Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2014

Composições de Mirdad: Lost Mails - The Orange Poem

Psicodelia progressiva da Orange Poem, uma bela canção bem ambientada por efeitos de guitarra (lembram desde arranjo oriental a um cello suave e harmônico) e uma interpretação fluida nos momentos suaves e forte/rasgada nos momentos altos da cantora Nancy Viégas (atual Radiola e ex-Crac! e Nancyta e os Grazzers). Os versos tratam de algumas automações de uma vida moderna, de correspondências perdidas, poesias ao redor e referências artísticas como Salvador Dalí e Clarice Lispector. Para ouvir, basta clicar no botão laranja de "play" abaixo. Acompanhe The Orange Poemaqui.



Não consegue visualizar o player? Ouça aqui


Lost Mails
(Emmanuel Mirdad)
BR-N1I-14-00009

Waking up and think of nothing
There’s a lot to loose all day
Thank like a robot, agree with the ruling program
I acknowledge the frailty, my usual automatic

The best creation of his domain
All the air which inhabits me and runs away smells like nausea
They’re the flowers along the path dissolving prison’s pieces
A hurric…

Pílulas: O Reacionário, de Nelson Rodrigues

Nelson Gonçalves (foto: Divulgação - interferida por Mirdad)

Descrição extraída do site da Livraria Travessa:

"Seguindo a mesma linha temática confessional de A cabra vadia e O óbvio ululante, esta é uma coletânea das crônicas de Nelson Rodrigues, o maior dramaturgo brasileiro, publicadas na coluna “Confissões”, do jornal O Globo, e também na coluna “Memórias”, do Correio da Manhã, durante o período de 1969 a 1974"


Parte I
Leia aqui

"Assim é o brasileiro: - um sujeito atormentado por culpas imaginárias"




Parte II
Leia aqui

"O brasileiro tem por hábito cochichar o elogio e berrar o insulto"




Parte III
Leia aqui

"O Brasil é muito impopular no Brasil"





Parte IV
Leia aqui

"O entendido só não se torna abominável porque o ridículo o salva"





O Reacionário Nelson Rodrigues (Agir/2008) 728 pg Preço médio: R$ 85,90

Pílulas: Parte 04 - O Reacionário, de Nelson Rodrigues

Nelson Gonçalves (foto: Divulgação - interferida por Mirdad)

"O entendido só não se torna abominável porque o ridículo o salva"


"Um analista não se espanta. Se lhe cair uma bomba atômica na cabeça, dirá, com a maior naturalidade e sem ponto de exclamação: " - Morri.""


"Não há idiota que, aqui ou em qualquer idioma, não explique com a sociedade de consumo todos os mistérios do céu e da terra"


"Um gênio não move uma palha, não ameaça, nem influi. Ninguém morre por um gênio, ninguém mata por um gênio ... Um gênio não convence ninguém, o idiota sim. Ponham um pateta na esquina e deem o caixote ao pateta. Ele trepa no caixote e fala. Imediatamente, outros idiotas vão brotar do asfalto, dos ralos e dos botecos ... o idiota é uma "força da natureza". Ele chove, relampeja, venta e troveja"


"Suporta-se com muito desprazer a glória alheia e, sobretudo, a glória de quem tem metade da vida pela frente"


O Reacionário Nelson Rodri…

Pílulas: Parte 03 - O Reacionário, de Nelson Rodrigues

Nelson Gonçalves (foto: Divulgação - interferida por Mirdad)

"O homem só começa a ser homem depois dos instintos e contra os instintos"


"O co-piloto do avião conseguira sobreviver ao choque. Muito ferido, porém, pediu que o matassem com o seu próprio revólver. Diz a notícia, de maneira sucinta, impessoal, inapelável: - O que foi feito. Se as palavras têm um valor preciso, temos aí um assassinato. E não foi só. Os outros sobreviventes não só mataram como ainda o comeram. E mais: - resgatados, os antropófagos voltaram de avião para sua terra. No meio da viagem, um patrulheiro descobre em pleno voo que os sobreviventes ainda levavam carne humana. No seu espanto, perguntou: - "Por que vocês trazem isso?" Explicaram: - na hipótese de que faltasse comida no avião, eles teriam com que se alimentar"


