Pular para o conteúdo principal

Cinco poemas e três passagens de Bárbara Pontes no livro Foto Grafias: Retratos de mim

Bárbara Pontes (foto: Sincronia Filmes)

Escolher é matar e morrer
Bárbara Pontes

Não necessariamente nesta ordem,
ou não necessariamente numa ordem.
Não sei o que vem primeiro,
se a morte de algo que é seu
ou se a morte do outro.
Ou talvez, quiçá, simultaneamente.
Sei que a dor do fim não tem a ver com o outro,
mas com algo seu que morre ali.
Sigo morrendo algumas vezes,
e faço isso para seguir.

De alguma forma algo de meu se vai a cada término
e não sei como, nem por que,
é este mesmo mecanismo que me mantém viva para um novo começo.
Sem a morte do ontem,
não haveria hoje,
nem amanhã.
Para cada morte há que se fazer o devido luto.
E luto para ir em frente.
Cada morte do eu lhe remete a mortes e lutos anteriores
e é como se morrer se elevasse potencialmente
a cada nova escolha pelo fim.

--------

Artesã
Bárbara Pontes

Eu teço meus próprios sapatos
Trilho por caminhos pré-existentes buscando ser
resistente, resiliente, renitente
Tento não olhar pra trás.
De que me serve fitar as pegadas que o tempo ainda não apagou?
Procurando esquecer o que já foi
e o que não foi
para que o que será
deixe de ser uma miragem ao horizonte,
cruzando a ponte limitante de tudo
que possa me manter ausente do agora,
ausente de mim
e dos sonhos desse instante.

--------

Livramento
Bárbara Pontes

Não.
Primeiro não era o verbo.
Primeiro vem aquela dor
que não se traduz em palavras
e que ninguém sabe o que fazer com ela.
Depois de acrescentada uma dose ótima de agonia,
aí sim
ela se transforma em verbo.

Naquelas palavras que quando não ditas
deixam um gosto de podre na boca,
língua, esôfago e embrulham o estômago.
Dizer é vômito, expurgo.
Livramento

--------

Em fá
Bárbara Pontes

A semínima faz soar, na palma da minha mão,
o ritmo descompassado do seu coração
A semibreve me permite ouvir sua respiração, pesada, ofegante
Fujo pra dentro temendo o porvir,
mas por aqui está cheio de ti.
Dessa canção interditada, censurada.
Que não será tocada em hertz, mas dedilhada nas curvas dos corpos

Um toque de almas desejantes e sonhadoras
de e em Sol.
Lá, nesse universo paralelo
A gravidade não há
O amor é amarelo
E o afeto não é anelar
Mas indicador de elo
Enamorados de Si

Refletidos um no outro e ambos nos diversos espelhos
numa composição de múltiplos ângulos suplementares
Foi ali que percebi que cuidar de ti
é zelar a tua história,
respeitando a trajetória
a desbravar os caminhos do desconhecido.

--------

Marcas
Bárbara Pontes

As marcas do chão eu pude tirar,
as do teto não.
Não sei se por uma questão anatômica,
visto o fato da baixa estatura...
Não sei se por uma questão de foco do olhar
Não sei se um por uma questão de alcance
Não sei se por andar cabisbaixa
Não sei se porque os pés são mais fáceis de lavar que os pensamentos!
O fato é que:
as marcas do chão eu pude tirar,
as do teto não.

--------

“O amor não é meu nem teu
O amor há
Eu me aproprio da sua existência para ofertá-lo a você.
Sem ao menos entendê-lo.
Sem se quer sabê-lo.
O amor há não em mim, não para ti.
Ele paira acima de nós.
Muito maior e mais além da nossa existência,
mas precisa de nós para sê-lo.”


“Sou apenas uma errante
ante a face estranha do tempo
nas entranhas da vida.
Somente ida.
Seguida de impulsos,
sentimentos e pensamentos
que também já foram.
Nada ficou, nem eu!”


“Algumas pessoas são, para mim, como oásis.
De tanto querer ver,
por conta da solidão,
da carência cadenciada,
do calor sem acalanto,
eu vejo.
Vejo nelas o que tanto desejo.
(...)
Mas ao me aproximar
percebo que não há o que avistei,
(...)
Sigo seca e tórrida
nesse meu eu autofágico
de suas próprias miragens.”



Presentes no livro de poemas “Foto Grafias: Retratos de mim” (Editora Clae, 2021), de Bárbara Pontes (com fotografias de Wesley Lopes), páginas 32, 19, 41, 31 e 46, respectivamente, além dos trechos dos poemas “Amor” (p. 17), “Própria” (p. 61) e “Oásis” (p. 53), presentes na mesma obra.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Flávio José

Flávio José (foto: divulgação ) O artista de forró que mais gosto é o cantor, sanfoneiro e compositor Flávio José . Para mim, ele é a Voz do Nordeste . Um timbre único, raro, fantástico. Ouvir o canto desse Assum Preto-Rei é sentir o cheiro da caatinga, arrastar os pés no chão de barro ao pé da serra, embalar o coração juntinho com a parceira que amo, deslizar os passos como se no paraíso estivesse, saborear a mistura de amendoim com bolo de milho, purificar o sorriso como Dominguinhos ensinou, banhar-se com as rezas das senhoras sábias, prestar atenção aos causos, lendas e histórias do povo que construiu e orgulha o Brasil . Celebrar a pátria nordestina é escutar o mestre Flávio José ! Natural da sertaneja Monteiro , na Paraíba , em 2021 vai completar 70 anos (no primeiro dia de setembro), com mais de 30 discos lançados e vários sucessos emplacados na memória afetiva do povo brasileiro (fez a alegria e o estouro da carreira de muitos compositores, que tiveram a sorte de serem grav