Pular para o conteúdo principal

Lançamento do livro Nostalgia da lama, de Emmanuel Mirdad


Curador da Flica lança o livro de poemas Nostalgia da Lama

O escritor, compositor e produtor cultural Emmanuel Mirdad lança seu novo livro, "Nostalgia da lama", no sábado 31 de maio a partir das 16h na RV Cultura e Arte (Rio Vermelho, no começo da rua da praia do Buracão).

O livro de poemas é o primeiro lançamento do autor pela editora capixaba Cousa. "Em 2013, quando prospectava um projeto de festa literária no Espírito Santo, intermediado pelo poeta baiano Wladimir Cazé, conheci o editor da Cousa, Saulo Ribeiro. A postura artística da editora, que publica também o cronista baiano Paulo Bono, me aproximou e estou muito contente em fazer parte de seu catálogo", explica Mirdad.

Curador da Flica, a festa literária internacional que acontece em Cachoeira, recôncavo baiano, o escritor estava sem lançar livro desde 2010, quando estreou no mercado com o livro de contos "Abrupta sede" pela baiana Via Litterarum. "Dediquei muitos anos à árdua tarefa de produzir eventos, relegando minha carreira autoral, tanto literária quanto musical, enquanto o meu companheiro de curadoria da Flica (o também escritor Aurélio Schommer) tem oito ou nove livros lançados, e tá sempre produzindo. Resolvi então correr atrás pra não dar vexame. A prateleira da Flica com vários livros do Aurélio e eu apenas com um? Assim perco credibilidade, né?", brinca Mirdad. Aurélio, inclusive, fez a revisão do livro e o Selo A a editoração.

A expressão nostalgia da lama vem do francês nostalgie de la boue. O poeta e dramaturgo francês Émile Augier (1820-1899) apresentou-a na peça "Le Mariage d'Olympe" (1855) que, segundo o professor e crítico John Gledson, "mostra a maldade da heroína, Olympe Taverny, ex-cortesã que se casa com o Marquês de Puygiron, mas, por tédio (ou por 'nostalgia da lama'), acaba voltando a seus antigos hábitos". O mestre Machado de Assis (1839-1908) traduziu cenas da peça e utilizou a expressão no conto "Singular ocorrência" (1883) como "uma frase de teatro que pode explicar a aventura", no caso, da também ex-cortesã Marocas.

Pois a Nostalgia da lama de Emmanuel Mirdad contém 100 poemas e traz acidez, frustração, angústia, paixão e espetos de um feroz nômade contemporâneo, ilustrado pela bela pintura "Série Nus" de Nelson Magalhães Filho, com prefácio do professor e crítico André Setaro e posfácio do poeta e filósofo Ildegardo Rosa, seu pai, falecido em 2011. Estreando em livro de poemas, embora os escreva desde 1996, o poeta laranja apresenta suas farpas psicodélicas em uma jornada sobre o cotidiano e o tênue disfarce ilusório que nos habituamos a amar e a chamar de realidade. "São uns poemas crônicos, meus enquadros de fatos, ferinos ou micropatéticos, transitando na superfície ácida dos encontros e desencontros das relações humanas", sintetiza Mirdad.

Evento no Facebook aqui

Serviço
Evento: Lançamento do livro “Nostalgia da lama” (Cousa, 2014), de Emmanuel Mirdad
Dia: Sábado, 31 de maio de 2014
Horário: A partir das 16h
Local: RV Cultura e Arte – Rua Barro Vermelho, 32, Rio Vermelho, Salvador-BA
Info: (71) 3347-4929
Valor do livro de capa dura: R$ 35,00
Foto: Léo Monteiro

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dez passagens de Clarice Lispector nas cartas dos anos 1950 (parte 1)

Clarice Lispector (foto daqui ) “O outono aqui está muito bonito e o frio já está chegando. Parei uns tempos de trabalhar no livro [‘A maçã no escuro’] mas um dia desses recomeçarei. Tenho a impressão penosa de que me repito em cada livro com a obstinação de quem bate na mesma porta que não quer se abrir. Aliás minha impressão é mais geral ainda: tenho a impressão de que falo muito e que digo sempre as mesmas coisas, com o que eu devo chatear muito os ouvintes que por gentileza e carinho aguentam...” “Alô Fernando [Sabino], estou escrevendo pra você mas também não tenho nada o que dizer. Acho que é assim que pouco a pouco os velhos honestos terminam por não dizer nada. Mas o engraçado é que não tendo absolutamente nada o que dizer, dá uma vontade enorme de dizer. O quê? (...) E assim é que, por não ter absolutamente nada o que dizer, até livro já escrevi, e você também. Até que a dignidade do silêncio venha, o que é frase muito bonitinha e me emociona civicamente.”  “(...) O dinheiro s

Oito passagens de Conceição Evaristo no livro de contos Olhos d'água

Conceição Evaristo (Foto: Mariana Evaristo) "Tentando se equilibrar sobre a dor e o susto, Salinda contemplou-se no espelho. Sabia que ali encontraria a sua igual, bastava o gesto contemplativo de si mesma. E no lugar da sua face, viu a da outra. Do outro lado, como se verdade fosse, o nítido rosto da amiga surgiu para afirmar a força de um amor entre duas iguais. Mulheres, ambas se pareciam. Altas, negras e com dezenas de dreads a lhes enfeitar a cabeça. Ambas aves fêmeas, ousadas mergulhadoras na própria profundeza. E a cada vez que uma mergulhava na outra, o suave encontro de suas fendas-mulheres engravidava as duas de prazer. E o que parecia pouco, muito se tornava. O que finito era, se eternizava. E um leve e fugaz beijo na face, sombra rasurada de uma asa amarela de borboleta, se tornava uma certeza, uma presença incrustada nos poros da pele e da memória." "Tantos foram os amores na vida de Luamanda, que sempre um chamava mais um. Aconteceu também a paixão

Dez poemas de Carlos Drummond de Andrade no livro A rosa do povo

Consolo na praia Carlos Drummond de Andrade Vamos, não chores... A infância está perdida. A mocidade está perdida. Mas a vida não se perdeu. O primeiro amor passou. O segundo amor passou. O terceiro amor passou. Mas o coração continua. Perdeste o melhor amigo. Não tentaste qualquer viagem. Não possuis casa, navio, terra. Mas tens um cão. Algumas palavras duras, em voz mansa, te golpearam. Nunca, nunca cicatrizam. Mas, e o humour ? A injustiça não se resolve. À sombra do mundo errado murmuraste um protesto tímido. Mas virão outros. Tudo somado, devias precipitar-te — de vez — nas águas. Estás nu na areia, no vento... Dorme, meu filho. -------- Desfile Carlos Drummond de Andrade O rosto no travesseiro, escuto o tempo fluindo no mais completo silêncio. Como remédio entornado em camisa de doente; como dedo na penugem de braço de namorada; como vento no cabelo, fluindo: fiquei mais moço. Já não tenho cicatriz. Vejo-me noutra cidade. Sem mar nem derivativo, o corpo era bem pequeno para tanta