sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Intervalo: Dire Straits


"
Where do you think you're going?
I think you don't know
You got no way of knowing
You got no place to go
"
.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Especial: MENGÃO HEXA!!!

O mundo é rubro-negro!!!

Ontem um berro de 17 anos de espera rasgou o ar. Em minhas mãos, a primeira camisa do Flamengo que vesti, em 1987, a mesma que estava vestido em 1992 quando comemorei o último título do meu time no Brasileirão, lá na casa do tio Djalma (que hoje é uma loja de doces).

Ontem, na casa do vizinho flanático Evandro, explodimos: HEXACAMPEÃO!!!!

Confesso que a última alegria que meu time me deu não foi a Copa do Brasil em 2006, e sim o Carioca em 2001, com aquele gol milagroso de Pet aos 43 minutos. Oito anos depois, desci as ruas do meu bairro e berrei à vontade, acompanhado de vários desconhecidos unidos pela nação rubronegra!!!

Ronaldo Angelim, autor do gol do título, representando todo
o Nordeste rubro-negro, em foto de Maurício Val.


Segue abaixo um breve texto do flanático músico Léo Jaime, publicado no Lance!net:

Seis vezes Flamengo!!!!

Nos últimos anos, o mais querido já vinha encantando sua torcida com o tricampeonato carioca e boas atuações, como a arrancada em 2007, no Brasileirão. Em 2009, juntamos as peças que faltavam: com a volta de Pet e Adriano e a chegada de Álvaro e Maldonado, sob a batuta do ídolo Andrade, encontramos o equilíbrio que faltava para mostrar um futebol contagiante, ofensivo, limpo e cheio de lances virtuosos e emocionantes. Não "sobramos", como se diz na gíria. Também não ficamos devendo em nada. Título justo, merecido e incontestável: somos os melhores de 2009.

O Flamengo que leva para os braços de sua Nação mais esta taça é um tanto parecido com o que venceu a última conquista em 1992, comandados pelo maestro Júnior em campo e treinado por Carlinhos, outro mito rubro-negro. Há algo de "feito em casa", se não no elenco, mas no espírito deste time. Poucos diriam, lá pela metade do campeonato, que o Flamengo era forte candidato ao título. Eu vi e comentei isto, para gáudio geral em rede de TV e onde quer que fosse. Vi o espírito da vitória, da raça, da entrega, e aquela mesma forma de impor o próprio jogo que o Flamengo exibiu em todos os títulos anteriores. Eram outros jogadores mas o mesmo Flamengo.

Os pênaltis defendidos por Bruno, os gols olímpicos de Pet, a garra e a força de Willians, a explosão e estrela de Adriano, a classe de Maldonado e Kléberson, a surpresa positiva que foi Éverton e as pratas da casa escaladas... Sem falar nos consagrados Juan, Angelim, Léo Moura e na campanha brilhante de Zé Roberto. Um time campeão formado por jogadores com espírito de campeões. Uma das equipes que menos faltas cometeu, menos cartões recebeu e mais bolas roubou! Classe, estilo, personalidade, força, brilhanstismo e, vá lá, um tantinho de sorte. Este é o Flamengo campeão brasileiro pela sexta vez.

Flamengo Hexacampeão 2009 - por Maurício Val

Deixo para o fim o que me parece ser o mais importante. De tudo e de todos, nada parece ser mais relevante, admirável, emocionante, invejável, contagiante do que a torcida rubro-negra. Fica este exemplo! Lotando os estádios, cantando e vibrando, empurrando o time e nunca, nunca desacreditando ou faltando com o carinho e o apoio. Esta torcida é mesmo, de tudo o que o futebol brasileiro apresentou neste ano, o que mais merece ser comemorado. Este é o principal trunfo, a maior vitória, a grande conquista: a nação rubro-negra.

