Pular para o conteúdo principal

A canção Dubious Question homenageia Pink Floyd

Orange Poem por Glauber Guimarães

A canção Dubious Question, de Emmanuel Mirdad, faixa três do EP Crowd, da banda baiana The Orange Poem, traz uma homenagem ao Pink Floyd, principal referência do seu compositor. Nas três primeiras estrofes e refrões, Mirdad elaborou uma letra em que pega palavras soltas em letras de músicas do Pink Floyd e constrói um sentido psicodélico. Confere abaixo: 

1ª estrofe

1º verso: “What would the diamond be without Syd

Homenagem à música Shine on you Crazy Diamond, do álbum Wish You Were Here (1975), referindo-se ao título e ao homenageado da música, Syd Barrett (1946-2006).

2º verso: “and the dogs without the stranger at home?”

Homenagem à música Dogs, do álbum Animals (1977), referindo-se ao título e ao trecho de sua letra: “Who was only a stranger at home?”.

3º verso: “What would the paranoid be without the crowd

Homenagem à música Paranoid Eyes, do álbum The Final Cut (1983), referindo-se aos trechos de sua letra: “Behind paranoid eyes” e “Laughing too loud at the rest of the world with the boys in the crowd”.

4º verso: “and the fear without the modern life?”

Homenagem à música The Thin Ice, do álbum The Wall (1979), referindo-se aos trechos de sua letra: “You slip out of your depth and out of your mind with your fear flowing out behind you” e “If you should go skating on the thin ice of modern life”.

1º refrão

1º verso: “Hey! Dubious entwined poppies

Homenagem à música Your Possible Pasts, do álbum The Final Cut (1983), referindo-se ao trecho de sua letra: “In derelict sidings the poppies entwine with cattle trucks lying in wait for the next time”.

2º verso: "Hey! Dubious permanent gaze

Homenagem à música The Fletcher Memorial Home, do álbum The Final Cut (1983), referindo-se ao trecho de sua letra: “Safe in the permanent gaze of a cold glass eye with their favorite toys”.

2ª estrofe

1º verso: “What would the haunted be without the leaden sky

Homenagem à música Sorrow, do álbum A Momentary Lapse of Reason (1987), referindo-se aos trechos de sua letra: “He's haunted by the memory of a lost paradise” e “Plumes of smoke rise and merge into the leaden sky”.

2º verso: “and the hunger without desire and ambition?”

Homenagem à música High Hopes, do álbum The Division Bell (1994), referindo-se ao trecho de sua letra: “Encumbered forever by desire and ambition, there's a hunger still unsatisfied”.

3º verso: “What would the stairway be without the icy waters underground

Homenagem à música Astronomy Domine, do álbum The Piper at the Gates of Dawn (1967), referindo-se aos trechos de sua letra: “Stairway scares Dan Dare who's there?” e “Floating down, the sound resounds around the icy waters underground”.

4º verso: “and the watcher without the darkness?”

Homenagem à música Set the Controls for the Heart of the Sun, do álbum A Saucerful of Secrets (1968), referindo-se ao trecho de sua letra: “Over the mountain watching the watcher breaking the darkness”.

2º refrão

1º e 2º versos: “Hey! Dubious misty morning” e “Hey! Dubious endless summer

Homenagem à música Grantchester Meadows, do álbum Ummagumma (1969), referindo-se aos trechos de sua letra: “In the sky a bird was heard to cry misty morning whisperings” e “And a river of green is sliding unseen beneath the trees, laughing as it passes through the endless summer, making for the sea”.

3ª estrofe

1º verso: “What would the lunatic be without the rabbit”

Homenagem à música Brain Damage, do álbum The Dark Side of the Moon (1973), referindo-se ao trecho de sua letra: “The lunatic is on the grass”.

2º verso: “and the price without the proud men's conscience?”

Homenagem à música Childhood's End, do álbum Obscured by Clouds (1972), referindo-se aos trechos de sua letra: “You shout in your sleep. Perhaps the price is just too steep, “Is your conscience at rest if once put to the test? e “All the proud men turned to dust”.

3º verso: “What would the labyrinths be without the echoes

Homenagem à música Echoes, do álbum Meddle (1971), referindo-se ao título e ao trecho de sua letra: “Overhead the albatross hangs motionless upon the air and deep beneath the rolling waves in labyrinths of coral caves”.

4º verso: “and the warm night without the distant bells?”

Homenagem à música Fat Old Sun, do álbum Atom Heart Mother (1970), referindo-se aos trechos de sua letra: “And if you hear as the warm night falls, the silver sound from a time so strange, sing to me” e “Distant bells, new mown grass smells so sweet”.

3º refrão

1º verso: “Hey! Dubious Dr. Strange

Homenagem à música Cymbaline, do álbum More (1969), referindo-se ao trecho de sua letra: “Suddenly it strikes you that they're moving into range and Dr. Strange is always changing size and it's high time, Cymbaline”.

2º verso: “Hey! Dubious breeze's eye

Homenagem à música The Nile Song, do álbum More (1969), referindo-se aos trechos de sua letra: Soaring high above the breezes e I will follow in her shadow as I watch her from my window one day I will catch her eye”.

A letra completa

Dubious Question
(Emmanuel Mirdad)

What would the diamond be without Syd,
and the dogs without the stranger at home?
What would the paranoid be without the crowd,
and the fear without the modern life?

Hey! Dubious entwined poppies
Hey! Dubious permanent gaze

What would the haunted be without the leaden sky,
and the hunger without desire and ambition?
What would the stairway be without the icy waters underground,
and the watcher without the darkness?

Hey! Dubious misty morning
Hey! Dubious endless summer

What would the lunatic be without the rabbit,
and the price without the proud men's conscience?
What would the labyrinths be without the echoes,
and the warm night without the distant bells?

Hey! Dubious Dr. Strange
Hey! Dubious breeze's eye

What would be completed without the lack,
and who would be saved without someone to love him?
Perhaps no one would come without any one leaving,
and at dubious illusions the fool emerges...

Hey! Dubious psychedelic question




Não consegue visualizar o player? Ouça aqui

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Flávio José

Flávio José (foto: divulgação ) O artista de forró que mais gosto é o cantor, sanfoneiro e compositor Flávio José . Para mim, ele é a Voz do Nordeste . Um timbre único, raro, fantástico. Ouvir o canto desse Assum Preto-Rei é sentir o cheiro da caatinga, arrastar os pés no chão de barro ao pé da serra, embalar o coração juntinho com a parceira que amo, deslizar os passos como se no paraíso estivesse, saborear a mistura de amendoim com bolo de milho, purificar o sorriso como Dominguinhos ensinou, banhar-se com as rezas das senhoras sábias, prestar atenção aos causos, lendas e histórias do povo que construiu e orgulha o Brasil . Celebrar a pátria nordestina é escutar o mestre Flávio José ! Natural da sertaneja Monteiro , na Paraíba , em 2021 vai completar 70 anos (no primeiro dia de setembro), com mais de 30 discos lançados e vários sucessos emplacados na memória afetiva do povo brasileiro (fez a alegria e o estouro da carreira de muitos compositores, que tiveram a sorte de serem grav