"Todos comeram carne humana? ... houve um, entre tantos, entre todos, que disse: - "Eu não faço isso! Prefiro morrer, mas não faço isso!" E não fez. Os…

Vamos ouvir: De lá não ando só, do Transmissor

De lá não ando só (2014) - Transmissor




Não consegue visualizar o player? Ouça aqui

Site do Transmissor aqui

Pílulas: Parte 02 - O Reacionário, de Nelson Rodrigues

Nelson Gonçalves (foto: Divulgação - interferida por Mirdad)

"O brasileiro tem por hábito cochichar o elogio e berrar o insulto"


"Devo confessar o meu horror aos intelectuais, ou melhor dizendo, a quase todos os intelectuais ... a maioria não justifica maiores ilusões ... A inteligência pode ser acusada de tudo, menos de santa. Tenho observado, ao longo de minha vida, que o intelectual está sempre a um milímetro do cinismo ... e, eu acrescentaria, do ridículo"


"Duas ou três vezes por semana, digo eu o seguinte: - "Nada mais invisível do que o óbvio ululante." E vejam vocês: - apesar da repetição deslavada, a frase tem, sempre, um ar de novidade total. O leitor ainda não desconfiou que eu já escrevi isso mil e uma vezes, sem lhe tirar e sem lhe acrescentar uma vírgula. E sempre vem alguém me bater nas costas: - "Boa, aquela de óbvio! Ótima!" Fico eu a imaginar que ninguém lê nada ou não se lembra do que leu"


"Bem sei que certos suj…

Livro Nostalgia da Lama (2014), de Emmanuel Mirdad

Nostalgia da Lama
(Cousa, 2014)
ISBN: 978-85-63746-43-6
100 poemas | 152 pg | Capa dura
Capa de Nelson Magalhães Filho
Prefácio de André Setaro
Posfácio de Ildegardo Rosa


Nostalgia da Lama contém 100 poemas e traz acidez, frustração, angústia, paixão e espetos de um feroz nômade contemporâneo, ilustrado pela bela pintura "Série Nus" de Nelson Magalhães Filho, com prefácio do professor e crítico André Setaro e posfácio do poeta e filósofo Ildegardo Rosa, pai do autor, falecido em 2011. 
Estreando em livro de poemas, embora os escreva desde 1996, o poeta laranja apresenta suas farpas psicodélicas em uma jornada sobre o cotidiano e o tênue disfarce ilusório que nos habituamos a amar e a chamar de realidade. “São uns poemas crônicos, meus enquadros de fatos, ferinos ou micropatéticos, transitando na superfície ácida dos encontros e desencontros das relações humanas”, sintetiza Mirdad.

Compre aqui
25 poemas selecionados aqui
Vídeos com o autor lendo poemas do livro aqui

Pílulas (t…

Composições de Mirdad: Shining - The Orange Poem

Primeira composição em conjunto da Orange Poem (autoria: Emmanuel Mirdad, Artur Paranhos, Marcus Zanom, Hosano Lima Jr. e Fábio Vilas-Boas), traz uma sonoridade diferente de groove rock, mas com solos diversos, do nervoso ao suingue, do blues-rock ao sintetizador psicodélico, intercalando com o groove pesado do baixo e muita plasticidade e rítmica nas interpretações vocais. O poema traz aquele ocasional "às vezes eu me sinto" que sempre nos interfere e provoca sérias reflexões internas. Terceira canção do EP Wide (lançado em junho de 2014), traz a voz suingada da múltipla Nancy Viégas (atual Radiola e ex-Crac! e Nancyta e os Grazzers). Para ouvir, basta clicar no botão laranja de "play" abaixo. Acompanhe The Orange Poemaqui.



Não consegue visualizar o player? Ouça aqui


Shining
(The Orange Poem)
BR-N1I-14-00010

Sometimes I feel so mute
A silence that risks giving meaning to nothing
I become alone to avoid breathing
What madness is the need to be there
Shining Lighten…