Pular para o conteúdo principal

Produções de Emmanuel Mirdad


O produtor cultural Emmanuel Mirdad começou a sua carreira em setembro de 1999. Produziu discos, shows, artistas e bandas, trabalhou como produtor executivo de projetos, até se tornar empresário da cultura, focado na criação e realização de festivais, sendo sócio e diretor das empresas Putzgrillo Cultura (2008-2012) e Cali (2013-2021). Atualmente é o único sócio da Mirdad Cultura, aberta em 2023. A sua principal função nos eventos é a de Coordenador Geral. É o responsável pela criação de conteúdo e de propostas inovadoras, análise do mercado e gestão de crise. O produto mais reconhecido do seu trabalho (criação e coordenação) é a festa literária Flica.

É especializado na criação, elaboração e prestação de contas de projetos culturais, gestão de conteúdo de produtos culturais (curadoria e coordenação da campanha promocional — VT, spot, impressos, merchandising, etc. —, redes sociais, registros audiovisuais e fotográficos dos produtos), captação de recursos via leis de incentivo, editais e mercado, experiência e know-how de tramitação junto aos órgãos públicos, contratação e coordenação de serviços e fornecedores, atrações e equipe para a realização de todas as etapas dos projetos em execução.

[ 2020 e 2021 ]
Conheça aqui
Flica na Rede
Gravação do EP Andanças
Gravação do álbum Silent Dreams
Lançamento de oroboro baobá

-----------

[ 2019 ]
Conheça aqui
9ª edição da Flica
Lançamento da Flica 2019
Lançamento CD Orange Roots

-----------

20 anos de produção cultural
Conheça aqui
66 eventos e projetos realizados
124 não-realizações

-----------

[ 2018 ]
Conheça aqui
8ª edição da Flica
2ª edição da FliCaixa
Lançamento da Flica 2018

-----------

[ 2017 ]
Conheça aqui
7ª edição da Flica
1ª edição da FliCaixa
Lançamento da Flica 2017

-----------

[ 2016 ]
Conheça aqui
6ª edição da Flica
Flica na Caixa
Gravação de CD da Orange Roots
Gravação single de Martha Anísia

-----------

[ 2015 ]
Conheça aqui
5ª edição da Flica
Lançamento da Flica 2015
Gravação de EP da Orange Roots

-----------

[ 2014 ]
Conheça aqui
4ª edição da Flica
Lançamento de EPs da The Orange Poem
Lançamento de livro e single

-----------

[ 2013 ]
Conheça aqui
3ª edição da Flica
Conclusão projeto de livro de Mayrant Gallo
Abertura das produtoras Mirdad Cultura e Cali

-----------

[ 2012 ]
Conheça aqui
2ª edição da Flica
1ª edição do Recôncavo Jazz Festival
Santo Antônio Jazz Festival
Música no Cinema
Projeto 2º álbum de Tiganá Santana

-----------

[ 2011 ]
Conheça aqui
1ª edição da Flica
Festival Brainstorm
Lançamento de álbum de Luiz Brasil

-----------

[ 2010 ]
Conheça aqui
2ª edição do Prêmio Bahia de Todos os Rocks
Lançamento de álbum de Tiganá Santana
Gravação de álbum de Mou Brasil
Cerimônia do VIII Festival da Educadora FM
Festival de Reggae no Pelô
Show Mou Brasil no Festival de Jazz do Capão
Música Reggae — Veículo de Transformação Social
Forró do Bosque

-----------

[ 2009 ]
Conheça aqui
Gravação de álbum de Tiganá Santana
Cerimônia do VII Festival da Educadora FM
Exposição sobre o rock baiano
Lançamento de DVD da Cascadura
Lançamento do EP Harmonogonia

-----------

[ 2008 ]
Conheça aqui
1ª edição do Prêmio Bahia de Todos os Rocks
Abertura da empresa Putzgrillo Cultura
Gravação de álbum da Pedradura
Gravação do EP ID

-----------

[ 2007 ]
Conheça aqui
Produtor da Plataforma de Lançamento
Assistente de produção do Troféu Caymmi