Seis títulos não lhe retribuem a grandeza mas são um belo motivo para a festa! Canta, nação rubro-negra! Sem desmerecer ninguém, sem roubar o brilho de quem quer que seja, canta sua força, sua glória, sua grandeza! Canta com orgulho por mais um título nacional! Um título suado e conquistado naquele que será lembrado como um dos melhores campeonatos de todos os tempos. Canta, sobretudo, a alegria de ser rubro-negro!

Meus vivas aos jogadores, ao clube, ao gênio de Andrade e principalmente a cada um desta nação. Os anônimos amantes que, como eu, teriam um desgosto profundo se faltasse o Flamengo no mundo.

Uma vez Flamengo, Flamengo até morrer.

---

Este aqui é um breve vídeo do momento fugaz de ser HEXACAMPEÃO!!!

Mengão Hexa!



.

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Especial: HEXA WE CAN!!!

Fábio Lopez

Agora só falta um jogo, e menos de seis dias. São 17 anos de garganta travada, insana pra berrar: É HEXA!!!!

DÁ-LHE MENGO! HEXA WE CAN!

PS - Pra quem não conhece, a adaptação fantástica acima é do nosso Obama, o gran flatécnico Andrade! E no próximo domingo, os camaradas do Grêmio não irão bobear pro Inter, e junto com Botafogo, Corinthians e Goiás, carimbar nosso presentaço de Natal!

.

Bloguijabá: Estação Jazz


Hoje, às 21h, na Educadora FM 107,5, vai rolar a estreia do programa Estação Jazz, que também será a minha estreia à frente do microfone, nada mais, nada menos, ao lado do meu gran chief, Mário Sartorello.

Confesso que tremi feito vara verde, maior 'responsa' apresentar ao lado de um colecionador de jazz e master dos microfones (que também é meu chefe!), mas aos poucos encontro o meu jeito. Putz, é muito mais fácil produzir e dirigir!

Então, toda segunda, não perca Mirdad no Estação Jazz, às 21h. E hoje vai rolar o grande mestre Billy Cobham, um dos melhores bateristas de todos os tempos.

Ouça na internet também, aqui.

.

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Original x Versão - Love Hurts

Boudleaux Bryant e Felice Bryant, compositores de Love Hurts


Na segunda edição da série Original x Versão, um grande clássico lascador de cotovelos: a baladaça Love Hurts. Composta pelo casal country americano Boudleaux Bryant e Felice Bryant, foi gravada pela primeira vez em 1960, pelo duo/grupo The Everly Brothers (confira aqui uma versão de 1983). Porém, foi o gênio Roy Orbison o primeiro a estourar a canção, lá no distante ano de 1961, e que hoje vai defender o lado solitário do Original.

Roy Orbison - Love Hurts



Seguem agora os concorrentes do lado Versão, primeiro com a banda escocesa de hard rock Nazareth, que foi a responsável pelo estouro mundial de Love Hurts, eternizando, em sua versão, uma das mais importantes músicas de motel de todos os tempos (quantos filhos foram gerados com essa trilha!!!) e BG clássico para programas de amor no rádio, nas madrugadas solitárias da grande cidade. Depois, o recém-descoberto monstro sagrado das praias de Belém, Pará: Mike de Mosqueiro, em uma versão que impressiona pela profunda devoção artística, que vai além da letra (discípulo de Monclar - pra quê palavra se há o som?). Confira abaixo:

Nazareth - Love Hurts




Mike de Mosqueiro - Love Hurts




Então, pra responder ao titio Jornalinho, qual é a melhor?

a) Roy Orbison?

b) Nazareth?

c) Mike de Mosqueiro?




.

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Especial: Tiganá na Educadora FM

Tiganá na Educadora FM 107,5

Não perca nesta QUINTA 19, a partir das 18h na Educadora FM 107,5, o Especial das Seis com o cantor e compositor baiano Tiganá Santana. Em primeira mão, ele irá apresentar músicas do seu primeiro e aguardado CD Maçalê, além de falar de sua carreira e do processo de gravação do álbum, sempre com aquela ironia afiada que lhe é contumaz. Lembrando que o CD Maçalê será lançado em breve, e este blog cobrirá o evento.

