Pular para o conteúdo principal

Vamos ouvir: Zulusa, de Patrícia Bastos

Zulusa (2013) - Patrícia Bastos



Soundcloud da cantora aqui

Release disponível no site da cantora:

"
Dona de uma das vozes mais marcantes do Amapá, Patrícia Bastos lança seu novo trabalho. O disco apresenta a variedade de ritmos do norte do país, misturando o batuque, marabaixo, cacicó e zoulk com guitarrada, embolada, cúmbia e fado. Com a proposta de focar no aprofundamento desses ritmos, norteado pelas influências musicais de Patrícia Bastos, como um passeio pelo seu ambiente musical, “Zulusa” também extrapola os limites geográficos e apresenta inovação e profundidade sonora.

Neste álbum a cantora retrata a arte regional como algo contemporâneo e universal e consolida a proposta da busca por uma sonoridade mais latente. “Zulusa” é o quinto disco de Patrícia Bastos e significa a junção de zulus + lusitanos, que somado ao índio, é a origem ancestral da cantora e também a essência do povo amapaense.

Produzido por Dante Ozzetti e Du Moreira na ponte São Paulo – Macapá, priorizaram um tratamento sonoro que coloca a origem regional e amplia seu conteúdo para uma sonoridade de linguagem universal. Seja por meio de inserções eletrônicas, que dialogam com os instrumentos acústicos, ou pelo processo de modulação que permite autonomia dos instrumentos percussivos na sustentação das músicas.

O álbum reúne compositores regionais e também nomes conhecidos nacionalmente, como Luiz Tatit, com o cacicó ‘Causou’, em parceria com Dante Ozzetti; e os cariocas Guinga e Paulo César Pinheiro, autores de ‘Ribeirinho’, composta nos anos 1980, mas nunca gravada e agora, interpretada na voz de Patrícia Bastos e pelo piano sutil e cristalino de Heloísa Fernandes; e o gaúcho Vitor Ramil que contribui com a composição do fado ‘Miss Tempestade’, junto com Ricardo Corona.

E ainda, participações especiais, como a do cantor e compositor paraense Felipe Cordeiro, que assina a faixa ‘Mais Uma’ junto com Júnia Vale; do músico Marcelo Pretto, em ‘Canoa Voadeira’ e ‘Rodopiado’; do Trio Manari, que atua na percussão de todas as faixas do disco, com exceção de “Miss Tempestade” e “Ribeirinho”; além do grupo de percussão Raizes do Bolão, originário do quilombola Curiaú, que participa de duas faixas.

“Zulusa” nasceu à partir da composição da música-título de Celso Viáfora com Joãozinho Gomes. O processo de pesquisa no campo rítmico e autoral das composições durou cerca de um ano e as músicas foram encomendadas aos autores, exclusivamente para esse projeto. Com o lançamento em 2013, os shows também estão previstos para o primeiro semestre do ano.

Dante Ozzetti, um dos produtores do disco, conheceu Patrícia Bastos em 2009, no “Amapá em Cantos”, realizado no SESC Ipiranga, em São Paulo. O evento reuniu diversos artistas do estado do Amapá, que dividiam interpretações com artistas como Zeca Baleiro, Chico Cesar, Vitor Ramil, Celso Viáfora, entre outros.

Compositor, arranjador e violonista, Dante Ozzetti possui formação em arquitetura e música. Já conquistou dois Prêmios SHARP, como Melhor Arranjador e Melhor Disco, e dois prêmios Visa de Música – Edição Compositores – reconhecido pelo júri e voto popular.
"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…