Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Parte 01 - O Reacionário, de Nelson Rodrigues

Nelson Gonçalves (foto: Divulgação - interferida por Mirdad)


"Um ouvinte não tem preço. No fundo, a nossa mais apaixonada utopia é encontrar alguém que nos ouça. Dirá o leitor que temos parentes, amigos, conhecidos, que podem recolher os nossos segredos. Ilusão. Não sei se repararam, mas o diálogo entre brasileiros é sempre fatalmente um monólogo. O sujeito só está interessado em falar. Não escuta uma palavra do que o outro diz. O interlocutor não existe. E se isso acontece com todo mundo, muito mais com os poderosos. Já sabemos que o poder é cego. Mas além de cego, é surdo, sobretudo surdo ... sendo o que menos vê, o Presidente da República é o que menos ouve"


"Assim é o brasileiro: - um sujeito atormentado por culpas imaginárias"


"Perguntei a um psicanalista: - "Isso quer dizer o quê?" O outro não responde imediatamente. Tirou um cigarro. Não tinha: fósforos. Acendi-lhe o cigarro. O psicanalista dá uma tragada, sopra a fumaça, mais uma tragada. Por fim, disse, profundíssimo: - "Sei lá.""


"Aquele que não acredita na ressurreição de Lázaro não deve tentar a medicina. E o cardiologista, sobretudo, que lida com a morte diretamente, que vê a morte cara a cara, o cardiologista, dizia eu, precisa admitir todas as possibilidades e esta: - o milagre"


"O Brasil está cheio de coisas que devem ser ditas"


Nelson Rodrigues
(Agir - 2008)


"Tenho medo das pessoas que vivem de certezas. Sinto que o vizinho é dos tais que avançam, erguem a fronte, fingem um pigarro e declamam: - "Dúvidas? Nunca as tenho!" A minha vontade é dizer-lhe: - "Pois tenha!" Não sei como um espírito sem dúvidas não trata de providenciar e, em último caso, de inventar dúvidas urgentes e esplêndidas"


"A verdadeira grã-fina tem a aridez de três desertos"


"Como amar é dar razão a quem não a tem, o Lemos Bexiga dava sempre razão à mulher"


"Não se conhecia um defeito ou virtude em Osvaldinho que o distinguisse dos demais. Nunca vi ninguém mais parecido com todo mundo ... Era o que se poderia chamar de homem comum. E como homem comum, tinha essa mediocridade de virtudes e defeitos que faz, por exemplo, o bom marido. Não seria jamais nem santo, nem demônio. E nós sabemos que a mulher não quer nem um, nem outro. Segundo me disse há poucos dias, uma prima do Palhares: - "A mulher quer um homem que não seja nada""


"Gilberto Freyre. Chamá-lo de sociólogo não basta. É, antes de tudo, o maravilhoso artista. Ora, bem sabemos que o artista vê tudo, sabe tudo. E mais: o artista tem a dimensão profética. Leiam o autor de Sobrados & mocambos. Em todos os seus textos está inserido o futuro. Assim é o artista: assim como dá presença e atualidade ao passado, dá presença e atualidade ao futuro"


"Na dedicatória, escreve o poeta nacional: - "A Marques Rebelo - sem palavras - Carlos Drummond de Andrade." Ao que eu saiba, poesia é uma arte de palavras. E se um poeta não as tem, poderemos talvez chamá-lo de antipoeta. Na melhor das hipóteses: - antipoeta. Felizmente, o bom Carlos estava usando apenas um truque de sua prudência mineira. Não queria elogiar o romancista e o conseguiu"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…