Pular para o conteúdo principal

Seleta: Renato Russo

Renato Russo (foto: Ricardo Junqueira)

Renato Russo é o meu cantor predileto. Em abril desse ano, quando postei uma Seleta com a Legião Urbana (ouça aqui), afirmei: “é o meu letrista favorito, a referência que me motivou a cantar, compor e formar uma banda [o seu timbre e interpretação me impressionam demais!]”. É bem isso. Uma pena que morreu tão jovem, aos 36 anos. Como eu queria ouvi-lo agora, com um novo álbum, como intérprete ou compositor, valendo até música cafona (de novo)! Enfim, “os bons morrem antes”.

Na Seleta de hoje, as 60 músicas que mais gosto, gravadas por Renato Russo na sua carreira solo, presentes em seis álbuns desta discografia (apenas dois foram lançados por ele em vida, e “Stonewall Celebration Concert” é o meu predileto, sempre em repeat eterno quando o toco).

Ouça no Spotify aqui [não tem todas as músicas]

Ouça no YouTube aqui

01) If Tomorrow Never Comes [Stonewall Celebration Concert, 1994]

02) The Heart of the Matter [Stonewall Celebration Concert, 1994]

03) Somewhere [Stonewall Celebration Concert, 1994]

04) And So It Goes [Stonewall Celebration Concert, 1994]

05) The Ballad of the Sad Young Men [Stonewall Celebration Concert, 1994]

06) Somewhere in My Broken Heart [Stonewall Celebration Concert, 1994]

07) Il Mondo Degli Altri (versão rock) [Equilibrio Distante, 1995]

08) La Vita è Adesso [Equilibrio Distante, 1995]

09) Strani Amori [Equilibrio Distante, 1995]

10) Passerà [Equilibrio Distante, 1995]


11) Gente Humilde (com Hélio Delmiro) [Presente, 2003]

12) Wave (Come Fa Un'Onda) [Equilibrio Distante, 1995]

13) When You Wish Upon a Star [Stonewall Celebration Concert, 1994]

14) If I Loved You [Stonewall Celebration Concert, 1994]

15) I Loves You Porgy [O Último Solo, 1997]

16) Send in the Clowns [Stonewall Celebration Concert, 1994]

17) Hey, That's no Way to Say Goodbye [O Último Solo, 1997]

18) La Forza Della Vita [Equilibrio Distante, 1995]

19) E Tu Come Stai? [O Último Solo, 1997]

20) If You See Him, Say Hello [Stonewall Celebration Concert, 1994]

Os seis álbuns presentes nesta Seleta

21) Like a Lover (com Fernanda Takai) [Duetos, 2010]

22) Dolcissima Maria [Equilibrio Distante, 1995]

23) Old Friend [Stonewall Celebration Concert, 1994]

24) Clothes of Sand [Stonewall Celebration Concert, 1994]

25) I Get Along Without You Very Well [Stonewall Celebration Concert, 1994]

26) Love Is [Stonewall Celebration Concert, 1994]

27) Change Partners (com Caetano Veloso) [Duetos, 2010]

28) Il Mondo Degli Altri [O Último Solo, 1997]

29) La Solitudine [Equilibrio Distante, 1995]

30) I Venti del Cuore [Equilibrio Distante, 1995]


31) Ti Chiedo Onestà [O Último Solo, 1997]

32) Lettera [Equilibrio Distante, 1995] 

33) Say It Isn't So [Stonewall Celebration Concert, 1994]

34) Miss Celie's Blues [Stonewall Celebration Concert, 1994]

35) Close the Door Lightly When You Go [Stonewall Celebration Concert, 1994]

36) The Dance [O Último Solo, 1997]

37) Cathedral Song  [Stonewall Celebration Concert, 1994]

38) Mais uma Vez [Presente, 2003]

39) Boomerang Blues [Presente, 2003]

40) Due [Equilibrio Distante, 1995]


41) Quando Eu Estiver Cantando / Endless Love (ao vivo) [Presente, 2003]

42) Più o Meno [Equilibrio Distante, 1995]

43) Scrivimi [Equilibrio Distante, 1995]

44) Cherish [Stonewall Celebration Concert, 1994]

45) Paper of Pins [Stonewall Celebration Concert, 1994]

46) Gente [Equilibrio Distante, 1995]

47) Let's Face the Music & Dance [Stonewall Celebration Concert, 1994]

