Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2014

Nostalgia da Lama no Jornal A Tarde

Nostalgia da Lama no jornal A Tarde de 31/05/2014 

O lançamento do meu livro de poemas Nostalgia da Lama (Cousa/2014) em destaque no jornal A Tarde de hoje, 31/05/2014, em uma matéria muito legal da jornalista Mariana Paiva. Hoje é o dia do lançamento e será das 16h às 19h na RV Cultura e Arte, info aqui.
Aproveite e veja a matéria no programa de TV Mosaico Baianoaqui e no jornal Correioaqui.

Matéria ampliada do A Tarde de 31/05/2014 uma honra pra mim que foi feita pela poetisa Mariana!

Versão digital da matéria

Pílulas: Parte 01 - Memórias, de Nelson Rodrigues

Nelson Gonçalves (foto: Divulgação - interferida por Mirdad)

"Minha família morava diante do mar. Mas o mar, antes de ser paisagem e som, antes de ser concha, antes de ser espuma – o mar foi cheiro. Há ainda um cavalo na minha infância profunda. Mas também o cavalo foi cheiro. Antes de ser uma figura plástica, elástica, com espuma na ventas – o cavalo foi aroma como o mar"


"Se as novas gerações me perguntassem o que era "A vida como ela é...", diria: – "Era sempre a história de uma infiel." Apenas isso. E o leitor era um fascinado. Comprava a Última Hora para conhecer a adúltera do dia. Claro que, na minha coluna, também os homens traíam. Mas o que o público exigia era mesmo a infidelidade feminina. Quando saí da Última Hora, e acabei "A vida como ela é...", o telefone não parava. Homens e mulheres queriam saber se não ia sair mais e por quê. Dir-se-ia que o problema do brasileiro é um só: – ser ou não ser traído"


"O que dá ao hom…

Nostalgia da Lama no Jornal Correio

Nostalgia da Lama no jornal Correio de 27/05/2014 


O lançamento do livro de poemas Nostalgia da Lama (Cousa/2014) em destaque no jornal Correio de hoje, 27/05/2014, em uma matéria massa do jornalista Roberto Midlej. Sábado 31/05 a partir das 16h na RV Cultura e Arte, info aqui.

Aproveite e veja a matéria no programa de TV Mosaico Baianoaqui.


Jornal Correio de 27/05/2014 - uma honra pra Mirdad estar ao lado de Graciliano Ramos

Composições de Mirdad: Neither Gods, Nor Devils — The Orange Poem

Flertando com os anos 80, traz uma sonoridade diferente da obra da Orange Poem: um progressivo que mistura U2 com The Cure, além de uma homenagem à surf music de Dick Dale. O poema é um relato de um inconformado, disparando contra a reprodução a esmo ao invés da própria criação, que pede canções ao invés de discursos, propõe matar todos os ícones e soterrar seu legado, e sentencia: não há evolução. Segunda canção do EP Unquiet (lançado em abril de 2014), traz a voz folk do cantor Rodrigo Pinheiro (ex-Besouros do Sertão e atual Mulher Barbada) e uma parede de sintetizadores por Tadeu Mascarenhas.



Não consegue visualizar o player? Ouça no YouTube aqui



Não consegue visualizar o player do Soundcloud? Ouça aqui


Neither Gods, Nor Devils
(Emmanuel Mirdad)
BR-N1I-14-00006

I ask for songs, instead of speeches
Brothers with no enemies, sex with devotion
Let’s kill all the icons and bury their legacy
Masks for the parties, faces for the mirrors

I ask for pride to any written verse
Kill the influ…

Nostalgia da Lama no Mosaico Baiano

Panorama da poesia baiana contemporânea pelo programa Mosaico Baiano (24/05/2014), com a presença do poeta Emmanuel Mirdad apresentando o seu 1º livro de poemas, Nostalgia da Lama (Cousa/2014). Filmado pelo celular diretamente da TV. Presença da poetisa Mariana Paiva, do editor Dhan Ribeiro da Kalango, e do presidente da Academia de Letras da Bahia, Aramis Ribeiro Costa.