Pra quem está fora do alcance das ondas da Educadora FM, acesse aqui e escute online o grande Tiga!

Seguem abaixo dois vídeos de canções que estão no Maçalê e no Especial das Seis também.


Tiganá - Le Mali Chez la Carte Invisible




Tiganá - Muloloki



.

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Músicas Mestiças 2009: Mounira Mitchala e Tiken Jah Fakoly

Lazzo no show de Tiken Jah Fakoly

Direto da última noite do Festival Músicas Mestiças 2009, que rolou ontem no Museu du Ritmo, os artistas Mounira Mitchala, do Chade, e Tiken Jah Fakoly, da Costa do Marfim. Com participações do Olodum e Lazzo, foi mais um grande espetáculo deste festival imperdível. Pra quem não foi, só lamento! Parabéns aos organizadores e equipe técnica; programação excelente, som em cima, local adequado, diversão certa.

E eu encontrei Jah em alta ontem! Pedrada pura, uma música colada na outra, Tiken e sua poderosa banda (da backing vocal mais linda dos últimos tempos, e o baixista “homem mais feliz do mundo” que tocou muito em uma outra estação) largaram o doce com vontade! Uma pena que o meu celular não resistiu os graves potentes dos servos de Jah e estourou o áudio da filmagem.


Mounira Mitchala - Músicas Mestiças





Tiken Jah Fakoly - Músicas Mestiças
(áudio estourado)




Mounira Mitchala & Olodum - Músicas Mestiças




Lazzo & Tiken Jah Fakoly - Me Abraça e Me Beija (áudio estourado)




Lazzo & Tiken Jah Fakoly - Músicas Mestiças (áudio estourado)



.

domingo, 15 de novembro de 2009

Músicas Mestiças 2009: Bélo e Didier Awadi

Mariella Santiago no show de Didier Awadi

Direto da furiosa e sensacional segunda noite do Festival Músicas Mestiças 2009, que rolou ontem no Museu du Ritmo, os artistas Bélo, do Haiti, e Didier Awadi, de Senegal. Com participações das divas Margareth Menezes e Mariella Santiago, foi um espetáculo de groove, harmonia e muita vibração boa (sem falar nos dois bateras monstros que entupiram tudo ontem), que ganhou o público de imediato. Parabéns! Fantástico!

Hoje tem mais, é o último, às 18h, $ 10 e $ 5, com Mounira Mitchala (Chade) e o gigante Tiken Jah Fakoly (Costa do Marfim).


Bélo - Músicas Mestiças



-----

Didier Awadi - Músicas Mestiças



-----

Bélo & Margareth Menezes - Me Abraça e Me Beija



-----

Mariella Santiago & Didier Awadi - Eu Sou Negão



-----

Bélo & Margareth Menezes



-----

Mariella Santiago & Didier Awadi - Ilê de Luz



.

sábado, 14 de novembro de 2009

Músicas Mestiças 2009: Tcheka e Les Tambours de Brazza

Direto da primeira noite do Festival Músicas Mestiças 2009, que rolou ontem no Museu du Ritmo, o cantor e compositor Tcheka, de Cabo Verde, e o grupo Les Tambours de Brazza, do Congo.

Hoje tem mais, às 18h, $ 10 e $ 5, com Bélo (Haiti) e Didier Awadi (Senegal).


Tcheka - DA M BU MON



-----

Les Tambours de Brazza (áudio um pouco estourado)



-----

Confiram mais vídeos de Tcheka e Les Tambours de Brazza:

Tcheka - Agonia




-----

Les Tambours de Brazza




.

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Ano da França no Brasil #05


Chegamos ao último post deste blog dedicado ao Ano da França no Brasil. As atividades culturais também estão chegando ao fim neste mês de novembro, e pra saber do que de melhor rolou neste ano, não perca o Especial de Sábado do dia 28.11, o último do mês. A amiga e adida cultural da França na Bahia, Irène Kirsch, vai apresentar um balanço caprichado sobre os diversos eventos, focada no que aconteceu por aqui. E você já sabe: só na Educadora FM 107,5, a partir do meio dia do sábado 28.

