Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2020

Dez passagens de Rita Lee no livro “Rita Lee: uma autobiografia”

Rita Lee - foto daqui

“(...) os Mutas elegeram Bruce Lee o herói da vez e nos matriculamos na academia Ito de caratê, na Domingos de Morais. Tudo ia bem até que uma prima dozmano, recém-chegada não lembro de onde, também se matriculou na mesma academia. Eu sei que La Bellissima (vou chamá-la assim para não ser processada por assassinato de reputação), além de comer os primos e todos os alunos, também seduziu nosso professor de caratê que, desesperado de paixão, abandonou mulher e filhos (...) logo depois do escândalo a academia fechou. O mais hilário dessa história foi descobrir que hoje La Bellissima é monja pura, radical, dessas que mudam o nome, raspam a cabeça, usam batina marrom e pregam castidade. Adoro ex-vedetes convertidas.”


“Um dia a máquina de costura Singer de Chesa engasgou e veio um técnico da firma. Me contaram que eu brincava no chão da copa enquanto minha mãe mostrava pro cara onde a coisa estava enguiçada. O telefone tocou, ela saiu para atender. Quando voltou, me en…

Música para Escrever #44 — All Shall Be Well (AASBWAAMOTSBW), Besides, The Sound of Rescue, Stafrænn Hakon, powder! go away, the abyss inside us, Hiboux, zugabe, Homo_Novus. e 流浪星球

Preto-verde, amarelo-preto, azul-amarelo, vermelho-azul: tudo é. Os espectadores reconhecem: “nós estivemos tão errados”. A abertura das formas numa válvula-saco revela o crânio de Kobbi, que quer adquirir um jipe mais perto do frio. “Não sabemos quando começou, mas sabemos que nunca terminará”. E Laika ainda quer ir para casa, a felicidade perdida da estrada que leva a outra, “comandar a Terra para me engolir” em voos noturnos. “Semeie o vento” são fragmentos de um dicionário de sinônimos, o oceano perdido. Confira o post #44 da série Música para Escrever, com os melhores sons de post-rock, a alumiar a mente e transcender em palavras.

All Shall Be Well (AASBWAAMOTSBW) Haarlem | Holanda Bandcamp aqui Facebook aqui Foto daqui
Melhor disco para escrever
"ZWARTGROEN" (2020) Ouça aqui
Para continuar escrevendo
"GEELZWART" (EP) (2016) Ouça aqui
"BLAUWGEEL" (2014) Ouça aqui
"ROODBLAUW" (2011) Ouça aqui
---------
Besides Brzeszcze | Polônia Bandcamp aqui

Revisando os anos 10: Livros

Os 372 livros lidos nos anos 10
Nos anos 10, li 372 livros. Foram 98 livros de contos (26,34%), 80 romances/novelas (21,50%), 71 de poesia (19,09%), 27 de crônicas (7,26%), 22 HQs (5,91%), 18 biografias (4,84%), 14 de ensaios (3,76%) e 42 de outros gêneros (história, teatro, memórias, etc.). A maioria foi de literatura brasileira (78,23% – 291 livros), mas a estrangeira também foi prestigiada (21,77% – 81 livros).

O livro predileto dos anos 10 foi “Estação infinita e outras estações” (Bertrand Brasil, 2012), de Ruy Espinheira Filho, compreendendo a notável obra poética do grande mestre baiano, de 1966 a 2012. Completando o top five dos anos 10: o romance de guerra e política “Mayombe” (Leya, 2013), de Pepetela, o maior escritor angolano; “O beijo e outras histórias” (Editora 34, 2014), a melhor antologia de contos em português do genial Anton Tchekhov (traduzida por Boris Schnaiderman); o cinematográfico livro de crônicas “Memórias – A menina sem estrela” (Agir, 2007), de Nelson Rodri…