Pular para o conteúdo principal

Sete passagens de Tom Correia no livro Ladeiras, vielas & farrapos

Tom Correia (foto daqui)


"Eu sempre soube que, cedo ou tarde, o mar onde nasci me arrastaria para um inevitável mergulho no abismo."


"Ao chegar em casa, assustado, ele colocou um maço de cédulas em cima da mesa da cozinha e correu para o quarto. Bastou um olhar para ela compreender. Furiosa, pegou o moleque com força pelo braço e imediatamente arrancou-se pela porta. Não se falaram durante o trajeto até o ponto. Ao subir no trólebus, deu um empurrão no menino, que quase se esborracha. Uma passageira, também acompanhada do filho, tentou intervir, censurando-lhe a rispidez. 'Cuide dos seus que eu cuido dos meus!', Donana rebateu. A mulher calou-se. A frase ficou se debatendo dentro do veículo. O condutor e os outros passageiros, mudos, ficaram pensativos. Levaram as palavras para casa, para a vida."


"A gente nunca teve dinheiro pra comprar um campo Estrelão, mas isso não nos impediu de organizar campeonatos inesquecíveis, como o daquele ano. Dividimos as tarefas e construímos nosso próprio estádio com material reciclado: uma porta de guarda-roupa roída pelos cupins e achada no aterro, pregos retirados das paredes, sobras de lixa e verniz. Para pintar o gramado tomamos emprestado, sem pedir, o lápis de cera da irmã de Rege Farofa. O círculo central e as meias-luas ficaram perfeitos, desenhados por Lico, um pequeno artista mesmo sem um compasso na mão. (...) Escolhemos a casa de Nema pra testar o evento. O diabo era um tapete enorme no meio da sala, atrapalhando a estabilidade da nova arena. A comissão organizadora decidiu: a única solução era retirá-lo pra instalar as estruturas ali mesmo. Nema foi contra, temia ser castigado pelo pai, mas um esporte tão nobre não poderia ser prejudicado por um detalhe decorativo de uma casa que ameaçava desabar. (...) as bolinhas se perdiam ao cair pelos buracos do piso. Quando a lama secava, a gente descia e se arriscava entre as estacas pra tentar recuperá-las. Vários jogadores do time de Cirilo foram resgatados do lodo."


"No meio da sala, percebi o quanto era difícil me mexer num lugar tão minúsculo. Abri a janela para atenuar a sensação de claustro. A baía se escondia por trás de um extenso tapete negro, as luzinhas lá longe provocaram alguma nostalgia, e senti imensa ternura pelo lugar, como se estivesse diante de uma senhora adoentada que tinha sido muito rica e cortejada pela sua formosura; que durante muito tempo exibiu suas joias e desfilou sua opulência, até cair em declínio irreversível; e que hoje vive de recauchutagens, tentando debilmente reviver seus melhores dias. Recordei os amigos que tinham partido pra lugares distantes tentando escapar da nossa prisão metafísica. As amizades se perderam no tempo. A conversa com os que retornaram não tinha naturalidade, mas ressentimento pela separação."


"Musas de bundas caídas, pseudoastros aposentados e músicos obscuros de músculos atrofiados podiam ser vistos por quem passava em frente ao 2º Distrito Naval. Viciadas em flashes e microfones, subcelebridades aceitaram o confinamento num cubículo de metal e vidro, suspenso por espessos cabos de aço. Lá dentro elas ouvem em modo contínuo tudo que produziram em vinte, trinta anos de carreira. Muitos não suportam e sofrem agudas crises nervosas. Apenas os catatônicos são indiferentes. O público já não se lembra bem das canções, das dancinhas, nem dos nomes dos antigos ídolos, mas grita histericamente cada vez que o fundo da caixa se abre e um deles despenca. A disputa é transmitida ao vivo: audiência estourada."


"Seu Francisco Edgard Lopes é muito vaidoso. Conta pra gente, com a pose de um palestrante, curiosidades sobre o Campo da Graça, onde jogou bola com Popó. No dia da inauguração da luz elétrica em frente ao Palácio Rio Branco, estava vestido a caráter, sendo um dos oradores mais aplaudidos pela turma da Associação Comercial. Também esteve todo galante quando o Plano Inclinado Gonçalves levou os primeiros passageiros. Seu pai fez parte da primeira turma da Faculdade de Medicina do Terreiro de Jesus e era um dos raros a possuir um automóvel desfilando entre bondes e carroças. (...) Consegue descrever com minúcias todos os momentos de empolgação do amigo Oscar Cordeiro quando jorrou petróleo no Lobato. (...) Ainda era um molecote, aluno do Antônio Vieira, quando participou do Quebra-Bondes, exigindo passagens mais baratas e melhor serviço. Décadas depois, mesmo sem jamais ter sido usuário do sistema de transporte público, também participou do Quebra-Quebra de 1981. 'Gosto de arrebentar coisas, porque me acalmo', ele explica."