48) Thunder Road [Presente, 2003]

49) Esquadros (com Adriana Calcanhotto) [Duetos, 2010]

50) Só Louco (com Dorival Caymmi) [Duetos, 2010]


51) Eu Sei [O Trovador Solitário, 2008]

52) Marcianos Invadem a Terra [O Trovador Solitário, 2008]

53) Geração Coca-Cola [O Trovador Solitário, 2008]

54) Summertime (com Cida Moreira) [Duetos, 2010]

55) Nada por Mim (com Herbert Vianna) [Duetos, 2010]

56) Anúncio de Refrigerante [O Trovador Solitário, 2008]

57) Dado Viciado [O Trovador Solitário, 2008]

58) Veraneio Vascaína [O Trovador Solitário, 2008]

59) Celeste (com Marisa Monte) [Duetos, 2010]

60) Faroeste Caboclo [O Trovador Solitário, 2008]

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dez passagens de Clarice Lispector nas cartas dos anos 1950 (parte 1)

Clarice Lispector (foto daqui ) “O outono aqui está muito bonito e o frio já está chegando. Parei uns tempos de trabalhar no livro [‘A maçã no escuro’] mas um dia desses recomeçarei. Tenho a impressão penosa de que me repito em cada livro com a obstinação de quem bate na mesma porta que não quer se abrir. Aliás minha impressão é mais geral ainda: tenho a impressão de que falo muito e que digo sempre as mesmas coisas, com o que eu devo chatear muito os ouvintes que por gentileza e carinho aguentam...” “Alô Fernando [Sabino], estou escrevendo pra você mas também não tenho nada o que dizer. Acho que é assim que pouco a pouco os velhos honestos terminam por não dizer nada. Mas o engraçado é que não tendo absolutamente nada o que dizer, dá uma vontade enorme de dizer. O quê? (...) E assim é que, por não ter absolutamente nada o que dizer, até livro já escrevi, e você também. Até que a dignidade do silêncio venha, o que é frase muito bonitinha e me emociona civicamente.”  “(...) O dinheiro s

Oito passagens de Conceição Evaristo no livro de contos Olhos d'água

Conceição Evaristo (Foto: Mariana Evaristo) "Tentando se equilibrar sobre a dor e o susto, Salinda contemplou-se no espelho. Sabia que ali encontraria a sua igual, bastava o gesto contemplativo de si mesma. E no lugar da sua face, viu a da outra. Do outro lado, como se verdade fosse, o nítido rosto da amiga surgiu para afirmar a força de um amor entre duas iguais. Mulheres, ambas se pareciam. Altas, negras e com dezenas de dreads a lhes enfeitar a cabeça. Ambas aves fêmeas, ousadas mergulhadoras na própria profundeza. E a cada vez que uma mergulhava na outra, o suave encontro de suas fendas-mulheres engravidava as duas de prazer. E o que parecia pouco, muito se tornava. O que finito era, se eternizava. E um leve e fugaz beijo na face, sombra rasurada de uma asa amarela de borboleta, se tornava uma certeza, uma presença incrustada nos poros da pele e da memória." "Tantos foram os amores na vida de Luamanda, que sempre um chamava mais um. Aconteceu também a paixão

Dez passagens de Jorge Amado no romance Mar morto

Jorge Amado “(...) Os homens da beira do cais só têm uma estrada na sua vida: a estrada do mar. Por ela entram, que seu destino é esse. O mar é dono de todos eles. Do mar vem toda a alegria e toda a tristeza porque o mar é mistério que nem os marinheiros mais velhos entendem, que nem entendem aqueles antigos mestres de saveiro que não viajam mais, e, apenas, remendam velas e contam histórias. Quem já decifrou o mistério do mar? Do mar vem a música, vem o amor e vem a morte. E não é sobre o mar que a lua é mais bela? O mar é instável. Como ele é a vida dos homens dos saveiros. Qual deles já teve um fim de vida igual ao dos homens da terra que acarinham netos e reúnem as famílias nos almoços e jantares? Nenhum deles anda com esse passo firme dos homens da terra. Cada qual tem alguma coisa no fundo do mar: um filho, um irmão, um braço, um saveiro que virou, uma vela que o vento da tempestade despedaçou. Mas também qual deles não sabe cantar essas canções de amor nas noites do cais? Qual d