-----------

[ 2006 ]
Conheça aqui
Gravação de álbum da The Orange Poem
Gravação do CD poema Ilusionador

-----------

[ 2005 ]
Conheça aqui
Gravação de álbum da The Orange Poem
Laranjada Rock
Produtor do World Bar e do Tangolomango Bar

-----------

[ 2004 ]
Conheça aqui
Agente Laranja Gueto Cultural
Produtor da The Orange Poem
Produtor do Tangolomango Bar

-----------

[ 1999 a 2003 ]
Conheça aqui
Produtor da The Orange Poem
Gravação de álbum do Pássaros de Libra

-----------


Conheça mais sobre o produtor nessa longa entrevista aqui

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dez passagens de Clarice Lispector nas cartas dos anos 1950 (parte 1)

Clarice Lispector (foto daqui ) “O outono aqui está muito bonito e o frio já está chegando. Parei uns tempos de trabalhar no livro [‘A maçã no escuro’] mas um dia desses recomeçarei. Tenho a impressão penosa de que me repito em cada livro com a obstinação de quem bate na mesma porta que não quer se abrir. Aliás minha impressão é mais geral ainda: tenho a impressão de que falo muito e que digo sempre as mesmas coisas, com o que eu devo chatear muito os ouvintes que por gentileza e carinho aguentam...” “Alô Fernando [Sabino], estou escrevendo pra você mas também não tenho nada o que dizer. Acho que é assim que pouco a pouco os velhos honestos terminam por não dizer nada. Mas o engraçado é que não tendo absolutamente nada o que dizer, dá uma vontade enorme de dizer. O quê? (...) E assim é que, por não ter absolutamente nada o que dizer, até livro já escrevi, e você também. Até que a dignidade do silêncio venha, o que é frase muito bonitinha e me emociona civicamente.”  “(...) O dinheiro s

Oito passagens de Conceição Evaristo no livro de contos Olhos d'água

Conceição Evaristo (Foto: Mariana Evaristo) "Tentando se equilibrar sobre a dor e o susto, Salinda contemplou-se no espelho. Sabia que ali encontraria a sua igual, bastava o gesto contemplativo de si mesma. E no lugar da sua face, viu a da outra. Do outro lado, como se verdade fosse, o nítido rosto da amiga surgiu para afirmar a força de um amor entre duas iguais. Mulheres, ambas se pareciam. Altas, negras e com dezenas de dreads a lhes enfeitar a cabeça. Ambas aves fêmeas, ousadas mergulhadoras na própria profundeza. E a cada vez que uma mergulhava na outra, o suave encontro de suas fendas-mulheres engravidava as duas de prazer. E o que parecia pouco, muito se tornava. O que finito era, se eternizava. E um leve e fugaz beijo na face, sombra rasurada de uma asa amarela de borboleta, se tornava uma certeza, uma presença incrustada nos poros da pele e da memória." "Tantos foram os amores na vida de Luamanda, que sempre um chamava mais um. Aconteceu também a paixão

Dez passagens de Jorge Amado no romance Mar morto

Jorge Amado “(...) Os homens da beira do cais só têm uma estrada na sua vida: a estrada do mar. Por ela entram, que seu destino é esse. O mar é dono de todos eles. Do mar vem toda a alegria e toda a tristeza porque o mar é mistério que nem os marinheiros mais velhos entendem, que nem entendem aqueles antigos mestres de saveiro que não viajam mais, e, apenas, remendam velas e contam histórias. Quem já decifrou o mistério do mar? Do mar vem a música, vem o amor e vem a morte. E não é sobre o mar que a lua é mais bela? O mar é instável. Como ele é a vida dos homens dos saveiros. Qual deles já teve um fim de vida igual ao dos homens da terra que acarinham netos e reúnem as famílias nos almoços e jantares? Nenhum deles anda com esse passo firme dos homens da terra. Cada qual tem alguma coisa no fundo do mar: um filho, um irmão, um braço, um saveiro que virou, uma vela que o vento da tempestade despedaçou. Mas também qual deles não sabe cantar essas canções de amor nas noites do cais? Qual d