Pular para o conteúdo principal

A história decalcada, de Henrique Wagner

Henrique Wagner
Foto: Fabíola | Arte: Mirdad


"É quando mais sofremos
e hesitamos diante de tanta dor
no mundo, por entre os homens,
e por todos os lados e dobradiças da porta,
é quando, enfim, desesperadamente choramos,
que sentimos a presença de Deus.

Como a de um demônio"


"Um muro é sempre o início de uma brecha"


"Parece que lá fora não sou mais
que um mísero passante que não faz
senão buscar as horas em seu pulso.

Parece que o que eu faço é andar atrás
do aluno tão correto que jamais
da escola conseguira ser expulso"


"A dor acende em meus ossos
uma luz de ferrugem e sol nascente
que faz com que eu exista
mais do que desejaria
(...)
Mudar de posição é um recurso
dos mais usados por mim
para mudar o ângulo da dor
ou me sentir menos sozinho"


"Olho muitas vezes pela janela
e sempre vejo mais do meu apartamento
(...)
Não tenho flores ou bichos
e vivo como se amanhã fosse
começar muito depois"


"Será lento e árduo
todo e qualquer movimento
em direção à morte
(...)
E enquanto não se morre
é que se vive a morte"


"Há quem procure
tatuagens em meu corpo.
E quando olham nos meus olhos,
é para ver se estão vermelhos
(...)
Há quem pergunte
se ouço vozes,
na esperança de ouvirem
minha voz dizendo que sim
(...)
Há quem procure outros
internos ao meu redor.
Mas eu já disse, inúmeras vezes,
que eu moro sozinho"


"O menino espera - nada o faz sentir
fome, porque seu buraco
é uma solidão sob o sol
de um belo dia. A cidade é muito grande
e ele espera crescer – mas não sabe"


"Fixo e caminhável,
às vezes recolhido,
às vezes bordejando ao vento;
que eu seja, enfim,
o fruto desdobrável,
a mancha que é rasgada
pelo tempo"


"Os soldados marcham como se não fossem: como se estivessem. Eles sempre estão. Marchar é uma casa. E a qualquer momento o general pode sentar para um cafezinho"



Trechos presentes no livro de poemas "A história decalcada" (Mondrongo, 2014), de Henrique Wagner.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dez passagens de Clarice Lispector nas cartas dos anos 1950 (parte 1)

Clarice Lispector (foto daqui ) “O outono aqui está muito bonito e o frio já está chegando. Parei uns tempos de trabalhar no livro [‘A maçã no escuro’] mas um dia desses recomeçarei. Tenho a impressão penosa de que me repito em cada livro com a obstinação de quem bate na mesma porta que não quer se abrir. Aliás minha impressão é mais geral ainda: tenho a impressão de que falo muito e que digo sempre as mesmas coisas, com o que eu devo chatear muito os ouvintes que por gentileza e carinho aguentam...” “Alô Fernando [Sabino], estou escrevendo pra você mas também não tenho nada o que dizer. Acho que é assim que pouco a pouco os velhos honestos terminam por não dizer nada. Mas o engraçado é que não tendo absolutamente nada o que dizer, dá uma vontade enorme de dizer. O quê? (...) E assim é que, por não ter absolutamente nada o que dizer, até livro já escrevi, e você também. Até que a dignidade do silêncio venha, o que é frase muito bonitinha e me emociona civicamente.”  “(...) O dinheiro s

Oito passagens de Conceição Evaristo no livro de contos Olhos d'água

Conceição Evaristo (Foto: Mariana Evaristo) "Tentando se equilibrar sobre a dor e o susto, Salinda contemplou-se no espelho. Sabia que ali encontraria a sua igual, bastava o gesto contemplativo de si mesma. E no lugar da sua face, viu a da outra. Do outro lado, como se verdade fosse, o nítido rosto da amiga surgiu para afirmar a força de um amor entre duas iguais. Mulheres, ambas se pareciam. Altas, negras e com dezenas de dreads a lhes enfeitar a cabeça. Ambas aves fêmeas, ousadas mergulhadoras na própria profundeza. E a cada vez que uma mergulhava na outra, o suave encontro de suas fendas-mulheres engravidava as duas de prazer. E o que parecia pouco, muito se tornava. O que finito era, se eternizava. E um leve e fugaz beijo na face, sombra rasurada de uma asa amarela de borboleta, se tornava uma certeza, uma presença incrustada nos poros da pele e da memória." "Tantos foram os amores na vida de Luamanda, que sempre um chamava mais um. Aconteceu também a paixão

Dez passagens de Jorge Amado no romance Mar morto

Jorge Amado “(...) Os homens da beira do cais só têm uma estrada na sua vida: a estrada do mar. Por ela entram, que seu destino é esse. O mar é dono de todos eles. Do mar vem toda a alegria e toda a tristeza porque o mar é mistério que nem os marinheiros mais velhos entendem, que nem entendem aqueles antigos mestres de saveiro que não viajam mais, e, apenas, remendam velas e contam histórias. Quem já decifrou o mistério do mar? Do mar vem a música, vem o amor e vem a morte. E não é sobre o mar que a lua é mais bela? O mar é instável. Como ele é a vida dos homens dos saveiros. Qual deles já teve um fim de vida igual ao dos homens da terra que acarinham netos e reúnem as famílias nos almoços e jantares? Nenhum deles anda com esse passo firme dos homens da terra. Cada qual tem alguma coisa no fundo do mar: um filho, um irmão, um braço, um saveiro que virou, uma vela que o vento da tempestade despedaçou. Mas também qual deles não sabe cantar essas canções de amor nas noites do cais? Qual d