Pular para o conteúdo principal

O herói está de folga, de Dênisson Padilha Filho

Dênisson Padilha Filho
Foto: Renata Rocha | Arte: Mirdad


"Acredito que ela só existiu e sumiu da minha vida pra me ambientar à sucessão de golpes que é a nossa passagem pelo mundo"


"Entre ouvir vozes e chorar baixinho e sem testemunhas; entre contar pra esquecer e esquecer calando, foi seguindo na velha e incessante fuga que todo homem pratica somente pelo fato hediondo e imutável de existir, de viver nesse mundo e amargar, nesse mundo, a sensação inconsolável e irrefutável de um exílio sem fim. Continuou pelos caminhos, com sua velha dor nas costas, sem jamais saber se aquilo era da pisada do cavalo xotão ou se era do peso das mortes. Nunca soube"


"Noite seguinte, quis ter paz, mas não teve; bebeu sua pinga e chorou baixinho, feito um réptil, escondido do mundo (...) Dentro da cabeça só choros e o tinir das trelas e cangas dos bois, numa agonia ladeira abaixo, e a família pedindo valência a tudo que era santo. Era só o que escutava, entre um e outro gole de pinga, enquanto buscava não constar na terra, se escondendo. As espáduas doloridas, o lombo moído de tanto peso, suas dezesseis mortes. Choro de criança, gemedeiras, urros; e ele ali, bem quietinho num recanto do mundo, sozinho na noite do meio dos matos, um assassino imperdoável, um desgraçado que só estava ainda sobre a terra porque aprendera a matar e trazer lágrimas a meio mundo de famílias, como aquela que acabara de matar"


"Há quem diga que o homem mais temível e de reação mais improvável é aquele cujos olhos nunca se veem"


"A mesquinhez é incurável"


"– Padre, eu pequei.
– Imagino que sim. Se não, não viria.
– É... sabe? Mas não foi assim, tão simples.
– Também imagino que não, os pecados nunca são simples.
(...)
– Preciso de conforto, padre.
– Vá em paz.
– E eu rezo o quê?
– As orações são as mesmas; a humanidade já conhece. Reze as que preferir"


"O ônibus começa a andar, e você percebe que a mulher gestante é ela, Ava. Vestida de desgosto, trazendo no bucho o apocalipse. Sua pele está de uma cor cinzenta e pelas frestas entre os passageiros em pé, você vê um relance dos olhos apagados (...) Ava foi engolida pela cidade grande, e toda sua luz se foi (...) não é mais seu sonho, ela é a marca mais legítima de que a civilização se condenou"



Trechos presentes no livro de contos "O herói está de folga" (Kalango, 2014), de Dênisson Padilha Filho.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Flávio José

Flávio José (foto: divulgação ) O artista de forró que mais gosto é o cantor, sanfoneiro e compositor Flávio José . Para mim, ele é a Voz do Nordeste . Um timbre único, raro, fantástico. Ouvir o canto desse Assum Preto-Rei é sentir o cheiro da caatinga, arrastar os pés no chão de barro ao pé da serra, embalar o coração juntinho com a parceira que amo, deslizar os passos como se no paraíso estivesse, saborear a mistura de amendoim com bolo de milho, purificar o sorriso como Dominguinhos ensinou, banhar-se com as rezas das senhoras sábias, prestar atenção aos causos, lendas e histórias do povo que construiu e orgulha o Brasil . Celebrar a pátria nordestina é escutar o mestre Flávio José ! Natural da sertaneja Monteiro , na Paraíba , em 2021 vai completar 70 anos (no primeiro dia de setembro), com mais de 30 discos lançados e vários sucessos emplacados na memória afetiva do povo brasileiro (fez a alegria e o estouro da carreira de muitos compositores, que tiveram a sorte de serem grav