Pular para o conteúdo principal

Quatro passagens de Márcio Matos no livro Ave Noturna

Márcio Matos
Foto: Divulgação


"As cores estremecidas da atmosfera percorriam um século de pequenas partículas de poeira, esfumando discretamente a paisagem. Quando há tempo, há sempre uma remota chance de humanidade, mesmo nos locais mais hostis, onde as pessoas apenas respiram na certeza de que alguém ou algo infinito lhes guarde um futuro glorioso."


"Ao ver o corpo estirado, o coveiro se refestelou. Atirou-se sobre a mulher e abriu a braguilha da calça com agonia. A expiração que vinha dos pulmões subia até a garganta em direção ao ar, alagando narinas e boca como um vômito incontrolável de gás e calor. Estrebuchava feito verme no lodo, o sangue misturado ao suor dos corpos, mas, para a sua sorte, calhou de não haver nenhum sepultamento naquela tarde."


"A incrível sucessão de escusas não tinha fim. Contagiava inocentes úteis, parasitava o raciocínio de pessoas mais lúcidas, avolumava-se na consciência do promotor. Para Prudente, o caso se transformara numa questão de honra. Ele não cederia a conchavos, não se alinharia à multidão. Estavam todos sendo conduzidos numa travessia marítima quase messiânica. Parecia-lhe fatal que terminassem afogados. (...) Sentado na mesa mais afastada do boteco, ele se perdeu em pensamentos implacáveis, típicos de pessoas que se julgam perfeitas e raras. O encontro com aquela criatura impetuosamente escorregadia apenas serviu para exacerbar a sua pedantice, revelando-se-lhe como choque da civilidade contra a mais pura manifestação da malandragem."


"As verduras podres se acumulavam na vala entre o meio-fio e os paralelepípedos, um canto de perfeita exclusão. Quase sem perceber, os transeuntes chutavam as folhas de alface e as laranjas estragadas para a lateral da rua. Gary sentia-se um pouco como aqueles restos. Sabia dos próprios defeitos, da incapacidade de reconhecer excessos e não tinha mais expectativas de acolhimento."



Presentes no livro "Ave Noturna" (Via Litterarum, 2015), de Márcio Matos, páginas 09, 11, 25 e 50-51, respectivamente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dez passagens de Clarice Lispector nas cartas dos anos 1950 (parte 1)

Clarice Lispector (foto daqui ) “O outono aqui está muito bonito e o frio já está chegando. Parei uns tempos de trabalhar no livro [‘A maçã no escuro’] mas um dia desses recomeçarei. Tenho a impressão penosa de que me repito em cada livro com a obstinação de quem bate na mesma porta que não quer se abrir. Aliás minha impressão é mais geral ainda: tenho a impressão de que falo muito e que digo sempre as mesmas coisas, com o que eu devo chatear muito os ouvintes que por gentileza e carinho aguentam...” “Alô Fernando [Sabino], estou escrevendo pra você mas também não tenho nada o que dizer. Acho que é assim que pouco a pouco os velhos honestos terminam por não dizer nada. Mas o engraçado é que não tendo absolutamente nada o que dizer, dá uma vontade enorme de dizer. O quê? (...) E assim é que, por não ter absolutamente nada o que dizer, até livro já escrevi, e você também. Até que a dignidade do silêncio venha, o que é frase muito bonitinha e me emociona civicamente.”  “(...) O dinheiro s

Oito passagens de Conceição Evaristo no livro de contos Olhos d'água

Conceição Evaristo (Foto: Mariana Evaristo) "Tentando se equilibrar sobre a dor e o susto, Salinda contemplou-se no espelho. Sabia que ali encontraria a sua igual, bastava o gesto contemplativo de si mesma. E no lugar da sua face, viu a da outra. Do outro lado, como se verdade fosse, o nítido rosto da amiga surgiu para afirmar a força de um amor entre duas iguais. Mulheres, ambas se pareciam. Altas, negras e com dezenas de dreads a lhes enfeitar a cabeça. Ambas aves fêmeas, ousadas mergulhadoras na própria profundeza. E a cada vez que uma mergulhava na outra, o suave encontro de suas fendas-mulheres engravidava as duas de prazer. E o que parecia pouco, muito se tornava. O que finito era, se eternizava. E um leve e fugaz beijo na face, sombra rasurada de uma asa amarela de borboleta, se tornava uma certeza, uma presença incrustada nos poros da pele e da memória." "Tantos foram os amores na vida de Luamanda, que sempre um chamava mais um. Aconteceu também a paixão

Dez poemas de Carlos Drummond de Andrade no livro A rosa do povo

Consolo na praia Carlos Drummond de Andrade Vamos, não chores... A infância está perdida. A mocidade está perdida. Mas a vida não se perdeu. O primeiro amor passou. O segundo amor passou. O terceiro amor passou. Mas o coração continua. Perdeste o melhor amigo. Não tentaste qualquer viagem. Não possuis casa, navio, terra. Mas tens um cão. Algumas palavras duras, em voz mansa, te golpearam. Nunca, nunca cicatrizam. Mas, e o humour ? A injustiça não se resolve. À sombra do mundo errado murmuraste um protesto tímido. Mas virão outros. Tudo somado, devias precipitar-te — de vez — nas águas. Estás nu na areia, no vento... Dorme, meu filho. -------- Desfile Carlos Drummond de Andrade O rosto no travesseiro, escuto o tempo fluindo no mais completo silêncio. Como remédio entornado em camisa de doente; como dedo na penugem de braço de namorada; como vento no cabelo, fluindo: fiquei mais moço. Já não tenho cicatriz. Vejo-me noutra cidade. Sem mar nem derivativo, o corpo era bem pequeno para tanta