Pular para o conteúdo principal

Vamos ouvir: Serviço, do Castello Branco

Serviço (2013) - Castello Branco

Para ouvir, clique no player laranja abaixo, à esquerda do nome do artista.



Não consegue visualizar o player? Ouça aqui

Baixe o álbum completo aqui

Release disponível no site do artista:

"
Serviço. Essa foi a palavra que mais ouvi na minha infância. Ter sido criado em um monastério não fez de mim um monge, nem me deixou mais próximo de Deus do que você, porém, me trouxe o real significado de fé e o discernimento do que podemos buscar com isso. Quando fiz 4 anos, me batizei “Niska”, que vem de “Niskalkat”, um dos livros de José Trigueirinho Netto sobre os tempos de emergência. Lá, a gente vai mudando de nome de acordo com a mudança de ciclo, pra que o novo nos traga boas novas e o velho “eu” se desfaça. Fiz pães, remédios, músicas e orações. Cuidava dos reinos e nas horas vagas eu tinha um violão. Lembro que meu pai me trouxe uma revista de banca que eu levava pra cima e pra baixo como o único e maior presente do mundo, porque lá, afinal, eu não tinha nada, mas tínhamos tudo. Aprendi com muito dos colaboradores que, entre um serviço e outro, foram me ensinando os “porquês” do braço e das notas, assim eu aprendi violão. Mas não que isso seja importante porque o que eu aprendi lá foi e é muito mais presente na minha vida hoje do que o meu violão. Pensamento controlado, concentrado em realizar o positivo, sem conflito mental com o óbvio. Amar. Intuir. E isso eu aprendi limpando estábulo, capinando, ouvindo Pãma e aos domingos, lendo Paul Bruton. Quando vim morar no Rio de Janeiro, fui aprendendo a ser o inteiro. Busquei muito e nunca escondi meu amor pelo que é feito com amor, seja qualquer coisa do mundo. Nunca ignorei som nenhum, ainda mais quando sinto que há uma honestidade naquilo. Quando tinha dezoito, criei a R.Sigma. Comecei isso por amor e eu sabia. Quando saí disso foi por amor, mas não sabia, tem vezes que a gente não sabe na hora. Hoje eu sei, porque depois que nasce um ciclo como este que veio, a gente vê o pé e se é pé de amor é amor mas se for pé de dor, é dor. Esse disco tem tanto de mim quanto as partes do meu corpo, e assim como uma verdade não é pra ser verdade e sim para ser entendida, ele vem cheio de verdades que não são verdades, são entendimentos, meus e de todos os que fizeram parte desse processo. Mais uma vez não me interessa que som eu faço, com os dedos eu faço um, se me der um elástico eu posso te fazer mais dois, a questão é que tudo isso serviu ao todo e o todo fez exatamente o seu papel; ser o todo. Nós somos o aqui, nós somos o agora.


Amor e Luz,
Castellobranco.
"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…