Pular para o conteúdo principal

O reacionário — Memórias e confissões, de Nelson Rodrigues — Parte 01

Nelson Gonçalves
Foto: Divulgação | Arte: Mirdad


"Um ouvinte não tem preço. No fundo, a nossa mais apaixonada utopia é encontrar alguém que nos ouça. Dirá o leitor que temos parentes, amigos, conhecidos, que podem recolher os nossos segredos. Ilusão. Não sei se repararam, mas o diálogo entre brasileiros é sempre fatalmente um monólogo. O sujeito só está interessado em falar. Não escuta uma palavra do que o outro diz. O interlocutor não existe. E se isso acontece com todo mundo, muito mais com os poderosos. Já sabemos que o poder é cego. Mas além de cego, é surdo, sobretudo surdo (...) sendo o que menos vê, o Presidente da República é o que menos ouve"


"Assim é o brasileiro: – um sujeito atormentado por culpas imaginárias"


"Perguntei a um psicanalista: – 'Isso quer dizer o quê?' O outro não responde imediatamente. Tirou um cigarro. Não tinha: fósforos. Acendi-lhe o cigarro. O psicanalista dá uma tragada, sopra a fumaça, mais uma tragada. Por fim, disse, profundíssimo: – 'Sei lá.'"


"Aquele que não acredita na ressurreição de Lázaro não deve tentar a medicina. E o cardiologista, sobretudo, que lida com a morte diretamente, que vê a morte cara a cara, o cardiologista, dizia eu, precisa admitir todas as possibilidades e esta: – o milagre"


"O Brasil está cheio de coisas que devem ser ditas"


"Tenho medo das pessoas que vivem de certezas. Sinto que o vizinho é dos tais que avançam, erguem a fronte, fingem um pigarro e declamam: – 'Dúvidas? Nunca as tenho!' A minha vontade é dizer-lhe: – 'Pois tenha!' Não sei como um espírito sem dúvidas não trata de providenciar e, em último caso, de inventar dúvidas urgentes e esplêndidas"


"A verdadeira grã-fina tem a aridez de três desertos"


"Como amar é dar razão a quem não a tem, o Lemos Bexiga dava sempre razão à mulher"


"Não se conhecia um defeito ou virtude em Osvaldinho que o distinguisse dos demais. Nunca vi ninguém mais parecido com todo mundo (...) Era o que se poderia chamar de homem comum. E como homem comum, tinha essa mediocridade de virtudes e defeitos que faz, por exemplo, o bom marido. Não seria jamais nem santo, nem demônio. E nós sabemos que a mulher não quer nem um, nem outro. Segundo me disse há poucos dias, uma prima do Palhares: – 'A mulher quer um homem que não seja nada'"


"Gilberto Freyre. Chamá-lo de sociólogo não basta. É, antes de tudo, o maravilhoso artista. Ora, bem sabemos que o artista vê tudo, sabe tudo. E mais: o artista tem a dimensão profética. Leiam o autor de Sobrados & mocambos. Em todos os seus textos está inserido o futuro. Assim é o artista: assim como dá presença e atualidade ao passado, dá presença e atualidade ao futuro"


"Na dedicatória, escreve o poeta nacional: – 'A Marques Rebelo – sem palavras – Carlos Drummond de Andrade.' Ao que eu saiba, poesia é uma arte de palavras. E se um poeta não as tem, poderemos talvez chamá-lo de antipoeta. Na melhor das hipóteses: – antipoeta. Felizmente, o bom Carlos estava usando apenas um truque de sua prudência mineira. Não queria elogiar o romancista e o conseguiu"



Trechos presentes no livro de crônicas "O reacionário – Memórias e confissões" (Agir, 2008), de Nelson Rodrigues.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Flávio José

Flávio José (foto: divulgação ) O artista de forró que mais gosto é o cantor, sanfoneiro e compositor Flávio José . Para mim, ele é a Voz do Nordeste . Um timbre único, raro, fantástico. Ouvir o canto desse Assum Preto-Rei é sentir o cheiro da caatinga, arrastar os pés no chão de barro ao pé da serra, embalar o coração juntinho com a parceira que amo, deslizar os passos como se no paraíso estivesse, saborear a mistura de amendoim com bolo de milho, purificar o sorriso como Dominguinhos ensinou, banhar-se com as rezas das senhoras sábias, prestar atenção aos causos, lendas e histórias do povo que construiu e orgulha o Brasil . Celebrar a pátria nordestina é escutar o mestre Flávio José ! Natural da sertaneja Monteiro , na Paraíba , em 2021 vai completar 70 anos (no primeiro dia de setembro), com mais de 30 discos lançados e vários sucessos emplacados na memória afetiva do povo brasileiro (fez a alegria e o estouro da carreira de muitos compositores, que tiveram a sorte de serem grav