E o post de hoje é dedicado ao festival Músicas Mestiças, que acontece no Museu do Ritmo a partir desta sexta 13 até o domingo 15, encerrando as atividades do Ano da França no Brasil por aqui. Vai ser um evento massa, com inacreditáveis ingressos custando apenas $ 10 e $ 5, e uma programação pra arrebentar tudo, com uma galera da diáspora que vai ferver Salvador. É imperdível, principalmente o domingo, quando vai rolar o Tiken Jah Fakoly, um dos melhores artistas de reggae do mundo hoje em dia. Confira a programação completa aqui.

Seguem abaixo os vídeos dos artistas africanos que irão se apresentar no festival:

Sexta 13.11 - 18h




Tcheka

www.myspace.com/tchekacaboverde

/site

Tcheka - Primeru Bes Kin Ba Cinema



----------




Les Tambours de Brazza

www.myspace.com/lestamboursdebrazza

/info


Les Tambours de Brazza - Celebration of African
Rhythms




----------

Sábado 14.11 - 18h



Bélo

www.myspace.com/belo123

/site





Bélo - Mizik a Jah



----------



Didier Awadi

www.myspace.com/didierawadi

/wiki

/site



Didier Awadi - 12 Juillet



----------

Domingo 15.11 - 18h



Mounira Mitchala

www.myspace.com/mouniramitchala

Mounira Mitchala no Musicaves 2009 (França)



----------



Tiken Jah Fakoly

www.myspace.com/tikenjah

/site

/wiki



Tiken Jah Fakoly - Quitte Le Pouvoir



.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Pílulas: Alan Lobo


Conheci Alan Lobo na Faculdade de Comunicação da UFBA, nos melhores ins’anos faconianos que se tem ideia naquele recinto. Lá, no mesmo dia, me formei jornalista, e ele, produtor cultural. Quase fomos sócios em uma produtora que se chamaria Flor da Cruz, mas houve um desarranjo, e o potencial ficou na teoria. Mas fizemos um competente trabalho na Cerimônia de Entrega do Prêmio Bahia de Todos os Rocks 2008, e hoje ele é um dos sócios de um big projeto que faremos em 2010, junto aos comparsas Marcus Ferreira e Aurélio Schommer.

Lobão (é mais fácil reconhecê-lo por este) é um amante da boa literatura, fã de Borges, e detém uma bagagem cultural em vários campos da arte; música, teatro, cinema, artes visuais, etc. Compartilhamos a mesma paixão pelos sons psicodélicos, principalmente Pink Floyd e o álbum Paebirú, de Zé Ramalho e Lula Cortes. É um consumidor exigente de cultura e, beirando aos 30, possui uma produção errática de poemas, um legítimo engavetado digital, que mantém o blog Mensageiro dos Ventos, de onde os versos a seguir foram pilulados.

"...

Nunca preparou o alimento que comia.
Morreu envenenado.

------

palavra:
pá que lavra
a terra ignota.

------

Do ostracismo mostro a língua pro mundo,
O que vale dizer comer-vos-ei.

O ostracismo é um morro bem alto,
De onde vejo com olhos incrédulos
Pessoas-formigas se batendo lá embaixo.

A ostra cisma com o que não é fechado
Enquanto cismo com o exílio voluntário de mim mesmo.

O ostracismo é um bom lugar
Pra se olhar o firmamento.

------

Poesia:
Improviso de bárbaros
Na lida da civilização.

------

Voltei porque sim,
Porque motivos não há
Pra dizê-los.

Voltei apenas,
Porque era inevitável voltar a ver
O que poderia deixar.

Voltei impelido pela curiosidade,
Pelo fim em si mesmo
De voltar.

------

a impressão é que a alegria da virtude
não supera o prazer do vício.
a primeira parece se limitar em demasia
aos pudores imaculados
e dogmas restritos e fechados.
o segundo é uma entropia que tende ao infinito
num paradoxo inexplicável que beira o precipício.

