou na mídia, rolou shows até no exterior.
Passou a viajar de jatinho.
Decidiu, então, fazer música como turbina de jato em colchão de nuvem.
Fracassou.
Voltou a animar bailinhos na periferia.
Agora faz música tipo escapamento aberto de moto: ronco, estalo e pipoco (...)"


"A certa altura, a moça reivindicou penetrá-lo."


"(...) O amor, meu caro, é um caminho de cortinas que se deve abrir, uma a uma, com interesse de desbravador e sutileza de espadachim."



Presentes no livro de minicontos "Obscenas" (P55, 2015), de Carlos Barbosa, páginas 08, 03, 43, 29, 41, 15, 21 e 34, respectivamente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Flávio José

Flávio José (foto: divulgação ) O artista de forró que mais gosto é o cantor, sanfoneiro e compositor Flávio José . Para mim, ele é a Voz do Nordeste . Um timbre único, raro, fantástico. Ouvir o canto desse Assum Preto-Rei é sentir o cheiro da caatinga, arrastar os pés no chão de barro ao pé da serra, embalar o coração juntinho com a parceira que amo, deslizar os passos como se no paraíso estivesse, saborear a mistura de amendoim com bolo de milho, purificar o sorriso como Dominguinhos ensinou, banhar-se com as rezas das senhoras sábias, prestar atenção aos causos, lendas e histórias do povo que construiu e orgulha o Brasil . Celebrar a pátria nordestina é escutar o mestre Flávio José ! Natural da sertaneja Monteiro , na Paraíba , em 2021 vai completar 70 anos (no primeiro dia de setembro), com mais de 30 discos lançados e vários sucessos emplacados na memória afetiva do povo brasileiro (fez a alegria e o estouro da carreira de muitos compositores, que tiveram a sorte de serem grav