Pular para o conteúdo principal

Produções de Emmanuel Mirdad: Ano 2008


No ano anterior, eu fui contratado para escrever projetos da produtora Plataforma de Lançamento e inscrevê-los no edital nacional do Oi Futuro. Por insistência do chefe Uzêda, inscrevi também o meu projeto de prêmio para o rock baiano. Coincidentemente, nenhum dos projetos da Plataforma de Lançamento passou e o meu foi aprovado no edital. Aí, um gesto brilhante de Uzêda mudou, de forma significativa, a minha carreira de produtor cultural: ele não topou que a sua empresa produzisse o prêmio e recomendou que eu fizesse o projeto sozinho.

Topei o desafio, contratei o ex-colega de Facom/Ufba, o produtor cultural baiano Marcus Ferreira, para ser o produtor executivo, e realizamos a 1ª edição do Prêmio Bahia de Todos os Rocks, o nosso primeiro projeto patrocinado pela iniciativa público-privada (Oi via Fazcultura/Governo da Bahia). Graças a essa experiência, começamos a carreira de empresários da cultura, com a abertura da produtora Putzgrillo Cultura.

Além desse ano 1 como empresário cultural, eu ainda produziu dois álbuns com minhas composições e canto, uma espécie de despedida do lado autoral, que ficaria um bom tempo adormecido.



Prêmio Bahia de Todos os Rocks — 1ª Edição

Bahia de Todos os Rocks é uma premiação que contempla os melhores resultados profissionais alcançados por artistas, bandas, designers e mídia do universo do rock, exclusivamente do Estado da Bahia, que mais se destacaram nos quesitos técnicos, artísticos e de alcance de público, selecionados por um júri e votação popular. A 1ª edição aconteceu no Cine-Teatro SESC Casa do Comércio (Cerimônia) e na casa de shows Boomerangue (Festa de Encerramento), ambos em Salvador, Bahia.


Patrocinadores – Oi | Fazcultura (Secretarias de Cultura e da Fazenda) | Governo da Bahia

Funções – Coordenador Geral | Diretor e Roteirista da Cerimônia | Criação, captação, administração financeira e prestação de contas do projeto | Sócio da marca | Idealizador

Info – Matéria no Soterópolis (TVE) – veja aqui

-----


Abertura da empresa Putzgrillo Cultura
Gravação do EP ID — Mirdad
Gravação do CD Universo Telecoteco — Pedradura

O produtor baiano Marcus Ferreira foi meu calouro na Facom/Ufba e fomos os únicos a pular de Bungee Jump em uma excursão da faculdade em Paulo Afonso, na Bahia. Oito anos depois, fizemos o primeiro trabalho juntos na 1ª edição do Prêmio Bahia de Todos os Rocks e, como o resultado foi excelente, Marcus me convidou para ser sócio de sua empresa recém-aberta, com o inusitado nome de Putzgrillo Cultura.

Nossa parceria de sucesso durou cinco anos e o melhor produto foi a criação da Flica e a realização das duas primeiras edições (hoje, somos sócios na Cali, realizadora da festa literária ao lado da Icontent / Rede Bahia).

Com o fim da The Orange Poem, montei uma nova banda em julho de 2007, chamada Pedradura, para tocar composições minhas em português, com a proposta de “bolo doido”: rock, groove, MPB, jazz, bossa, reggae e experimentalismo, com solos de naipe de sopro e versos com polêmica, sarcasmo e acidez. Antes de fazermos shows, entramos em estúdio em setembro de 2007 e, somente no 2º semestre de 2008, concluí a produção do álbum Universo Telecoteco (bancado por mim no Submarino Studios, de André Magalhães — o mesmo que gravou o meu 1º trabalho em 1999, localizado nos Barris, em Salvador, Bahia).

O problema foi que a Pedradura já havia terminado antes da conclusão desse processo, porque o baterista Edu Marquez foi morar na Europa. Resultado: álbum na gaveta (depois, disponibilizei o material na internet). Nesse ínterim, resolvi gravar músicas minhas que não tinham a ver com a Pedradura e produzi o meu primeiro trabalho solo, o EP ID, gravado com músicos das bandas The Orange Poem e Pedradura, no mesmo Submarino Studios.

Patrocinador – Meu bolso (álbum da Pedradura e EP)

Funções – Sócio-Diretor (Putzgrillo Cultura) | Produtor musical e executivo (álbum da Pedradura e EP)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Pílulas: Provérbios, de Mãe Stella de Oxóssi

Mãe Stella de Oxóssi (foto: Iraildes Mascarenhas - interferida por Mirdad)

"Criar desculpas para os próprios atos é a melhor maneira de permanecer no erro"


"Quem está vinculado ao sagrado, não deve mentir em seu nome"


"Fé não se impõe"


"Quem desdenha dos defeitos alheios está exibindo os seus"


"Às vezes se precisa perder pouco, para não perder tudo"


"O caminho espiritual pode ser comunitário, porém é sempre solitário"


Provérbios Mãe Stella de Oxóssi (2007)

"O que o destino disser que é, ninguém terá força para dizer que não é"


"Saber morrer faz parte do saber viver"


"Não é sábio aquele que se acha sabido"


"A presença do 'se' mostra a impossibilidade de realização dos desejos"


O provérbio diz: "Não há Orixá como o estômago, pois recebe sacrifícios diariamente". Mãe Stella de Oxóssi interpreta: "O estômago é como uma divindade, precisa ser respeitado e cuidado"