------

minha cabeça é cheia de loucos
que enchem de gritos roucos
o ar parado da noite

------

Quando penso em meu pai vejo-me criança
E lágrimas me vêm aos olhos.
Foi lá que aprendi a amá-lo.

------

ao cair da noite, o momento é agora!
ganas de correr nu pelas ruas
vontade súbita de uns olhos pregados nos meus
a possibilidade de um corpo

tudo que vem há de voltar, numa forma ou noutra:
crua, ruminada ou digerida.

braços abertos dão guarida:
vem pousar tuas asas no meu peito.

------

sonhei um poema
que grudou na parede
depois de escapar pelo ouvido

meu corpo sonâmbulo
levantou em silêncio
loucomoveu-se em estrépitos
até a cozinha

abriu a gaveta
puxou uma faca
e voltou atrás dele

------

O mar é tanto
Que cala no fundo
O mote do acalanto.

------

quando levanto da minha cadeira torturadora
pra buscar um copo de plástico com água
ou um copo de água com plástico
todo o campo de visão se abre
e tua presença absoluta se impõe nesse quadro

arvoro-me a descrever-te
cajazeiro fundador da placidez

tens em teu tronco
um coração que pulsa a seiva
fortaleza que só a estupidez traspassa

preso nas correntes da sociedade da informação
testemunhando pandemias inventadas
e consciências propositadamente alienadas
aguardo ansioso o verão

------

uma sombra sem corpo
amorfa
buscando um sentido inexistente
que a essência da sombra é aparência
da presença de um ente

------

Chuva,
Encharca-me a roupa
Para que a ponha de lado,
E revele-me a alma
Na nudez do corpo.

------

o tempo já não ruge; resigna-se
ante a evidência singular de sua morte; temor
transfigurado em complacência.

------

o bom fim à casa torna
pra regurgitar um recomeço,
um certo retorno
com um quê de incondicional
e um tanto de excepcional
na maneira como os caminhos se abrem
e se confundem ao mesmo tempo,
criando um labirinto

------

Vi além do meu querer, esqueci o que tinha que esquecer,
Abrindo a facão picadas na mata da minha mente encalacrada,
Revelando trilhas desconexas e equivocadas
Sob a selva espessa da confusão.

Andei caminhos empoeirados de uma poeira limpa,
Que gruda no corpo sem sujá-lo, protegendo-o,
Livrando-o da bolha artificial de higiene na qual vive,
Lançando-o de pés descalços sobre o chão.

Destilei angústias em grandes cipoais de fumaça,
Senti o rio da água do rio descendo a garganta,
Criando vales de nomes impronunciáveis no corpo,
Preparando-o, branco e magro, para a última transmutação.

..."

Íntegra dos poemas Millôreando, Haikai, Do Ostracismo e Sem Título, e trechos dos poemas Voltei, Impressões, Cabeça em Farrapos, A Meu Pai, Dilema, Poema Inventado, Maré, Cajazeiro, Eclipse da Lua, Chuva de Maio, O Tempo, O Retorno de Saturno e Viajei, de Alan Lobo, publicados no blog Mensageiro dos Ventos (2007-2009). www.mensageirodosventos.blogspot.com

.

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Original x Versão - Whiskey in the Jar

Thin Lizzy, por David Warner Ellis (1978)

ERRATA!!!!

O caro Mário Jorge trouxe uma incrível contribuição para este parco blogueiro. A música Whiskey in the Jar não é de autoria da banda irlandesa Thin Lizzy, e sim uma canção tradicional da Irlanda, QUE POR SINAL TEVE A PRIMEIRA GRANDE EXPOSIÇÃO COM O GRUPO The Dubliners!!! Ops, cagada geral, assumo, assumo!!!

Então, a estreia desta 'pretensa' nova série do blog já foi histórica, COM A MAIOR BIZARRADA DESTE FACONIANO AQUI NO BLOG!

