Pular para o conteúdo principal

Seis passagens de João Filho no livro Encarniçado

João Filho (foto daqui)


"(...) o desejo é o embotamento, a ira'ardente, este é o fogo pálido, sim, parole, transparência que enreda, vivido que farela, risco na prata dessa valsa, dorida, sem par, e nossos passos atrofiados, nossas duras extremidades, desejo e me pedes desassombro, desejo é essa massa que minhas manhãs de luzes transpassadas, em que solares são os ossos (...) e o patético, a parte podre, a tarde'trevando, nós nuvens, a camomila fumegante depois do coito e quando certa repulsa é repouso, aconchego, este o desejo, Lúcio meu, milenar, sim, milenar e másculo (...) sem febre, dedos molhados na tez queimando, meus quadris ejaculados, seu timbre ao vocalizar passagens proustianas (...) quando me cobres e me dobro abrindo-me, essa, a língua que me desnuda, desdenho o que o corpo congrega, desdenho tato, aromas, sabores, amores são malignos, desdenho o que o espaço me oferta, palavra não pode, perdoa caríssimo, o que procuro? caríssimo, me enlace, mesmo sendo saudade; o que não acho? minha manhã nocivas neste peito lasso (...)"


"dor de esfacelar bicho menor. uma manhã macerada em suas vértebras. o corpo da casa vibra, dá a dica de sua atonalidade, mas é todo tônico, sem pausas. toda música requer silêncio. esta não, nos intervalos dupla dói. as paredes internas da casa estalam, sofás-cama, móveis sustentadores estão todos desmantelados; pelo uso? algum deus? nem nem, foi baque de dor vibrando suas vértebras, inconsoláveis. o quarto onde ela repousa repensa suas farpas. a dor pressiona até a náusea. o sol lambe minhas costelas, imprestável não gera nada. nem amorena a dor. bronzeia esta segunda-feira anojentada pelos bagarotes que têm de ser caçados à tapa."


"o Caboclo Chupa-Peito entra na roda intentando taras. é desses iniciados a olho, treitando. reparando sempre nas caboclas de mamas fartas. ciscando pelas beiras, vai se achegando quando as Giras entram em transe. no meio do terreiro Chupa-Peito faz jus ao vulgo. até que um Ogã disfarçado de cabocla trocadilha seu nome: Pica-Chupa até madrugadinha."


"(...) Fissurinha prenha queimava pedra. na beira do Sarrafo onde uns troncos davam para deitar cadela, luarando, no cômodo, enrabei Fissurinha. (...) berrou implorando retiro. neguei, só depois do descarrego. Fissurinha se escondia numa quebra bisonha. para se chegar malaco tinha que marcar léguas & manjar buracos. no dia do estrago fui munido. cheguei pelo noturno, botei um beque. a renca estava fora. ela torrou uma pedra, fiquei fazendo reparo nos seus afazeres. pesar de pó-pedra-pica, Fissurinha dava rock, fêmea-primor. porém, buça translúcida eu não perdoava. na hora que a quebra dormitou Fissurinha estava'aberta na sala chapada de pedra, semi-nua. (...) lábia sobre lábia, cortes-em-closes. meti a mão, ela-vibrou! risinho fuleiro de piva pronta."


"d'algumas desculpas: catei um corpo-catarse na baixada. tesudo, todo torneado. sarrando, constatei a tora: tirânica! nas desoras adentramos a casa. sutilíssima pus sonífero na taça. não foi muito, ele apagou. Cabrunco em cena: catou o corpo, levou pro porão, pelou, pôs no leito-elator, com ducha dum dos membros do leito, higienizou e bloqueou a boca. pelada, descalça, enluvada (...) me acheguei. brinquei com as bolas, fui desadormecendo a tirânica, bulinando... quando de todo enervado'assustado, Cabrunco fez funcionar os membros-mecânicos-milimétricos do leito. o mucamo-amante acionou o esfola-esfíncteres, que'era elíptico, de um dos braços. devidamente untado foi enfiado lerdamente no cu do corpo-catarse. ao entrar milimétrico, o caralho mais inchou, fez-se farto. Cabrunco já sabido, enterrou só meio esfola-esfíncteres. babei bem a tora. ensebei. quase-a-gozo, peguei o bisturi (...)"


