Pular para o conteúdo principal

Música para Escrever 2018

60 bandas/artistas selecionados em 2018. Descritivo no final do post

Iniciei a série Música para Escrever em 2017, compilando o melhor do post-rock para escrever que peneirei na internet, via os canais no YouTube Worldhaspostrock, Wherepostrockdwells, 9eCn3 e In The Woods, além das páginas das bandas no Bandcamp. Ouça o resultado aqui.

Em 2018, de janeiro a agosto, publiquei 12 posts, divulgando o trabalho de 60 bandas e 158 discos (entre álbuns, EPs e singles). Considero o gênero post-rock (e o ambient) a melhor trilha sonora para escrever, que me faz ir além, mergulhado no universo de dentro e ao redor.

Peneirei atrações de 23 países: Estados Unidos (16 atrações), Suíça (04), Alemanha (04), Austrália (04), Canadá (03), Ucrânia (03), Inglaterra (03), Rússia (03), Suécia (03), Finlândia (02), Espanha (02), Grécia (02), Japão (01), Nova Zelândia (01), Dinamarca (01), Noruega (01), Irã (01), Itália (01), Hungria (01), Polônia (01), Islândia (01), Guatemala (01) e Myanmar (01).

Confira abaixo o Música para Escrever 2018, com os melhores sons de post-rock, a alumiar a mente e transcender em palavras.


#11 — Ouça aqui
Do Make Say Think | KAUAN
Glories | I/O | Afformance


#12 — Ouça aqui
MONO | This Patch of Sky | Antethic
Heron | Broken Social Scene


#13 — Ouça aqui
This Will Destroy You | Endless Melancholy
The Union Trade | BLAK | Sonic Black Holes


#14 — Ouça aqui
65daysofstatic | meniscus
τεφλόν | Howling Embers | satélite


#15 — Ouça aqui
Tortoise | Locomotora | VAR
Shipwrecks | Those Who Dream By Day


#16 — Ouça aqui 
Stars of the Lid | Esmerine | The Sun Burns Bright
All You've Seen | Pandelic


#17 — Ouça aqui
The Evpatoria Report | Trna | Caspian
Way Station | sleepmakeswaves


#18 — Ouça aqui
1099 | Crows in the Rain | Collapse Under The Empire
Rocket Miner | Il Giardino degli Specchi


#19 — Ouça aqui
Tangled Thoughts of Leaving | Maybeshewill
Syberia | Closet Disco Queen | HEGY


#20 — Ouça aqui
In The Branches | Sky Flying By | Fader
The Eight | Old Seas / Young Mountains


#21 — Ouça aqui
Jakob | A Film in Color | Halma
Oddarrang | No Sympathy Only Violence


#22 — Ouça aqui
Causa Sui | Equus | PERSHAGEN
A Collective Subconscious | Ahkmed


Atrações peneiradas

Estados Unidos (16)
This Will Destroy You
This Patch of Sky
Tortoise
Stars of the Lid
In The Branches
A Film in Color
Sky Flying By
The Union Trade
A Collective Subconscious
Howling Embers
I/O
Rocket Miner
Heron
Glories
Fader
Caspian

Suíça (04)
The Evpatoria Report
Equus
All You've Seen
Closet Disco Queen

Alemanha (04)
Halma
Collapse Under The Empire
Shipwrecks
Sonic Black Holes

Austrália (04)
Tangled Thoughts of Leaving
meniscus
Ahkmed
sleepmakeswaves

Canadá (03)
Do Make Say Think
Esmerine
Broken Social Scene

Ucrânia (03)
Endless Melancholy
Way Station
The Eight

Inglaterra (03)
65daysofstatic
The Sun Burns Bright
Maybeshewill

Rússia (03)
Trna
Antethic
KAUAN

Suécia (03)
PERSHAGEN
Old Seas / Young Mountains
No Sympathy Only Violence

Finlândia (02)
Locomotora
Oddarrang

Espanha (02)
BLAK
Syberia

Grécia (02)
τεφλόν
Afformance

Japão (01)
MONO

Nova Zelândia (01)
Jakob

Dinamarca (01)
Causa Sui

Noruega (01)
1099

Irã (01)
Crows in the Rain

Itália (01)
Il Giardino degli Specchi

Hungria (01)
HEGY

Polônia (01)
Those Who Dream By Day

Islândia (01)
VAR

Guatemala (01)
satélite

Myanmar (01)
Pandelic


158 discos (entre álbuns, EPs e singles) selecionados em 2018

A cada postagem, uni os títulos dos discos num texto experimental. Segue abaixo, toda a produção baseada nas obras divulgadas:

Música para Escrever 2018
Emmanuel Mirdad

Das teimosas e persistentes ilusões (e ainda e ainda fazer dizer pensar outras verdades): você, você é uma história na ferrugem, um langor, um sopro de vento. Não há quietude em colocar a besta para fora da mente. Qualquer um, em qualquer lugar, sente saudade e a afeição de música para filme imaginário, número 1, através dos muros.

Ecoa o hino ao vento imortal: para os meus pais, você está aí, o último amanhecer, réquiem para o inferno, estes pequenos espaços. Autointitulado herói e fantasma, recentemente ressuscitado, quão brilhantemente você brilha! Na Sociedade da Camisa Fantasma, você está aqui, agora. Sinta-se bem perdido.

Isso vai destruir você: a manta do túnel numa outra linguagem, através da jovem montanha, a soar músicas para as manhãs quietas, de férias. O seu nome, na língua das estrelas, é um lugar de longos anos, entre a escuridão e a luz, revelação.

