Pular para o conteúdo principal

Produções de Emmanuel Mirdad: Ano 2006



De acordo com o planejamento de carreira da The Orange Poem, 2006 era o ano para o produtor cultural baiano Emmanuel Mirdad estar morando na Europa, mais precisamente em Londres, batalhando pelo som psicodélico laranja. O giramundo gargalhou da projeção audaciosa e ele passou praticamente o ano todo no Rio Vermelho, no estúdio Casa das Máquinas do amigo Tadeu Mascarenhas, gravando o 2º CD da Orange Poem e o CD poema Ilusionador, com poemas do pai Ildegardo Rosa, seu trabalho de conclusão de curso em Comunicação/Jornalismo na Facom/Ufba. Um ano dedicado à produção musical (e executiva) de álbum – deixou de ser agente de shows, o trabalho dos últimos dois anos. Abaixo, a descrição do próprio produtor.



Gravação do 2º CD – The Orange Poem

Mal tinha gravado e lançado o primeiro CD da minha banda, e já financiei outra gravação. 2006 era o ano que tinha planejado para ir morar na Europa, tentar carreira com a Orange Poem por lá, mas estava descontente com o 1º CD, achava-o fraco, e queria seguir pra fora com um disco mais apresentável. E a gravação do segundo CD se arrastou por todo o ano, terminando só em outubro, mais uma vez no estúdio Casa das Máquinas, de Tadeu Mascarenhas, e eu trabalhei como produtor musical e executivo, bancando o processo sozinho, com minhas economias e auxílios familiares. Realmente ficou melhor que o anterior, extraindo o melhor da banda e de minha produção, focando na sonoridade psicodélica. Porém, não foi prensado e foi direto pra gaveta porque a banda acabou e eu desisti de ir morar na Europa para viver um grande amor em Salvador.

Patrocinador - Meu bolso

Funções - Produtor musical | Produtor executivo



Gravação do CD-poema Ilusionador como TCC 
para o curso de Comunicação/Jornalismo

Eu me formei jornalista na Facom/Ufba com um projeto de comunicação: Proposta de ambientação sonora para poemas em formato CD. Todo o foco do segundo semestre de 2006 foi para a realização do TCC. Criei a proposta e parti para a execução mais uma vez no estúdio Casa das Máquinas, de Tadeu Mascarenhas – as principais gravações, porque eu também gravei na Facom e em casa. O objeto do CD-poema Ilusionador foi um recorte de poemas da obra engavetada de meu saudoso pai, Ildegardo Rosa (1931-2011) – foto maior acima. Nas outras fotos (retiradas da internet), alguns dos amigos participantes da gravação, como Tadeu Mascarenhas, Glauber Guimarães, Renato Cordeiro, Raiça Bomfim, Marceleza de Castilho e Thiago Kalu, bem como extrações de áudio de bandas como Radiohead, Mahavishnu Orchestra, Dave Brubeck Quartet e Led Zepellin, e de filmes como Matrix e Mar Aberto.

Patrocinador - Meu bolso

Funções - Criação e concepção da proposta | Pesquisa e seleção dos poemas | Direção artística | Produtor musical | Produtor executivo | Criação dos samplers e ruídos | Assistente de gravação | Elaboração do TCC

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…