"Zé-Buceta não é a bosta naufragada, é antes a rixa'raivosa que não larga. o careta sugado, o andrajo'azedo, o homo-buffa empestando com sua murrinha, seu fudum, circulando no centro da cidade, encenando sua carniça. esquizo'cueca em rodopio danoso pelo centro da cidade. profeta, general, ator, otoridade, professor de filosofia. desconsiderado desdita, meganha não perdoava, trucidava o tio. em rosa não lhe fornicaram porque feito um plástico'posmo redecorava a cela com suas cagadas. aí eram os celados que trucidavam o tio."



Presentes no romance "Encarniçado" (Editora Baleia, 2004), de João Filho, páginas 146, 15-16, 23, 41, 53-54 e 132-133, respectivamente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dez passagens de Clarice Lispector nas cartas dos anos 1950 (parte 1)

Clarice Lispector (foto daqui ) “O outono aqui está muito bonito e o frio já está chegando. Parei uns tempos de trabalhar no livro [‘A maçã no escuro’] mas um dia desses recomeçarei. Tenho a impressão penosa de que me repito em cada livro com a obstinação de quem bate na mesma porta que não quer se abrir. Aliás minha impressão é mais geral ainda: tenho a impressão de que falo muito e que digo sempre as mesmas coisas, com o que eu devo chatear muito os ouvintes que por gentileza e carinho aguentam...” “Alô Fernando [Sabino], estou escrevendo pra você mas também não tenho nada o que dizer. Acho que é assim que pouco a pouco os velhos honestos terminam por não dizer nada. Mas o engraçado é que não tendo absolutamente nada o que dizer, dá uma vontade enorme de dizer. O quê? (...) E assim é que, por não ter absolutamente nada o que dizer, até livro já escrevi, e você também. Até que a dignidade do silêncio venha, o que é frase muito bonitinha e me emociona civicamente.”  “(...) O dinheiro s

Oito passagens de Conceição Evaristo no livro de contos Olhos d'água

Conceição Evaristo (Foto: Mariana Evaristo) "Tentando se equilibrar sobre a dor e o susto, Salinda contemplou-se no espelho. Sabia que ali encontraria a sua igual, bastava o gesto contemplativo de si mesma. E no lugar da sua face, viu a da outra. Do outro lado, como se verdade fosse, o nítido rosto da amiga surgiu para afirmar a força de um amor entre duas iguais. Mulheres, ambas se pareciam. Altas, negras e com dezenas de dreads a lhes enfeitar a cabeça. Ambas aves fêmeas, ousadas mergulhadoras na própria profundeza. E a cada vez que uma mergulhava na outra, o suave encontro de suas fendas-mulheres engravidava as duas de prazer. E o que parecia pouco, muito se tornava. O que finito era, se eternizava. E um leve e fugaz beijo na face, sombra rasurada de uma asa amarela de borboleta, se tornava uma certeza, uma presença incrustada nos poros da pele e da memória." "Tantos foram os amores na vida de Luamanda, que sempre um chamava mais um. Aconteceu também a paixão

Dez poemas de Carlos Drummond de Andrade no livro A rosa do povo

Consolo na praia Carlos Drummond de Andrade Vamos, não chores... A infância está perdida. A mocidade está perdida. Mas a vida não se perdeu. O primeiro amor passou. O segundo amor passou. O terceiro amor passou. Mas o coração continua. Perdeste o melhor amigo. Não tentaste qualquer viagem. Não possuis casa, navio, terra. Mas tens um cão. Algumas palavras duras, em voz mansa, te golpearam. Nunca, nunca cicatrizam. Mas, e o humour ? A injustiça não se resolve. À sombra do mundo errado murmuraste um protesto tímido. Mas virão outros. Tudo somado, devias precipitar-te — de vez — nas águas. Estás nu na areia, no vento... Dorme, meu filho. -------- Desfile Carlos Drummond de Andrade O rosto no travesseiro, escuto o tempo fluindo no mais completo silêncio. Como remédio entornado em camisa de doente; como dedo na penugem de braço de namorada; como vento no cabelo, fluindo: fiquei mais moço. Já não tenho cicatriz. Vejo-me noutra cidade. Sem mar nem derivativo, o corpo era bem pequeno para tanta