Pular para o conteúdo principal

Lançamento do livro Nostalgia da Lama, de Emmanuel Mirdad



Curador da Flica lança o livro de poemas Nostalgia da Lama


O escritor, compositor e produtor cultural Emmanuel Mirdad lança seu novo livro, “Nostalgia da Lama”, no sábado 31 de maio a partir das 16h na RV Cultura e Arte (Rio Vermelho, no começo da rua da praia do Buracão).


O livro de poemas é o primeiro lançamento do autor pela editora capixaba Cousa. “Em 2013, quando prospectava um projeto de festa literária no Espírito Santo, intermediado pelo poeta baiano Wladimir Cazé, conheci o editor da Cousa, Saulo Ribeiro. A postura artística da editora, que publica também o cronista baiano Paulo Bono, me aproximou e estou muito contente em fazer parte de seu catálogo”, explica Mirdad.


Curador da Flica, a festa literária internacional que acontece em Cachoeira, recôncavo baiano, o escritor estava sem lançar livro desde 2010, quando estreou no mercado com o livro de contos “Abrupta Sede” pela baiana Via Litterarum. “Dediquei muitos anos à árdua tarefa de produzir eventos, relegando minha carreira autoral, tanto literária quanto musical, enquanto o meu companheiro de curadoria da Flica (o também escritor Aurélio Schommer) tem oito ou nove livros lançados, e tá sempre produzindo. Resolvi então correr atrás pra não dar vexame. A prateleira da Flica com vários livros do Aurélio e eu apenas com um? Assim perco credibilidade, né?”, brinca Mirdad. Aurélio, inclusive, fez a revisão do livro e o Selo A a editoração.


A expressão nostalgia da lama vem do francês nostalgie de la boue. O poeta e dramaturgo francês Émile Augier (1820-1899) apresentou-a na peça "Le Mariage d'Olympe" (1855) que, segundo o professor e crítico John Gledson, "mostra a maldade da heroína, Olympe Taverny, ex-cortesã que se casa com o Marquês de Puygiron, mas, por tédio (ou por 'nostalgia da lama'), acaba voltando a seus antigos hábitos". O mestre Machado de Assis (1839-1908) traduziu cenas da peça e utilizou a expressão no conto "Singular ocorrência" (1883) como "uma frase de teatro que pode explicar a aventura", no caso, da também ex-cortesã Marocas.


Pois a Nostalgia da Lama de Emmanuel Mirdad contém 100 poemas e traz acidez, frustração, angústia, paixão e espetos de um feroz nômade contemporâneo, ilustrado pela bela pintura "Série Nus" de Nelson Magalhães Filho, com prefácio do professor e crítico André Setaro e posfácio do poeta e filósofo Ildegardo Rosa, seu pai, falecido em 2011.  Estreando em livro de poemas, embora os escreva desde 1996, o poeta laranja apresenta suas farpas psicodélicas em uma jornada sobre o cotidiano e o tênue disfarce ilusório que nos habituamos a amar e a chamar de realidade. “São uns poemas crônicos, meus enquadros de fatos, ferinos ou micropatéticos, transitando na superfície ácida dos encontros e desencontros das relações humanas”, sintetiza Mirdad.


Evento no Facebook aqui


Serviço
Evento: Lançamento do livro “Nostalgia da Lama” (Cousa/2014), de Emmanuel Mirdad
Dia: Sábado, 31 de maio de 2014
Horário: A partir das 16h
Local: RV Cultura e Arte – Rua Barro Vermelho, 32, Rio Vermelho, Salvador-BA
Info: (71) 3347-4929
Valor do livro de capa dura: R$ 35,00
Foto: Léo Monteiro

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…