Pular para o conteúdo principal

O grito do mar na noite — Orelha de Márcio Matos

Márcio Matos - Foto: Facebook do escritor.


O escritor e comunicólogo Márcio Matos, autor dos livros Suave anomalia e A noite em que nós todos fomos felizes, escreveu o texto Sobre pugilatos e capitulações para a orelha do livro de contos O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), de Emmanuel Mirdad. Veja abaixo (após a imagem da orelha na capa do livro, texto na íntegra):





Sobre pugilatos e capitulações

O conto é, por excelência, o gênero do não-dito. Não alonga as histórias a ponto de mimetizar a narrativa romanesca e, semelhante à poesia, faz muito com pouco, tanto em termos estilísticos, quanto de conteúdo. Escrever contos é, portanto, um desafio de grande monta, que revela a real capacidade de um escritor ao manejar as palavras.

Ciente disso, Emmanuel Mirdad realiza com o livro de contos O grito do mar na noite um rigoroso exercício, cuja exatidão determina a capitulação do leitor. Capitulação, entenda-se bem, no sentido que Cortázar, numa analogia com o boxe, definiu como a especificidade do conto: o poder de, diferentemente do romance, vencer a luta por nocaute.

De cara, em Chá de boldo, recebemos um jab com a história do velho abandonado pela família. Ali, já somos “golpeados” por duas grandes qualidades de Mirdad: a maturidade para tratar de temas espinhosos e a mínima concessão com a linearidade narrativa, recurso que ele aprofundará em outros momentos do livro, como no cortante Assexuada.

Na opção pelo caos da não-linearidade, verificamos a reverência do autor às “regras” do gênero. Seus contos não têm acúmulos, as frases são coloquiais, diretas, o ritmo é frenético. O leitor que preencha os vazios da narrativa com seus próprios vieses cognitivos. O essencial está exposto no texto, o mais são nuvens, inferências – ou aquilo que eleva um conto à condição de relíquia íntima.

Mirdad move-se pelo ringue na certeira intenção de deixar o leitor tonto e, quando este baixa a guarda, aplica-lhe o golpe fatal, como na seguinte passagem de No palheiro: “– Venha. A gente se encontra no estacionamento do Bompreço. Seja rápido, porque só temos duas horas e eu ainda tenho que comprar coentro”.

O leitor, pobre sparring de um boxeador muito dono de si, sucumbe à devastadora naturalidade da situação, que ao mesmo tempo encerra uma tensão e a projeta.

No equilíbrio entre o que se mostra e o que fica subentendido, Mirdad vai tecendo um agudo painel das relações humanas, sobretudo afetivas, nas quais homens e mulheres expõem suas fraquezas ante a banalidade da vida e do tempo. Sobre o tempo, aliás, vale ressaltar a conexão do autor com a contemporaneidade. Mirdad cita ícones do momento e brinca com a antítese passado-presente, demonstrando que os grandes feitos inserem-se na trivialidade do dia a dia (mesmo a hedionda trivialidade dos crimes passionais). O homem comum e “real”, escritor-narrador, citado inúmeras vezes pela metalinguagem dos seus contos, é o grande artífice da história e, de resto, da própria literatura.

Ao final do tour de force do conto Quase onze dias, a contabilidade só aparentemente é prosaica. O pugilato está prestes a ser vencido por pontos, numa tática mais próxima do romance, mas Mirdad retoma a energia lisérgica e masculina da sua prosa e dá o golpe de misericórdia. Ainda abalado pelo incidente envolvendo Theo e Maria, o leitor assiste atônito à indiferença do outro vértice da trama: “(...) Fábio parou numa banquinha de frutas e aproveitou para comprar tangerinas. – Uhn, tá bom pra caralho, que beleza, man!”

Soa o gongo. Agora, as ring girls só voltarão a desfilar nas páginas seguintes.

Márcio Matos
Escritor e comunicólogo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Flávio José

Flávio José (foto: divulgação ) O artista de forró que mais gosto é o cantor, sanfoneiro e compositor Flávio José . Para mim, ele é a Voz do Nordeste . Um timbre único, raro, fantástico. Ouvir o canto desse Assum Preto-Rei é sentir o cheiro da caatinga, arrastar os pés no chão de barro ao pé da serra, embalar o coração juntinho com a parceira que amo, deslizar os passos como se no paraíso estivesse, saborear a mistura de amendoim com bolo de milho, purificar o sorriso como Dominguinhos ensinou, banhar-se com as rezas das senhoras sábias, prestar atenção aos causos, lendas e histórias do povo que construiu e orgulha o Brasil . Celebrar a pátria nordestina é escutar o mestre Flávio José ! Natural da sertaneja Monteiro , na Paraíba , em 2021 vai completar 70 anos (no primeiro dia de setembro), com mais de 30 discos lançados e vários sucessos emplacados na memória afetiva do povo brasileiro (fez a alegria e o estouro da carreira de muitos compositores, que tiveram a sorte de serem grav