"(...) Era muito simpático, como todos os gordos que tentam compensar os excessos. Algumas de suas manias eram irritantes. Dava em cima das meninas, sempre sem sucesso devido a um pacote repleto de equívocos: abordagem atropelada, modos truculentos e um vocabulário inadequado que ele despejava, sem constrangimento, no ouvido dos seus alvos. Até dormindo Madá queria ganhar um Molière. Seus gestos, expansivos, tomavam para si todo o espaço disponível entre ele e o seu interlocutor. Isso dificultava ainda mais a sua vida com o público feminino, histórica e estatisticamente não adepto do binômio gordo-falido. Mas eu deixo tudo isso pra lá, porque os defeitos dos amigos a gente sempre ameniza. Já os inimigos, até suas virtudes são imperdoáveis."



Presentes no livro de contos "Ladeiras, vielas & farrapos" (Via Litterarum, 2015), de Tom Correia, páginas 13, 95, 84 a 86, 49, 15, 63 e 75-76, respectivamente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dez passagens de Clarice Lispector nas cartas dos anos 1950 (parte 1)

Clarice Lispector (foto daqui ) “O outono aqui está muito bonito e o frio já está chegando. Parei uns tempos de trabalhar no livro [‘A maçã no escuro’] mas um dia desses recomeçarei. Tenho a impressão penosa de que me repito em cada livro com a obstinação de quem bate na mesma porta que não quer se abrir. Aliás minha impressão é mais geral ainda: tenho a impressão de que falo muito e que digo sempre as mesmas coisas, com o que eu devo chatear muito os ouvintes que por gentileza e carinho aguentam...” “Alô Fernando [Sabino], estou escrevendo pra você mas também não tenho nada o que dizer. Acho que é assim que pouco a pouco os velhos honestos terminam por não dizer nada. Mas o engraçado é que não tendo absolutamente nada o que dizer, dá uma vontade enorme de dizer. O quê? (...) E assim é que, por não ter absolutamente nada o que dizer, até livro já escrevi, e você também. Até que a dignidade do silêncio venha, o que é frase muito bonitinha e me emociona civicamente.”  “(...) O dinheiro s

Oito passagens de Conceição Evaristo no livro de contos Olhos d'água

Conceição Evaristo (Foto: Mariana Evaristo) "Tentando se equilibrar sobre a dor e o susto, Salinda contemplou-se no espelho. Sabia que ali encontraria a sua igual, bastava o gesto contemplativo de si mesma. E no lugar da sua face, viu a da outra. Do outro lado, como se verdade fosse, o nítido rosto da amiga surgiu para afirmar a força de um amor entre duas iguais. Mulheres, ambas se pareciam. Altas, negras e com dezenas de dreads a lhes enfeitar a cabeça. Ambas aves fêmeas, ousadas mergulhadoras na própria profundeza. E a cada vez que uma mergulhava na outra, o suave encontro de suas fendas-mulheres engravidava as duas de prazer. E o que parecia pouco, muito se tornava. O que finito era, se eternizava. E um leve e fugaz beijo na face, sombra rasurada de uma asa amarela de borboleta, se tornava uma certeza, uma presença incrustada nos poros da pele e da memória." "Tantos foram os amores na vida de Luamanda, que sempre um chamava mais um. Aconteceu também a paixão

Dez passagens de Jorge Amado no romance Mar morto

Jorge Amado “(...) Os homens da beira do cais só têm uma estrada na sua vida: a estrada do mar. Por ela entram, que seu destino é esse. O mar é dono de todos eles. Do mar vem toda a alegria e toda a tristeza porque o mar é mistério que nem os marinheiros mais velhos entendem, que nem entendem aqueles antigos mestres de saveiro que não viajam mais, e, apenas, remendam velas e contam histórias. Quem já decifrou o mistério do mar? Do mar vem a música, vem o amor e vem a morte. E não é sobre o mar que a lua é mais bela? O mar é instável. Como ele é a vida dos homens dos saveiros. Qual deles já teve um fim de vida igual ao dos homens da terra que acarinham netos e reúnem as famílias nos almoços e jantares? Nenhum deles anda com esse passo firme dos homens da terra. Cada qual tem alguma coisa no fundo do mar: um filho, um irmão, um braço, um saveiro que virou, uma vela que o vento da tempestade despedaçou. Mas também qual deles não sabe cantar essas canções de amor nas noites do cais? Qual d