Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Tarcísio Buenas

Tarcísio Buenas

Não sei ao certo se conheci Tarcísio Buenas na saudosa loja de discos São Rock, onde trabalhava como bibliotecário e desanuviador de ignorâncias, mas de fato poucas palavras conversamos. Conheci, porém, seus escritos neste 2009 de turbilhões, através dos dois blogs que mantém: On The Rocks e La Verga Del Buenas.

No primeiro, publica resenhas musicais de grande apreço, além de cinema e variedades de sua vida em cavanhaque. No segundo, escracha a tela com poemas eróticos chulapa na xana, sem perhaps, diretos e francos, mobilidade nas lamas da cidade de dentro de cada um. E é deste (o terceiro ainda não vi, confesso) que trago as pílulas abaixo, que particularmente gosto muito, por esganiçar as maldades reais do ser humano.

Mas quem é Tarcísio Buenas? Nas palavras do próprio: "Sou Tarcísio Santana. Meus amigos me chamam carinhosamente de Tarcísio do Disco ou Buenas. Por isso me auto-batizei DJ Buenas. Nasci em Cruz das Almas-Ba em 18 de Maio, data da morte de Ian Curtis e dos enterros de Chet Baker e de meu pai. Sou formado em Artes Cênicas".

"...

uma criança faz
sexo oral no velho
da banca de jornal

Suas lágrimas se confundem
com jatos de esperma
encharcando
seu lindo rostinho

------

Eu que não te amo, nunca te amei
sinto falta das tuas carícias
da tua colada na boca
de passar minha língua pelo teu queixo
enxugando tua baba

Eu que sempre tive paciência - em teus momentos
mais tensos - esperar pelo teu gozo
sentada em meu caralho esplêndido de vigor & dilacerante & fulminante

Eu que não acredito no amor, nunca acreditei
desejo por teu sorriso tímido
tua indecisão, tua fragilidade -
teu pessimismo para com sua beleza -
assim como o amor que não acredito.

------

"no cu não, no cu não"
ela grita desesperada

"ai! ai! tá doendo"

ele bate forte em sua bunda
ela grita: "goza logo, porra!"

"cala a boca, caralho!"

nunca tinha ouvido a voz
daquele cara antes

parecia tranquilo
sempre cumprimentando os moradores
do prédio parque das agruras

------

"Qual a diferença entre a polícia
e o bandido", alguém pergunta

"A polícia usa farda", alguém responde

Gargalhadas em uníssono

A sociedade até que não é
tão idiota assim

(...)

Ela não espera
tirar
meus sapatos

Puxa-me
pela gravata

Passo a mão
por sua franjinha

Está menstruada

Mas ela não se
incomoda
com essas coisas

Nem eu.

------

Suporto suas carícias e não reclamo
Já enxerguei a morte numa ladeira
escura e estreita
"você vai descer aí?", perguntou o motorista

------

Ela era insaciável
"Você gosta da minha bucetinha, hein?"
"Adoro!"
"É sua"
"Sei..."

O telefone toca
ele atende
era sua ex-mulher
gritando, disse:
"Você já pagou a escola dos meninos?
a irmã tá me cobrando direto!"

Desligou

"Caralho!"

------

entre portões e cercas
de arame farpado

você fica mais à vontade
quando estou embriagado
se solta mais,
se doa mais

minha embriaguez
é um santo
remédio

sua buceta molhadinha...
a calcinha
no meio das pernas
minha língua
deslizando
maliciosamente

mesmo que seja
por uns instantes
ouvir seus gemidos
é minha missão.

------

Meu caralho não diferencia
As putas das santas
Mas quem são as santas?

..."

Trechos dos poemas Nas Pequeninas Horas, Balada de um Romântico Solitário, São Cinco Horas e os Vizinhos Gemem, Nas Pequeninas Horas (2° Parte), Uma Jarra de Suco de Cereja, Marina Tinha Vinte Anos, Teu Olhar é um Enigma e Toda Puta é Triste, de Tarcísio Buenas, publicados no blog La Verga Del Buenas (2008/2009). www.lavergadelbuenas.blogspot.com

.

Comentários

On The Rocks disse…
meu caro mirdad,

muito obrigado pelo carinho e divulgação do meu trabalho.

adorei o "bibliotecário e desanuviador de ignorâncias", do caralho! (rsrss)

conte comigo pro que der e vier.

abraços,

tarcísio buenas.
Bruno disse…
poemas de pernas abertas... é difícil fazer a putaria ser poética sem a fruição tátil... rsrs... gostei dos escritos. Acho que Buenas conseguiu.
***Su*** disse…
Show! Adorei seu blog e a homenagem é justíssima. Buenas é Buenas!!

Também gosto muito dos poemas que ele escreve e já o coloquei juntinho de escritores como Safo e Nelson Rodrigues quando falei de algo a respeito em meu blog. Demais!!!

bjks

Sue
Tamara disse…
me apresento de costas justamente pq sei que tem quem não beba e leia o q escrevo.
como confiar em alguém que não bebe??? meus olhos estão nas pontas dos meus dedos cada vez q posto alguma coisa.
Mirdad disse…
Fala, Tarcísio, vamos nessa, movimentando essa blogosfera!!!

Bruno, Sue e Tamara, sejam bem vindos!
Tamara disse…
por que minhas desconfianças te importunaram?
o fato de eu desconfiar não significa que eu não possa gostar de pessoas com aquelas características.

não me leve tão a sério... eu mesma não faço isso!
Érica disse…
Eu fiquei impressionada quando eu li Tarcísio. Primeiro foi o "On the rocks" que eu achei fantástico, depois lavergadelbuenas, com esses poemas que, sinceramente, fora ser otimamente escrito, sem melodramas e cheio de paixão, são de um tesão só. Mais que merecida a homenagem.
Beijos
Luciano Fraga disse…
Caro amigo , passando por aqui para prestigiar o amigo Buenas e aproveitando do seu belo espaço também, parabéns(pelo blog e pela merecida homenagem),abraço.
Anônimo disse…
buenas eh o cara. tenho uma inveja dele da porra. eh o blogueiro q tem mais fãs feminimas da internet.
anjobaldio disse…
Valeu a justa homenagem ao nosso amigo Buenas! Grande abraço.
Mirdad disse…
Em breve, projeto livro pra Tarcísio.
Adriana Godoy disse…
Pô, o Buenas é o cara. Gosto desse rapaz desanuviador de ignorâncias, gosto do que ele escreve e das suas dicas e percepções sobre a boa música. Seus poemas também no La Verga são de arrepiar todos os pelos. Não o conheço pessoalmente, mas parece que sim. Então é isso. Foi bom conhecer o seu espaço. bj

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…