A luz selvagem evidencia o céu de ninguém. Há música para um universo infinito, para a corrida silenciosa. Uma vez, por todos os tempos, a destruição das pequenas ideias em refrações da guerra de agora. Os pedaços das ruínas vibram como música para ecoar passagens, as brasas uivantes dos cães do submundo.

O explosivo trinitrotolueno. Está tudo ao seu redor. Milhões que agora vivem, nunca morrerão. A tartaruga possui uma melodia de popularidade estabelecida, por anos e montanhas. Esse autocontrole é uma locomotiva no inverno. Naufrágios; fico feliz em ser...

E o refinamento do declínio deles? Os sons cansados da atração gravitacional contra o desejo de uma vida aquática. A orquestra lastreada com láudano, a mergulhar nas vozes perdidas. Se apenas uma doce rendição às noites por vir fosse verdadeira, a aurora, as mecânicas do domínio... Através do crepúsculo, veio a luz, a segunda parte dos elementos, a décima-sexta sinopse da translucidez. A escapada.

Um asteroide cruzador de Marte e uma cratera vulcânica alargada e pouco profunda (criada por uma erupção): a cultura da Terra e o seu padrão de infinidade. Perca-se, para encontrar a paz. A poeira e a inquietação em estação de vigília. O hino para a grandiosa geração terceira ecoa pelo caminho do menestrel, através dos navios... e, assim, destruímos tudo que é feito apenas de respiração.

Os jovens pinheiros de 1099 iludem o passageiro cego em qualquer dia, agora. Máquina! Fogo! Fantasma! As cinzas do passado, a menina e a floração perdida, e você está morrendo nos meus braços, os últimos suspiros congelados. Ombros e gigantes, sacrifício e isolamento, eles são os caídos, a elegia do longo adeus no exterior.

Ceder ao desespero, sem corda. A amortecer os campos, falhou pelo homem e pela máquina, o capitão negro. A juventude é justa, e eu estava aqui, por um momento; depois, fui embora. A resiliência, desenhando um futuro autointitulado: “desvio de áudio sexy para vagabundos punks”. Oitenta milhas por aí, seis pés abaixo.

As canções do abismo, no tempo selvagem, colidem com as partículas. Atrás do céu, elementos ocultos são desviados. "Você pode dizer isso com uma palavra?" Ao semelhante, a miscelânea dos últimos anos, com partes faltando nas estações, luzes de fuga, e os sons de cair pela noite mergulham no velho mar, jovem montanha.

Os gêmeos Cale e Drew encontram consolo no domínio da matemática: os senos dos subconjuntos de conjuntos. Um estudo em terror, pois toda a escuridão parece viva. A escalar uma montanha, eles marcham em círculos sem fim. Os pequenos grãos de volta a Pascal num mini-campo, os sólidos dissolvidos no cinema. O reino situado no coração da Terra é o cemitério florestal.

A maré da deusa da abundância deve voltar ao céu. As sessões de verão serão em três volumes. As sessões de peltre também. As vibrações douradas são dos mamíferos placentários. Como ele veio ao mundo? O misterioso vale escondido entre picos cobertos de neve, cercado por geleiras, o último do meu nome, gravado nas folhas de prata, as impressões de experiências passadas a condicionar os comportamentos futuros, esses enteógenos a alterar a consciência, a induzir ao êxtase do mar interior à distância.

-----

*Ordem das bandas/artistas na foto, da esquerda para direita, de cima para baixo (o crédito das fotos estão nos posts listados acima):

MONO . Jakob . This Will Destroy You . Do Make Say Think . The Evpatoria Report | This Patch of Sky . Tortoise . Trna . Causa Sui . Tangled Thoughts of Leaving | 65daysofstatic . Stars of the Lid . Esmerine . 1099 . In The Branches | A Film in Color . Equus . Locomotora . Crows in the Rain . Halma | Sky Flying By . The Sun Burns Bright . Collapse Under The Empire . Oddarrang . The Union Trade . Endless Melancholy . PERSHAGEN | Way Station . A Collective Subconscious . BLAK . Howling Embers . All You've Seen . Syberia . I/O | Closet Disco Queen . Shipwrecks . Sonic Black Holes . The Eight . Il Giardino degli Specchi . Rocket Miner . meniscus | Heron . Broken Social Scene . HEGY . Those Who Dream By Day . Ahkmed . Antethic . Glories . KAUAN . Maybeshewill | Fader . Old Seas / Young Mountains . τεφλόν . Caspian . VAR . No Sympathy Only Violence . sleepmakeswaves . Afformance . satélite . Pandelic

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Pílulas: Provérbios, de Mãe Stella de Oxóssi

Mãe Stella de Oxóssi (foto: Iraildes Mascarenhas - interferida por Mirdad)

"Criar desculpas para os próprios atos é a melhor maneira de permanecer no erro"


"Quem está vinculado ao sagrado, não deve mentir em seu nome"


"Fé não se impõe"


"Quem desdenha dos defeitos alheios está exibindo os seus"


"Às vezes se precisa perder pouco, para não perder tudo"


"O caminho espiritual pode ser comunitário, porém é sempre solitário"


Provérbios Mãe Stella de Oxóssi (2007)

"O que o destino disser que é, ninguém terá força para dizer que não é"


"Saber morrer faz parte do saber viver"


"Não é sábio aquele que se acha sabido"


"A presença do 'se' mostra a impossibilidade de realização dos desejos"


O provérbio diz: "Não há Orixá como o estômago, pois recebe sacrifícios diariamente". Mãe Stella de Oxóssi interpreta: "O estômago é como uma divindade, precisa ser respeitado e cuidado"

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…