Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Alan Lobo


Conheci Alan Lobo na Faculdade de Comunicação da UFBA, nos melhores ins’anos faconianos que se tem ideia naquele recinto. Lá, no mesmo dia, me formei jornalista, e ele, produtor cultural. Quase fomos sócios em uma produtora que se chamaria Flor da Cruz, mas houve um desarranjo, e o potencial ficou na teoria. Mas fizemos um competente trabalho na Cerimônia de Entrega do Prêmio Bahia de Todos os Rocks 2008, e hoje ele é um dos sócios de um big projeto que faremos em 2010, junto aos comparsas Marcus Ferreira e Aurélio Schommer.

Lobão (é mais fácil reconhecê-lo por este) é um amante da boa literatura, fã de Borges, e detém uma bagagem cultural em vários campos da arte; música, teatro, cinema, artes visuais, etc. Compartilhamos a mesma paixão pelos sons psicodélicos, principalmente Pink Floyd e o álbum Paebirú, de Zé Ramalho e Lula Cortes. É um consumidor exigente de cultura e, beirando aos 30, possui uma produção errática de poemas, um legítimo engavetado digital, que mantém o blog Mensageiro dos Ventos, de onde os versos a seguir foram pilulados.

"...

Nunca preparou o alimento que comia.
Morreu envenenado.

------

palavra:
pá que lavra
a terra ignota.

------

Do ostracismo mostro a língua pro mundo,
O que vale dizer comer-vos-ei.

O ostracismo é um morro bem alto,
De onde vejo com olhos incrédulos
Pessoas-formigas se batendo lá embaixo.

A ostra cisma com o que não é fechado
Enquanto cismo com o exílio voluntário de mim mesmo.

O ostracismo é um bom lugar
Pra se olhar o firmamento.

------

Poesia:
Improviso de bárbaros
Na lida da civilização.

------

Voltei porque sim,
Porque motivos não há
Pra dizê-los.

Voltei apenas,
Porque era inevitável voltar a ver
O que poderia deixar.

Voltei impelido pela curiosidade,
Pelo fim em si mesmo
De voltar.

------

a impressão é que a alegria da virtude
não supera o prazer do vício.
a primeira parece se limitar em demasia
aos pudores imaculados
e dogmas restritos e fechados.
o segundo é uma entropia que tende ao infinito
num paradoxo inexplicável que beira o precipício.

------

minha cabeça é cheia de loucos
que enchem de gritos roucos
o ar parado da noite

------

Quando penso em meu pai vejo-me criança
E lágrimas me vêm aos olhos.
Foi lá que aprendi a amá-lo.

------

ao cair da noite, o momento é agora!
ganas de correr nu pelas ruas
vontade súbita de uns olhos pregados nos meus
a possibilidade de um corpo

tudo que vem há de voltar, numa forma ou noutra:
crua, ruminada ou digerida.

braços abertos dão guarida:
vem pousar tuas asas no meu peito.

------

sonhei um poema
que grudou na parede
depois de escapar pelo ouvido

meu corpo sonâmbulo
levantou em silêncio
loucomoveu-se em estrépitos
até a cozinha

abriu a gaveta
puxou uma faca
e voltou atrás dele

------

O mar é tanto
Que cala no fundo
O mote do acalanto.

------

quando levanto da minha cadeira torturadora
pra buscar um copo de plástico com água
ou um copo de água com plástico
todo o campo de visão se abre
e tua presença absoluta se impõe nesse quadro

arvoro-me a descrever-te
cajazeiro fundador da placidez

tens em teu tronco
um coração que pulsa a seiva
fortaleza que só a estupidez traspassa

preso nas correntes da sociedade da informação
testemunhando pandemias inventadas
e consciências propositadamente alienadas
aguardo ansioso o verão

------

uma sombra sem corpo
amorfa
buscando um sentido inexistente
que a essência da sombra é aparência
da presença de um ente

------

Chuva,
Encharca-me a roupa
Para que a ponha de lado,
E revele-me a alma
Na nudez do corpo.

------

o tempo já não ruge; resigna-se
ante a evidência singular de sua morte; temor
transfigurado em complacência.

------

o bom fim à casa torna
pra regurgitar um recomeço,
um certo retorno
com um quê de incondicional
e um tanto de excepcional
na maneira como os caminhos se abrem
e se confundem ao mesmo tempo,
criando um labirinto

------

Vi além do meu querer, esqueci o que tinha que esquecer,
Abrindo a facão picadas na mata da minha mente encalacrada,
Revelando trilhas desconexas e equivocadas
Sob a selva espessa da confusão.

Andei caminhos empoeirados de uma poeira limpa,
Que gruda no corpo sem sujá-lo, protegendo-o,
Livrando-o da bolha artificial de higiene na qual vive,
Lançando-o de pés descalços sobre o chão.

Destilei angústias em grandes cipoais de fumaça,
Senti o rio da água do rio descendo a garganta,
Criando vales de nomes impronunciáveis no corpo,
Preparando-o, branco e magro, para a última transmutação.

..."

Íntegra dos poemas Millôreando, Haikai, Do Ostracismo e Sem Título, e trechos dos poemas Voltei, Impressões, Cabeça em Farrapos, A Meu Pai, Dilema, Poema Inventado, Maré, Cajazeiro, Eclipse da Lua, Chuva de Maio, O Tempo, O Retorno de Saturno e Viajei, de Alan Lobo, publicados no blog Mensageiro dos Ventos (2007-2009). www.mensageirodosventos.blogspot.com

.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…