Pular para o conteúdo principal

Cinco passagens de João Filho no livro Ao longo da linha amarela

João Filho (foto daqui)


"(...) a pose, sim, a pose, que é o emblema mais elucidativo da psique tupiniquim. Possuidores que somos dessa maldição inerente aos trópicos: a casca como sentido do supérfluo, a evidência do oco tido como essência última. (...) O mal comum – doméstico e público, vulgaridade que é força e não debilidade, feito erva ruim infensa ao jardineiro mais hábil – é que é a labuta mais ranheta. Adianta extirpá-lo pela raiz? O barro de que somos feitos é fértil demais para essa invulgar renitência. Convive-se. E alguns só pensam em podá-lo quando sua ramificação já se tornou intolerável para a fachada externa. A manada é cega para o matagal. (...)"


"Reto nesta cidade nem a linha do horizonte, minha cara. Não há salvação, é crescer e afundar. É tudo tão de quinta que o menos pior é sub-sub. (...) Marinho, o vento explicita o visguento que esta cidade cachorra é. Ladeiras cardíacas onde silvam, junto com o vento, rojões. Os fantasmas sanguissedentos, solitários sempre, nos ossos e baço. (...) o primordial planejamento desta urbe se deu em dois planos estratégicos para defesa e, nunca esqueçamos, massacre, pilhagem e fuga. Nós, humanos, somos interessantíssimos, avançar quase sempre é destruir. (...) O mapa-intestinal que sonhei lograr desimporta. Toda cidade é uma mesma cidade. O que somos não deixará de ser se mudar a paisagem."


"(...) uma solar manhã de domingo desperta algumas linhas da infância que valem o universo; o translúcido desse minuto que respira em tudo. São nesgas que seu espírito e suas pernas trabalham enquanto atravessa. Com toda frieza falha de sua lógica, ele sabe que é inegável: aquilo que apenas suspeitamos, mas é imprescindível para estarmos aqui. Todo negativismo bitolado em decadência é o que ele não quer mais, nem a náusea conceitual e interesseira, nem o enfado do seu século, nem a gula pelo número, nem as filosofias que antecipam, planejam e executam o terror."


"Se não me ocupo, me perco. Vou alinhavando esta trama pelos veios da Soterópolis pra ter algo parecido a sentido, mesmo que a ascese seja para os lados, horizontal, mas aplaca momentaneamente nossa sede de transcendência. Ocupação de certo modo nociva, porque foi pela hipótese que o maníaco que em nós mora queimou gerações (...) Zarpo num coletivo que veloz atravessa a urbe-labirinto que é inferno mais ou menos controlado; cidade a inchar não convulsa de todo ainda, metal-flux a dar contorno ao cimento armado que cresce em suas encostas, baldios, supersubúrbios; cidade banhuda (...)"


"Ao sair da infância (que ele, o mais novo, alongou ao máximo), se encontrou com o turbilhão das possibilidades girando dentro da sua inexperiente cabeça, ele fez sua escolha: a inércia. Não o culpem assim tão depressa, pois o turbilhão era tanto que o coitado ficou imóvel, o que é comum. (...) Meu neto povoou o mundo com seus pesadelos e foi admirado por isso. Se fez disso seu trabalho e subsistência, não podemos chamá-lo de tentativa de ordem, e sim de distribuição utilitária do caos. A negação semeia somente anomalia, não importa se para um indivíduo ou para milhões."



Presentes no livro de contos "Ao longo da linha amarela" (P55, 2009), de João Filho, páginas 44-45, 32 a 35, 08-09, 19 e 10-15, respectivamente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Flávio José

Flávio José (foto: divulgação ) O artista de forró que mais gosto é o cantor, sanfoneiro e compositor Flávio José . Para mim, ele é a Voz do Nordeste . Um timbre único, raro, fantástico. Ouvir o canto desse Assum Preto-Rei é sentir o cheiro da caatinga, arrastar os pés no chão de barro ao pé da serra, embalar o coração juntinho com a parceira que amo, deslizar os passos como se no paraíso estivesse, saborear a mistura de amendoim com bolo de milho, purificar o sorriso como Dominguinhos ensinou, banhar-se com as rezas das senhoras sábias, prestar atenção aos causos, lendas e histórias do povo que construiu e orgulha o Brasil . Celebrar a pátria nordestina é escutar o mestre Flávio José ! Natural da sertaneja Monteiro , na Paraíba , em 2021 vai completar 70 anos (no primeiro dia de setembro), com mais de 30 discos lançados e vários sucessos emplacados na memória afetiva do povo brasileiro (fez a alegria e o estouro da carreira de muitos compositores, que tiveram a sorte de serem grav