Pular para o conteúdo principal

Seleta: Alpha Blondy


O artista musical da África que mais gosto é o cantor e compositor Alpha Blondy. Nascido Seydou Koné no primeiro dia de 1953 em Dimbokro, no centro da atlântica Costa do Marfim, filho de mãe muçulmana e pai cristão, é um ícone, uma lenda-viva; atualmente, é a estrela do reggae mais importante no mundo, com milhares de fãs na Bahia e no Brasil.

Habitué de eventos na minha cidade natal (tanto que compôs “Bahia” para homenagear os fãs em 2007), Alpha Blondy tem um repertório “mais pra frente”, com uma pegada rocker, e canta em várias línguas. Em atividade desde os anos 1980, com mais de 20 discos lançados (entre estúdio, ao vivo e compilações), tem um timbre vocal único, incrível e sublime para a transcendência do reggae, e um discurso que alia mensagens de paz a questionamentos sócio-políticos (cunhou o termo “démocrature”, se referindo às ditaduras travestidas de democracias).

Sou fã de Alpha Blondy. Para homenageá-lo, batizei uma personagem do meu romance “oroboro baobá” com o nome da sua canção “Miwa”, que amo, lançada no álbum “Jerusalem” (segundo o artista, “Miwa veut dire mon enfant en langue Baoulé”). Tenho o marfinense na minha tríade sagrada do reggae, ao lado de Bob Marley & The Wailers e Burning Spear. Além disso, Alpha Blondy também é especial para mim, porque é o cantor de reggae preferido do meu saudoso pai (morto em 2011) e da minha mãe, e sempre quando tocava as suas músicas, os dois velhinhos paravam tudo para dançar em alta, celebrando a positividade da vibração. Nessa pandemia, por várias vezes, a minha octogenária mãe me pediu para tocar Alpha Blondy, e dançou muito ao som de “Afriki”, “Papa Bakoye” e “Idjidja”, entre outros clássicos.

Na Seleta de hoje, as 130 músicas que mais gosto, gravadas por Alpha Blondy, presentes nos seus 18 álbuns de estúdio lançados até agora, com destaque para “Apartheid is Nazism” (1985), “Masada” (1992), “Merci” (2002), “Grand Bassam Zion Rock” (1996), “Jerusalem” (1986), “Jah Glory!” (1982) e “Jah Victory” (2007). Gigante Seydou Koné, você é especial demais para a minha família, muito obrigado, continuamos a ouvi-lo com muita alegria, paz e dança!


Ouça no YouTube aqui

Ouça no Spotify aqui

01) Afriki [Apartheid is Nazism, 1985]

02) Seba Allah Y'e [Apartheid is Nazism, 1985]

03) Idjidja [Apartheid is Nazism, 1985]

04) Bory Samory [Cocody Rock!!!, 1984]

05) Brigadier Sabari [Jah Glory!, 1982]

06) Peace in Liberia [Masada, 1992]

07) Miwa [Jerusalem, 1986]

08) Papa Bakoye [Masada, 1992]

09) Sahel [Apartheid is Nazism, 1985]

10) Rasta Poué [Jah Glory!, 1982]

Os 18 álbuns presentes nesta Seleta

11) Mo [Grand Bassam Zion Rock, 1996]

12) Houphouët Yako [Masada, 1992]

13) Ne Tirez Pas Sur L'Ambulance [Jah Victory, 2007]

14) Les Chiens [Masada, 1992]

15) Souroukou Logo [Merci, 2002]

16) Alpha Kaya [Grand Bassam Zion Rock, 1996]

17) Si On M'avait Dit [Merci, 2002]

18) Ranita [Jah Victory, 2007]

19) God Bless Africa [Merci, 2002]

20) N'kabourou [Grand Bassam Zion Rock, 1996]


21) Multipartisme (Médiocratie) [Masada, 1992]

22) Masada [Masada, 1992]

23) Course au Pouvoir [Grand Bassam Zion Rock, 1996]

24) Boulevard de la Mort [Jerusalem, 1986]

25) Cocody Rock [Cocody Rock!!!, 1984]

26) Blesser [Révolution, 1987]

27) Jah Glory [Jah Glory!, 1982]

28) Bahia [Jah Victory, 2007]

29) Rainbow in the Sky [Positive Energy, 2015]

30) Jerusalem [Jerusalem, 1986]


31) Apartheid is Nazism [Apartheid is Nazism, 1985]

32) Crime Spirituel [Mystic Power, 2013]

33) Ça me Fait si Mal [Masada, 1992]

34) Travailler, C'Est Trop Dur [Jerusalem, 1986]

35) Sciences Sans Conscience [Masada, 1992]

36) Bloodshed in Africa [Jerusalem, 1986]

37) Heal Me [Dieu, 1994]

38) Dji [Jerusalem, 1986]

39) Fangandan Kameleba [Cocody Rock!!!, 1984]

40) Dou Nougnan [Jah Glory!, 1982]


41) Vuvuzela [Vision, 2011]

42) Sabotage [Elohim, 2000]

43) Politruc [Merci, 2002]

44) France à Fric [Mystic Power, 2013]

45) Quitte Dans Ça [Merci, 2002]

46) Vanité [Merci, 2002]

47) Gban Gban [Jah Victory, 2007]

48) Cheik Amadou Bamba [Grand Bassam Zion Rock, 1996]

49) The End [Jah Glory!, 1982]

