Pular para o conteúdo principal

Original x Versão - Whiskey in the Jar

Thin Lizzy, por David Warner Ellis (1978)

ERRATA!!!!

O caro Mário Jorge trouxe uma incrível contribuição para este parco blogueiro. A música Whiskey in the Jar não é de autoria da banda irlandesa Thin Lizzy, e sim uma canção tradicional da Irlanda, QUE POR SINAL TEVE A PRIMEIRA GRANDE EXPOSIÇÃO COM O GRUPO The Dubliners!!! Ops, cagada geral, assumo, assumo!!!

Então, a estreia desta 'pretensa' nova série do blog já foi histórica, COM A MAIOR BIZARRADA DESTE FACONIANO AQUI NO BLOG!

Perdoem-me, caros leitores, mas bola pra frente. Ainda bem que é um blog e dá tempo pra arrumar!!

Bem, Original x Versão vai tratar basicamente da inútil e recorrente questão que a tosca e digital "crítica" musical adora empenhar: qual é o melhor? Extratificando: qual é o melhor, o original ou a versão?

Então, após a puxada de orelha de Mário Jorge (muito obrigado!), vamos fazer a seguinte adaptação: O lado "original" deixa de ser do Thin Lizzy e passa para o tradicional grupo folk irlandês The Dubliners, formado em 1962, em uma versão ao vivo em Dublin - Irlanda, em 2006. Confiram abaixo:

The Dubliners - Whiskey In The Jar




Segue agora corrigido portanto duas versões pra Whiskey in the Jar. A primeira, com o fodástico grupo irlandês Thin Lizzy (que de tão boa levou-me ao erro infantil de creditá-la como da banda), dublando na TV uma versão editada em 1973. A segunda, ao vivo com o Metallica também em Dublin 2006. Relembrando que foi a banda americana que colocou a canção de volta à mídia, após um celebrado vídeo junkie que estourou na MTV em 1998 (principalmente pelas belas mulheres bêbadas), e que ajudou muito moleque a descobrir o som furioso do Thin Lizzy (inclusive este verminho que vos escreve).

Thin Lizzy - Whiskey in the Jar




Metallica - Whiskey In The Jar




Então, pra responder ao titio Jornalinho, qual é a melhor?

a) The Dubliners?
b) Thin Lizzy?

c) Metallica?



.

Comentários

Anônimo disse…
Mirdad, se eu não me engano, essa é uma canção típica de dominio público, portanto, caso isso se confirme, não existe a original. O lendário Claudio Escória pode confirmar (ou não) a informação.
abço
Mario Jorge
Mirdad disse…
Grande MJ, muito obrigado pelo puxão de orelha!! Isso que dá não verificar as fontes. Merda! Mas taí, + ou - consertado. Putz!

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

O fim do Blog do Ël Mirdad

Esta é a última postagem do Blog do Ël Mirdad (que um dia já foi Farpas e Psicodelia). Ao fim, foram 1.083 postagens em 8 anos de atividade, de 2009 a 2016. Divulguei o trabalho de muitos artistas, nas áreas da música, literatura e audiovisual (eventos, shows, quadrinhos, etc.), e também o meu trabalho como compositor, escritor e produtor cultural. Das seções que fiz, a que mais me orgulhou foi Leituras. Abaixo, seguem duas imagens com estatísticas que o próprio Blogger oferece, apuradas em 22 de dezembro. O motivo para o fim desse blog é que não assinarei mais como Emmanuel Mirdad, e não tem lógica manter um canal de comunicação vinculado a esse nome.


Algum dia farei outro blog? Acho difícil. Caso faça, divulgarei apenas o meu trabalho como escritor, o único que continua, assinando, a partir de 2017, como Emmanuel Rosa.


Muito obrigado pela sua audiência. E espero que o Google mantenha esse acervo ativo, para quando você quiser voltar por aqui e ler (ou ouvir) algo que lhe agradou, d…