Pular para o conteúdo principal

Oito trechos da revista Laroyê #01



“(...) hoje, apesar dos desmantelos e de saber que não há motivos para festa, ora esta, não sei rir à toa, a verdade, esta traquina menina nostálgica que não salva nem liberta, é uma só: sobrevivemos. Ou, para usar outro axioma do antigo Raso da Catarina: bebemos e não morremos.” [Franciel Cruz]


        “‘Veja se sou errada: tô bem garotinha, sentada na paz de Jeová no ônibus, quando encosta um senhor do meu lado e começa a falar: ‘Ah, agora todo mundo quer o auxílio emergencial, nunca trabalhou e vão tudo pra frente da Caixa. Hoje, fui pegar meu FGTS e tive que enfrentar uma fila enorme por causa desse povo.’
        ‘Qual foi mesmo desse homem, Ana?’
        (...)
        ‘Não! Levantei a cabeça, cravei meu olhar nele, e completei: olhe, tô há dois meses sem sair pra passar minha rifa no bairro. Tenho três filhos, dois poodles, meu marido foi embora, me deixou sozinha... e o senhor, boazudo, vem pra cá me dizer o que não sabe. Seja sensível, nem precisa ser demais, mas seja... porque o senhor, bonito, não tem ideia do que eu tô sofrendo.’
        ‘Ana, você mentiu! Nem passarinho você tem.’
        ‘Nesse momento, ficou um climão... todo mundo do buzu olhando, quase me levantei pra passar o chapéu porque ninguém do 1386 esperava aquele show às cinco e meia da tarde no meio da cidade, cheia de buzina e vendedor de água e de pendrive. Ah, Tiaguete, e não venha com essa de falar a verdade. Eu tinha que colocar aquele homem escroto no lugar dele.’” [Tiago Correia]


“(...) mesmo sem PowerPoint, podemos afirmar que as duas indústrias mais prósperas de quase toda e cidade são a da fé e a farmacêutica. Das janelas, sejam as laterais do quarto de dormir ou as do buzu, para onde a gente direcione nossa obnubilada visão sempre aparece uma igreja ou um outro estabelecimento comercial que também negocia fórmulas milagrosas. E neste caso, menina Susan, a doença não é apenas metáfora. É uma triste paisagem sem cura. E, quando as gentes que habitam estes outros espaços acordar, a felicidade não vai desabar sobre os ombros” [Franciel Cruz]


“(...) Seu quarto era atulhado de livros. E ele fazia tudo pra mim: passava meus vestidos, esquentava minha comida, colocava meu café, sempre cantando e dançando. Os meus melancólicos vinte anos não gostavam muito dessa sua alegria extrema. Além disso, me contrariavam seus muitos amigos, seu gosto por sol e carnaval. Porém, as coisas entre nós iam bem, líamos muitos livros juntos. Eu lia contos para ele antes de dormir. Poesia não, ele nunca entendeu poesia.” [Ângela Vilma]


“(...) Salvador tem um jeito peculiar de resistir e carregar consigo os seus fantasmas. De que outra maneira se justificaria que até hoje matérias de jornal, transeuntes dando informação pelas ruas e até mesmo corretoras de imóveis se refiram a um endereço específico entre a Avenida Vasco da Gama e a Avenida Garibaldi como o terreno da ‘antiga fábrica da Coca-Cola’, quando a essa altura ninguém se lembra mais nem mesmo quando ela deixou de existir? Turistas desavisados certamente solicitam pelos aplicativos de transporte uma corrida até a Praça Caramuru, sem desconfiar de que, para os locais e mesmo para o Google Maps, se trata para sempre do ‘antigo Mercado do Peixe’, e que o aeroporto local jamais deixará de ser o ‘Dois de Julho’. É possível que o mesmo aconteça com a livraria próxima ao Porto, e o futuro precise carregar consigo a lembrança do que foi. Porque talvez, para essa cidade ancestral, que viu o fim do mundo tantas vezes e continuou existindo, a parte mais importante e natural do inventário da memória seja justamente o trecho final: ‘Lembre-se’.” [Moema Franca]


“As casinhas deram lugar a lojas, quitandas, copiadoras, bares, pizzarias, petshops, supermercados, cursos de inglês, igrejas evangélicas, trinta farmácias, carros de som e paredões. Onde foram parar as calçadas? Claro que a bala ricocheteou nas paredes e acertou as pessoas. Elas não falam mais, gritam. Gritam e xingam e gargalham e trocam socos e aumentam o volume e continuam gritando. Como se estivessem num ringue de lama pra ver quem grita mais. Tudo virou um corredor abafado. As cigarras se mudaram pro interior de Goiás e o cheiro do pão deu lugar a um concreto fedor de x-tudo com gás carbônico, cachorro molhado e Nova Schin.” [Paulo Bono]


“As boas oportunidades estão escapando de nós. O som que se amplifica em carros arreganhados no meio da rua ou em varandas vizinhas parece a chave para se descobrir, por exemplo, a evolução da surdez humana (reparou que a gente mal se escuta?). Outro dia mesmo, por cima da confusão de sons, uma vizinha que tem o hábito de conversar com a outra pela janela indagou repetidas vezes: QUÊ?! QUÊ?! Até que houve um breve rebaixamento das melodias em disputa lá embaixo e pude ouvir: MINHA FILHA, DE GRAÇA, ATÉ INJEÇÃO NA TESTA!” [Evanilton Gonçalves]


“Olha, a beleza é fundamental, mas a água também é, e a água afoga. Lembra da ‘Garota de Ipanema’, como Vinícius ficou arrasado? Começou falando da coisa linda, cheia de graça, depois percebeu que estava ‘tão sozinho’, que ‘tudo é tão triste’, que a beleza que existe ‘não é só minha’ e ‘também passa sozinha’. Isso ele estava em Ipanema, na praia… e ficou triste. O mundo mais lindo por causa do amor, e ele triste.” [Franklin Carvalho]


Presentes na revista Laroyê #01, páginas 40, 54-55,
40, 30, 48, 51, 34 e 43-44, respectivamente.

Baixe a revista aqui

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Flávio José

Flávio José (foto: divulgação ) O artista de forró que mais gosto é o cantor, sanfoneiro e compositor Flávio José . Para mim, ele é a Voz do Nordeste . Um timbre único, raro, fantástico. Ouvir o canto desse Assum Preto-Rei é sentir o cheiro da caatinga, arrastar os pés no chão de barro ao pé da serra, embalar o coração juntinho com a parceira que amo, deslizar os passos como se no paraíso estivesse, saborear a mistura de amendoim com bolo de milho, purificar o sorriso como Dominguinhos ensinou, banhar-se com as rezas das senhoras sábias, prestar atenção aos causos, lendas e histórias do povo que construiu e orgulha o Brasil . Celebrar a pátria nordestina é escutar o mestre Flávio José ! Natural da sertaneja Monteiro , na Paraíba , em 2021 vai completar 70 anos (no primeiro dia de setembro), com mais de 30 discos lançados e vários sucessos emplacados na memória afetiva do povo brasileiro (fez a alegria e o estouro da carreira de muitos compositores, que tiveram a sorte de serem grav