Perdoem-me, caros leitores, mas bola pra frente. Ainda bem que é um blog e dá tempo pra arrumar!!

Bem, Original x Versão vai tratar basicamente da inútil e recorrente questão que a tosca e digital "crítica" musical adora empenhar: qual é o melhor? Extratificando: qual é o melhor, o original ou a versão?

Então, após a puxada de orelha de Mário Jorge (muito obrigado!), vamos fazer a seguinte adaptação: O lado "original" deixa de ser do Thin Lizzy e passa para o tradicional grupo folk irlandês The Dubliners, formado em 1962, em uma versão ao vivo em Dublin - Irlanda, em 2006. Confiram abaixo:

The Dubliners - Whiskey In The Jar




Segue agora corrigido portanto duas versões pra Whiskey in the Jar. A primeira, com o fodástico grupo irlandês Thin Lizzy (que de tão boa levou-me ao erro infantil de creditá-la como da banda), dublando na TV uma versão editada em 1973. A segunda, ao vivo com o Metallica também em Dublin 2006. Relembrando que foi a banda americana que colocou a canção de volta à mídia, após um celebrado vídeo junkie que estourou na MTV em 1998 (principalmente pelas belas mulheres bêbadas), e que ajudou muito moleque a descobrir o som furioso do Thin Lizzy (inclusive este verminho que vos escreve).

Thin Lizzy - Whiskey in the Jar




Metallica - Whiskey In The Jar




Então, pra responder ao titio Jornalinho, qual é a melhor?

a) The Dubliners?
b) Thin Lizzy?

c) Metallica?



.

domingo, 8 de novembro de 2009

Intervalo: Foo Fighters



"...Do I stay or run away and leave it all behind?
It's times like these you learn to live again..."
.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Ano da França no Brasil #04


Entramos no último mês de atividades culturais do Ano da França no Brasil. A programação chega ao fim com diversos eventos de arte, cultura, dança, cinema e música, assim como colóquios acadêmicos e seminários internacionais. Pra se ter acesso a ela, basta acessar o site oficial, aqui.

Em Salvador, na área da música, vai rolar um evento imperdível a partir da próxima sexta 13, o Festival Músicas Mestiças, pra encerrar em grande estilo o intercâmbio por aqui. Mas antes de detalhar sobre este, o blog El Mirdad - Farpas e Psicodelia apresenta mais uma série de artistas e bandas francesas, selecionados em parceria com a amiga Irène Kirsch, adida cultural da França na Bahia.

E na semana que vem, não percam o último post Ano da França no Brasil por aqui, além de informações sobre o festival e sobre o último programa no Especial de Sábado da Educadora FM 107,5 dedicado à música francesa. Por enquanto, confiram abaixo mais seis representantes da França.




Albin de la Simone

www.myspace.com/albindelasimone

/site

Albin de la Simone - J'aime Lire



----------



Rose

www.myspace.com/rosekeren

/site





Rose - Ciao Bella



----------



Saule

www.myspace.com/saulevousetesici

/site

Saule - Personne



----------



Stephan Eicher

www.myspace.com/stephaneicher

/site

/wiki

Stephan Eicher - Confettis



----------



Radiosofa

www.myspace.com/sofamusic

/site





Radiosofa - Au Milieu de Toi



----------



Cali

www.myspace.com/brunocali

/site





Cali - Je Me Sens Belle



.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Bloguijabá: VII Festival de Música Educadora FM


Hoje, às 21h, pra quem está na Bahia, sintonizem a TVE (Canal 2) e a Educadora FM 107,5 pra acompanhar ao vivo a cerimônia de entrega de prêmios do VII Festival de Música Educadora FM. Estou fazendo a Direção Artística, da Cerimônia e o roteiro do evento.

Vejam e critiquem! Já estou especialista em premiações!

Acompanhem pela internet via: TVE e Educadora FM

Vai rolar Retrofoguetes e Robertinho Barreto, e os convidados Armandinho, Aroldo Macedo e Baiana System, em uma homenagem aos mestres Dodô & Osmar.