50) Silence Houphouët d'or [Grand Bassam Zion Rock, 1996]


51) Kiti [Apartheid is Nazism, 1985]

52) Ragga Gangstar [Grand Bassam Zion Rock, 1996]

53) Séchez vos Larmes [Positive Energy, 2015]

54) Oté-fê [Human Race, 2018]

55) Mon Père Avait Raison [Dieu, 1994]

56) Guerre Civile [Yitzhak Rabin, 1998]


58) Armée Française [Yitzhak Rabin, 1998]

59) Dieu [Dieu, 1994]

60) Tu Mens [Vision, 2011]


61) Jah Light [Jah Victory, 2007]

62) Massaya [Vision, 2011]

63) Ato Afri Loué [Merci, 2002]

64) Ouarzazate [Mystic Power, 2013]


66) Jah Houphouët [Apartheid is Nazism, 1985]

67) Le Métèque [Mystic Power, 2013]

68) Reconciliation [Mystic Power, 2013]

69) When I Need You [Elohim, 2000]

70) Stewball [Vision, 2011]


71) Une Petite Larme m'a Trahi [Positive Energy, 2015]

72) I Wish You Were Here [Jah Victory, 2007]


74) Rasta Fou [Jah Glory!, 1982]

75) Cocody Rock (Dub Version) [Cocody Rock!!!, 1984]

76) Le Cha-Cha-Cha Du CFA [Vision, 2011]

77) Madiba m'a Dit [Positive Energy, 2015]

78) Lumière [Positive Energy, 2015]

79) Life [Human Race, 2018]

80) Mystère Naturel [Grand Bassam Zion Rock, 1996]


81) Sales Racistes [Jah Victory, 2007]

82) La Guerre [Dieu, 1994]

83) Les Païens [Human Race, 2018]

84) Whole Lotta Love [Human Race, 2018]

85) Freedom [Positive Energy, 2015]

86) Come Back Jesus [Apartheid is Nazism, 1985]

87) I Love Paris [Jerusalem, 1986]

88) Téré [Cocody Rock!!!, 1984]

89) Yitzhak Rabin [Yitzhak Rabin, 1998]

90) Wari [Merci, 2002]



92) Cigarettes [Human Race, 2018]

93) Hey Jack [Merci, 2002]

94) Grand Bassam [Grand Bassam Zion Rock, 1996]

95) Political Brouhaha [Human Race, 2018]

96) Afrique-Antilles [Dieu, 1994]

97) Saraka [Yitzhak Rabin, 1998]

98) Soukeina (Nangnele) [Dieu, 1994]

99) Petini Go Gaou [Elohim, 2000]

100) Ikafô [Jah Victory, 2007]


101) Les Voleurs de la République [Elohim, 2000]

102) Bôgô [Vision, 2011]

103) Soutra [Mystic Power, 2013]

104) Querelles Inter-minables [Positive Energy, 2015]

105) Djeneba [Elohim, 2000]

106) Maclacla Macloclo [Positive Energy, 2015]

107) God is One [Masada, 1992]

108) Politiqui [Jerusalem, 1986]

109) Kalachnikov Love [Jerusalem, 1986]

110) Hypocrites [Yitzhak Rabin, 1998]


111) Gorée (Sénégal) [Dieu, 1994]

112) Ma Tête [Vision, 2011]

113) Amour Papier Longueur [Dieu, 1994]

114) Unité Nationale [Grand Bassam Zion Rock, 1996]

115) Trop Bon [Vision, 2011]

116) Haridjinan [Elohim, 2000]

117) Alphaman Redemption [Human Race, 2018]

118) Ya Fohi [Grand Bassam Zion Rock, 1996]

119) Rendez-Vous [Masada, 1992]

120) Sweet Fanta Diallo [Révolution, 1987]


121) Fulgence Kassy [Masada, 1992]

122) Zoukéfiez-moi [Merci, 2002]

123) Interplanetary Revolution [Cocody Rock!!!, 1984]


125) Lune de Miel (Honeymoon) [Elohim, 2000]

126) Veto de Dieu [S.O.S. Guerre Tribale, 1993]

127) Black Men Tears [The Prophets, 1989]

128) Jah Music [The Prophets, 1989]

129) Les Imbéciles [Yitzhak Rabin, 1998]

130) Les Salauds [Jah Victory, 2007]

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Flávio José

Flávio José (foto: divulgação ) O artista de forró que mais gosto é o cantor, sanfoneiro e compositor Flávio José . Para mim, ele é a Voz do Nordeste . Um timbre único, raro, fantástico. Ouvir o canto desse Assum Preto-Rei é sentir o cheiro da caatinga, arrastar os pés no chão de barro ao pé da serra, embalar o coração juntinho com a parceira que amo, deslizar os passos como se no paraíso estivesse, saborear a mistura de amendoim com bolo de milho, purificar o sorriso como Dominguinhos ensinou, banhar-se com as rezas das senhoras sábias, prestar atenção aos causos, lendas e histórias do povo que construiu e orgulha o Brasil . Celebrar a pátria nordestina é escutar o mestre Flávio José ! Natural da sertaneja Monteiro , na Paraíba , em 2021 vai completar 70 anos (no primeiro dia de setembro), com mais de 30 discos lançados e vários sucessos emplacados na memória afetiva do povo brasileiro (fez a alegria e o estouro da carreira de muitos compositores, que tiveram a sorte de serem grav