Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Georgio Rios


Georgio Rios é natural da cidade de Riachão do Jacuípe, e eu tive acesso a sua obra pelo blog Cavaleiro de Fogo, de JIVM. O poeta de 1981 é graduado em Letras com Espanhol pela UEFS, e publicou Só Sobreviventes (Tulle, 2008), uma coletânea de poemas em parceria com os poetas Paulo André e Thiago Lins. Mantém e edita o blog Modus Operandi, onde publica seus poemas.

Em agosto, JIVM o entrevistou para a seção Sangue Novo (leia aqui), e logo na primeira pergunta, apedrejou: “Por que ser poeta?”. Georgio sentenciou: “Não consigo ficar sem escrever ... É imperativo, escrevo, logo existo”.

"...

Sobre a velha ponte
fiz passar meus medos.

Em fila,
os tangi para o outro lado.

Pela outra
rua,
meus novos medos
chegavam

------

toda mulher
é um mar

toda musa,
uma baia

nós
cães
catando migalhas
ao pé da
mesa

------

Uma única palavra
rompe
as portas do ouvido

A cidade é a cova rasa onde desabam
os homens
amontinados

Cada página é um deserto
de inúmeros seres
que se escondem em metáforas

(cães gestando cães na tarde)

------

Ir além da formula de triturar os
cantos do dia
e
argüir a ânsia desenfreada
de seguir em certa direção.

É preciso a precisão das facas
na superfície líquida da lâmina,
na dança ereta do sabre,
nas dobras do espelho,

O nó desencava o nu
do dia.

A faca tem sede de reflexos.
O espelho tem fome de luz.

------

Estar no mundo como um inseto
no bico do pássaro...

Num passeio rápido, plástico
ao desconhecido.

Um rasante vôo,
de ver o azul que
reparte os céus.

------

Passamos,
pesamos os passos,
e nem pensamos que somos
feitos de fatos.

- Não tenho relógios.

------

A tarde é a isca para alimentar as feras
Elementos do exercício das dobras.

Lá fora, entre as altas cavas dos prédios,
a pressa dos homens
marchando,
para a morte certa de cada sono.


------

É do barro, das águas fundas
que emana o homem.

Destas águas barrentas,
deste
verde regado a sal e sol
que se faz a bruta forma.

Resta mergulhar, neste rio
abissal que é
estar no mundo.

------



Os segundos,
mentiras bem
arrumadas e prontas
a iludir
ostentam como reis
Vida e Morte...
deixam-nos à sorte
para consolar os
enganados, inertes
diante do seu vago passar.

------

Desligar o celular.
As células.

Abrir os olhos e ver
que o pôr do sol
não é mentira.

Amputar a soberba
e sóbrio desequilibar
o fio do arame.

------

Não importa quais as luzes que saem
das pequenas cavernas escavadas nas paredes da casa.

Uma tarde é uma fenda na trajetória do dia.

------

Retirar a casca
retirar os cacos
a reforma do barro
traz o homem que sou.

só o amanhecer
e o cair da tarde
falam sem alarde
os segredos do som...

------

Pois
o Sertão é isso:
uma vasta estrada que sai cá de dentro
e arruma num sem fim de veredas
um não sei quanto de caminhos

..."

Trechos dos poemas Ponte, Odisséia, Surpresa, Baile de Facas, Risco, O Mundo é uma Porta Aberta, Mudança, Sedimentos, Horas, Pôr do Sol, A Criação das Janelas, Dedilhado e Matutando sobre o Sertão, de Georgio Rios, publicados no blog Modus Operandi (2009). www.georgio-rios.blogspot.com

.

Comentários

Mayrant Gallo disse…
GR foi meu aluno e hoje é meu amigo. Nada acrescentei à sua poesia, que estava pronta e só evoluiu, como tudo na vida. Abraço aos dois!
Georgio Rios disse…
Caro Mirdad, meu muito obrigado por esta divulgação e pela atenta leitura que fizeste deste meu pequeno inventário de sonhos. Ao Mayrant, mestre e a amigo a admiração e o agradecimento!!!Um grande abraço!
Fabrício disse…
Muito bom esse espaço, que encontrei pelo blog do Georgio, que acompanho e acho um excelente poeta; de modo que conheço boa parte dos textos.


Parabéns Georgio pelo espaço e o Mirdad pelo "olho".



Abraços;
Fabrício
Mirse Maria disse…
Georgio, como é bom lê-lo também em outro espaço!

Estas suas pílulas, são as melhores que já li. Você está sempre em evolução ou em ebulição!

Ao Mirdad, meu agradecimento pelo reconhecimento da belíssima poesia de Georgio!

à Você. amigo os parabéns e um forte abraço!

Mirse
Anônimo disse…
Versos que transbordam como Rios. Ficamos cheios de poesia.

Grande abraço, poeta.

Gorj
Caio Rudá disse…
O amigo Georgio rumo ao reconhecimento que merece.
JIVM disse…
Georgio é um poeta em franca evolução. A sua produção até agora já demonstra a força do seu veio poético e fineza do seu lirismo. Georgio Rios - podem gravar.

JIVM

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…