Portal iBahia destaca o lançamento do Nostalgia da Lama

O lançamento do livro de poemas Nostalgia da Lama (Editora Cousa/2014) em destaque no portal iBahia.com - veja aqui


Destaque no Face do iBahia - 22/05/2014

Destaque no Twitter do iBahia - 22/05/2014

Destaque no Twitter do iBahia - 22/05/2014 - veja aqui

Vamos ouvir: Axé, de Enio

Axé (2014) - Enio
Para ouvir, clique no player laranja abaixo, à esquerda do nome do álbum.



Não consegue visualizar o player? Ouça aqui

Release disponível no site do artista:

"
Enio lança “Axé”

O segundo álbum do artista conta com participações de Saulo, Seu Jorge, Mateus Aleluia, Letieres Leite e Sanbone Pagode Orquestra


Axé, nome do mais novo CD do músico e compositor Enio que será lançado no dia 21 de março, às 19h, no Teatro Eva Herz – Livraria Cultura Salvador Shopping, dialoga com a ancestralidade por sua letra e ritmo, onde representa a essência da Música Popular Brasileira. Para esse trabalho, o artista também faz uso de elementos eletrônicos, rock, soul e referências do pop. Com a influência de gêneros musicais fortes e a experiência de mais de 10 anos de carreira, o cantor foi construindo o repertório do CD que conta com uma lista de participações especiais.

Gravado nos estúdios Ministereo (Rio de Janeiro) e Estúdio T (Salvador), “Axé”, foi produzido por feras, como Jr Tos…

Orange Poem lança o EP Wide na segunda 02 de junho

Nancy Viégas é a voz do novo EP da Orange Poem


O produtor Emmanuel Mirdad continua a série de relançamentos da obra da banda psicodélica progressiva The Orange Poem, repaginados com vozes diversas. O novo EP se chama Wide, e será lançado na segunda 02 de junho, e a grande novidade é que pela primeira vez com a presença de um vocal feminino, da cantora, compositora, produtora e múltipla artista Nancy Viégas (atual Radiola e ex-Crac! e Nancyta e os Grazzers), considerada uma das divas do rock baiano (ao lado de Pitty e Rebeca Matta).

O EP Wide, que foi gravado por Tadeu Mascarenhas no estúdio Casa das Máquinas e tem Glauber Guimarães assinando a bela capa, traz duas composições de Emmanuel Mirdad, o blues "Wideness" e a psicodélica "Lost Mails", e a única música composta até então pela banda, o groove rock "Shining". Foi um desafio para Nancy gravar as músicas, já que o tom delas está numa região bem grave para sua voz, e o resultado surpreende, com a abert…

Marilyn Monroe por Nelson Rodrigues

Marilyn Monroe por Tom Kelley

"Ora, quem se mata tem, automaticamente, o meu amor. E, além disso, prefiro as neuróticas ... Saí do portão, fui comprar cigarros e só pensava na suicida. Na sua adolescência, Marilyn posou nua para uma folhinha. E esse impudor mercenário foi, ao mesmo tempo, de uma fulminante eficácia promocional. Do dia para a noite, ela se tornou célebre: - célebre e nua, célebre porque se despira. Daí para Hollywood, a distância seria um milímetro.

A folhinha correu mundo. Foi desejada em todos os idiomas. Nos botecos de Bombaim, ou do Cairo, ou de Cingapura, os paus-d'água sonhavam com o frescor implacável de sua nudez. Ao mesmo tempo, ela se tornava uma grande atriz ... Tudo espantosamente inútil. Se ela fosse nomeada Rainha da Inglaterra, ou promovida a Madame Curte, ou carregada num andor - daria no mesmo. Nenhuma coroa, nenhuma estrela, nenhum manto - nada a salvaria de sua própria nudez"

Nelson Rodrigues em "Memórias" (Agir/2007)