.

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Bloguijabá: Entrevista pra JIVM


Caros, já está no ar a entrevista que o amigo poeta JIVM fez comigo para o seu blog excelente, o Cavaleiro de Fogo, além de três poemas do meu livro inédito em papel (e postado na íntegra aqui no blog) Deserto Poema. Confiram e comentem (aqui é o link direto). Ficou bacana!

Muito obrigado pelo espaço, motor da poesia baiana, meu amigo Inácio!

.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Pílulas: Georgio Rios


Georgio Rios é natural da cidade de Riachão do Jacuípe, e eu tive acesso a sua obra pelo blog Cavaleiro de Fogo, de JIVM. O poeta de 1981 é graduado em Letras com Espanhol pela UEFS, e publicou Só Sobreviventes (Tulle, 2008), uma coletânea de poemas em parceria com os poetas Paulo André e Thiago Lins. Mantém e edita o blog Modus Operandi, onde publica seus poemas.

Em agosto, JIVM o entrevistou para a seção Sangue Novo (leia aqui), e logo na primeira pergunta, apedrejou: “Por que ser poeta?”. Georgio sentenciou: “Não consigo ficar sem escrever ... É imperativo, escrevo, logo existo”.

"...

Sobre a velha ponte
fiz passar meus medos.

Em fila,
os tangi para o outro lado.

Pela outra
rua,
meus novos medos
chegavam

------

toda mulher
é um mar

toda musa,
uma baia

nós
cães
catando migalhas
ao pé da
mesa

------

Uma única palavra
rompe
as portas do ouvido

A cidade é a cova rasa onde desabam
os homens
amontinados

Cada página é um deserto
de inúmeros seres
que se escondem em metáforas

(cães gestando cães na tarde)

------

Ir além da formula de triturar os
cantos do dia
e
argüir a ânsia desenfreada
de seguir em certa direção.

É preciso a precisão das facas
na superfície líquida da lâmina,
na dança ereta do sabre,
nas dobras do espelho,

O nó desencava o nu
do dia.

A faca tem sede de reflexos.
O espelho tem fome de luz.

------

Estar no mundo como um inseto
no bico do pássaro...

Num passeio rápido, plástico
ao desconhecido.

Um rasante vôo,
de ver o azul que
reparte os céus.

------

Passamos,
pesamos os passos,
e nem pensamos que somos
feitos de fatos.

- Não tenho relógios.

------

A tarde é a isca para alimentar as feras
Elementos do exercício das dobras.

Lá fora, entre as altas cavas dos prédios,
a pressa dos homens
marchando,
para a morte certa de cada sono.


------

É do barro, das águas fundas
que emana o homem.

Destas águas barrentas,
deste
verde regado a sal e sol
que se faz a bruta forma.

Resta mergulhar, neste rio
abissal que é
estar no mundo.

------



Os segundos,
mentiras bem
arrumadas e prontas
a iludir
ostentam como reis
Vida e Morte...
deixam-nos à sorte
para consolar os
enganados, inertes
diante do seu vago passar.

------

Desligar o celular.
As células.

Abrir os olhos e ver
que o pôr do sol
não é mentira.

Amputar a soberba
e sóbrio desequilibar
o fio do arame.

------

Não importa quais as luzes que saem
das pequenas cavernas escavadas nas paredes da casa.

Uma tarde é uma fenda na trajetória do dia.

------

Retirar a casca
retirar os cacos
a reforma do barro
traz o homem que sou.

só o amanhecer
e o cair da tarde
falam sem alarde
os segredos do som...

------

Pois
o Sertão é isso:
uma vasta estrada que sai cá de dentro
e arruma num sem fim de veredas
um não sei quanto de caminhos

..."

Trechos dos poemas Ponte, Odisséia, Surpresa, Baile de Facas, Risco, O Mundo é uma Porta Aberta, Mudança, Sedimentos, Horas, Pôr do Sol, A Criação das Janelas, Dedilhado e Matutando sobre o Sertão, de Georgio Rios, publicados no blog Modus Operandi (2009). www.georgio-rios.blogspot.com

.

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Intervalo: Yun-Fat

Yun-Fat

A Yun-Fat fez um dos melhores shows do Festival Bigbands 2009 ontem à tarde, no segundo dia do evento. Mas o foco do post de hoje é o clipe da música He Wants a Bullet Between His Eyes, que concorreu a Música do Ano na 1ª edição do Prêmio Bahia de Todos os Rocks em 2008 (ficou em 2º lugar na votação pela internet), e é o grande destaque do primeiro CD dos caras, Action Movie Stunts Get to Die (Torto Fonogramas 2007).

Lançado na segunda-feira passada (19/10), o clipe é mais um bom resultado do projeto Oficina Geração Bit, e tem como diretores e roteiristas, David Campbell, Danilo Castor e Núbia Teixeira. Segundo o release do Youtube, trata-se da "história de um jovem confuso entre tantas faces, do animador de festa ao 'metaleiro' que nos shows pode mostrar todo o seu lado malvado enquanto sua mãe o espera em casa com seu leitinho e presentes para o filhinho que nunca cresce".

Confiram abaixo a paródia deste porrada broca na testa paiaçada tu nem aí doce minino Yun-Fat:

Yun-Fat - He Wants a Bullet Between His Eyes



.

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Ano da França no Brasil #03


O blog El Mirdad - Farpas e Psicodelia apresenta mais uma série de artistas e bandas francesas, em comemoração ao Ano da França no Brasil, neste 2009 de turbulências. A amiga Irène Kirsch, adida cultural da França na Bahia, vem apresentando, desde julho, no Especial de Sábado da Educadora FM 107,5, programas dedicados à música francesa. O próximo será em novembro, com um balanço completo sobre as diversas ações culturais que rolaram no país e por aqui. Agora, confiram abaixo mais seis representantes da França.





-M- (Matthieu Chedid)

www.myspace.com/matthieuchedid

/site

/wiki

- M - - Qui de Nous Deux



- M - - La Bonne Étoile



----------



Autour de Lucie








www.myspace.com/autourdeluciemyspace

/site

/wiki

Autour de Lucie - Personne N'Est Comme Toi




----------



Tom Poisson

www.myspace.com/tompoisson

/site





Tom Poisson - Mon Ami Sans Voix



----------




Helena Noguerra








www.myspace.com/helenanoguerrafraisevanille

/wiki

Helena Noguerra - Minimum



----------



Kyo

/site

/wiki





Kyo - Je Cours



----------



Vincent Delerm

www.myspace.com/vdelerm

/site





Vincent Delerm - Quatrième de Couverture




.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Intervalo: Teclas Pretas

Teclas Pretas - Cidade Subtraída (e os Perigos do Sonambulismo Filosófico)



Cidade Subtraída (e os Perigos do Sonambulismo Filosófico), novíssimo clipe do duo Teclas Pretas, que foi lançado ontem à noite, na sala de arte da UFBA, junto aos demais clipes do projeto Oficina Geração Bit (que tem, entre outros, Retrofoguetes, Nancyta e Yun Fat).

A música foi lançada recentemente no EP Nó dos Mais Gravatas (download aqui), e é de autoria de Glauber Guimarães (entrevistado por Chico Castro Jr. na revista Muito do último domingo - leia aqui no blog desta), que junto a Jorge Solovera, forma o duo Teclas Pretas, interessante projeto que sobrevive a carreira deste brilhante e experimental artista que é Glauber (bota pra frente, Gaubito!).

O clipe tem a direção de Rodrigo Araújo e Diego Haase, com a edição de Wallace Nogueira, e ficou bem bacana, ambientado na Estação da Calçada entre outras locações da downtown baiana. Além de ter a presença da atriz Laíse Leal, vencedora do concurso de Pin Ups da festa Pin Ups and Hot Rods.

.